Filmes por gênero

SEDUZIDO PELO PERIGO (TV) (1995)

Body language
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Traído pelo desejo (Portugal)
Seducción criminal (Argentina)
Body Language - Verführung in der Nacht (Alemanha)
Testbeszéd (Hungria)
Kormi pagida (Grécia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Crime, Suspense
Direção: George Case
Roteiro: Eric Harlacher
Produção: Bill Borden, Diane Nabatoff
Design Produção: Armin Ganz
Música Original: Colin Towns
Direção Musical: Barry Rosenbush
Coreografia: JoAnn Fregalette Jansen
Fotografia: Andrzej Sekula
Edição: William Goldenberg
Direção de Arte: Troy Sizemore
Figurino: Louise Frogley
Guarda-Roupa: Victoria DeKay, Jim O'Daniel, Alana Caudillo
Maquiagem: Cheryl Voss, Karen Dahl
Efeitos Sonoros: Steven Brimmer, Jon Ailetcher, Brian Lucas, Darren Wright e outros
Efeitos Especiais: Tony Bradley, Pierre González, Paul Lombardi
Nota: 6.3
Filme Assistido em: 1996

Elenco

Tom Berenger Advogado Gavin St. Claire
Nancy Travis Advogada Theresa Janice Harlow
Robert Patrick Delbert Radley
Heidi Schanz Dora Circe
Eddie Jones Mac Brophy
Dana Gladstone Promotor Steve Crowley
Patricia Belcher Juíza May
Dayton Callie Frank DeMarco
James Frank Clark Engenheiro do Trem
Stan Garner Condutor do Trem
Magda Harout Alice, garçonete
Marnie McPhail Elaine Sloane
Karen Roe Katrina Holstagg
Nicholas Walker Professor
Stephen Pocock Gerente do Hotel
Mim Parker Tera, dançarina
Jon Donnelly .
Ric Sarabia .

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Gavin St. Claire trabalha como advogado de defesa de um poderoso mafioso, Frank DeMarco, num caso de assassinato.  Na promotoria, encontra-se Steve Crowley disposto a colocar DeMarco numa câmara de gás.

Gavin acredita que Crowley está escondendo algo, talvez uma testemunha desconhecida, enfim, que ele dispõe de alguma carta na manga.   T. J. Harlow, sócia e assistente de Gavin, procura conversar com os assessores de Crowley, numa tentativa de conseguir alguma informação relevante.

Na estrada, Gavin bate na traseira do carro de Dora Circe, uma dançarina que trabalha como 'stripper' de uma casa noturna.  Como o carro de Dora entra em pane, Gavin lhe oferece carona até a casa dela.  Depois que a deixa em casa, verifica que ela esqueceu em seu carro uma carteira de documentos.

Na manhã seguinte, T. J. vai à casa de Gavin, como de costume, para trocarem idéias sobre a andamento do caso.  Na oportunidade, os dois se preocupam com a possibilidade de Crowley ter um informante.  Gavin volta a se encontrar com Dora e termina apaixonado.  Esta lhe diz que é maltratada pelo marido, Delbert, que já chegou a queimar sua casa, e sugere como solução para eles algo que faça com que o mesmo desapareça, o que não é aceito por Gavin.

Ao visitar DeMarco, Gavin termina lhe falando sobre o problema do informante.  Depois, em sua casa, encontra-se com T.J. para as costumeiras reuniões de trabalho.  Sua sócia se mostra preocupada porque o julgamento está próximo e por notar que ele não vem fazendo nada, nem ao menos preparando as perguntas a serem formuladas às testemunhas.  Ela o aconselha ainda a se afastar de Dora, sob pena de terminar com sua vida arruinada.

Não dando ouvidos aos conselhos de sua amiga e colega, ele volta a procurar Dora.  Desta vez, sem saber que está sendo gravado, comenta que falou a seu cliente sobre o informante, o que o deixou se sentindo culpado, principalmente agora que soube que se tratava de Katrina Holstagg, uma jovem que acabara de ser assassinada.

Pelo telefone, Gavin ouve a gravação feita e se sente perdido.  Encurralado, vê no assassinato de Delbert, a solução para seus problemas.  Escolhidos os álibis, Gavin atrai Delbert para próximo de um cruzamento com a linha férrea, mata-o e faz com que o carro dele, com o corpo em seu interior, seja apanhado por um trem em alta velocidade.

No tribunal, a juíza May não acata uma cópia da tal fita, que lhe foi entregue por Crowley, por ter ela sido enviada por um anônimo.

Ao se encontrar com seu amigo Mac Brophy, este lhe comunica que Dora esteve há duas semanas na Polícia, acusando-o de não parar de telefonar para ela, de tentar embriagado transar de modo inconcebível e de insinuar sua intenção de matar seu marido.  Ainda segundo Brophy, o assunto só não foi pra frente porque, após falar tudo, ela recuou e não quis assinar o boletim de ocorrências.

Por outro lado, através de T. J., ele toma conhecimento que, a pedido de Dora, a polícia examinou os restos do carro apanhado pelo trem.  Ainda segundo T. J., a polícia deve ir no dia seguinte ao apartamento dele e que, por tudo isso, ela se acha extremamente desapontada.

Desesperado, após passar em seu apartamento e pegar roupa, dinheiro e passaporte, ele vai até a casa de Dora, numa tentativa de encontrar a tal fita-cassete.  Uma vez lá, ele encontra vários recortes de jornais, o que faz com que ele perceba que, desde o início, ele esteve sempre sendo usado por Dora, cujas intenções visavam a eliminação do marido por terceiros e sua posterior fuga, sozinha, com um bilhete de loteria premiado no valor de US$ 5 milhões.

Dora chega e, ao vê-la, Gavin tenta atacá-la, mas ela saca uma arma e dispara vários tiros contra ele, matando-o.

imagem

Comentários

"Seduzido pelo Perigo" é um filme fraco, de baixo orçamento.  Realizado pelo diretor George Case, a trama é basicamente a mesma apresentada pelo ótimo "Corpos Ardentes" de Lawrence Kasdan, 1981: Uma mulher casada, desejando se livrar do marido para ficar com sua fortuna, seduz um advogado, o induz a matar o marido para depois se livrar do amante.

Enquanto em "Corpos Ardentes", Kasdan apresenta um ótimo trabalho, tanto como diretor quanto como roteirista, os realizadores de "Seduzido pelo Perigo" fracassam nesses dois quesitos, principalmente no roteiro mal elaborado, cheio de furos e inconsistências.

No que tange ao elenco, ocorre a mesma coisa.  Enquanto Kathleen Turner, estreando no cinema, brilha como a "femme fatale" em "Corpos Ardentes", recebendo por sua atuação duas indicações ao Prêmio de Melhor Revelação Feminina do ano  (Academia Britânica de Cinema e Globo de Ouro), Heidi Schanz se mostra inexpressiva neste filme de George Case.

CAA