Filmes por gênero

O CRIME DO PADRE AMARO (2002)

El crimen del padre Amaro
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: El crimen del Padre Amaro (México, Espanha, Argentina)
Le crime du père Amaro (França)
Die versuchung des Padre Amaro (Alemanha)
The crime of Father Amaro (UK/USA)
Die Versuchung des Padre Amaro (Áustria)
Pater Amaros forbrydelse (Dinamarca)
Isä Amaron rikos (Finlândia)
Amaro atya bűne (Hungria)
Fader Amaros synder (Suécia)
Тайна отца Амаро (Rússia)
Pais: México, Espanha, Argentina, França
Gênero: Drama
Direção: Carlos Carrera
Roteiro: Vicente Leñero, baseado no Romance de Eça de Queirós
Produção: Daniel Birman Ripstein, Alfredo Ripstein
Música Original: Rosino Serrano
Fotografia: Guillermo Granillo
Edição: Óscar Figueroa
Direção de Arte: Carmen Giménez Cacho
Figurino: María Estela Fernández
Guarda-Roupa: Margarita Lozada
Maquiagem: Aurora Chavira, Marco A. Garcia
Efeitos Sonoros: Rubén Santeiro, Felipe Zavala, Mario Martínez e outros
Efeitos Especiais: Sergio Jara
Nota: 8.6
Filme Assistido em: 2003

Elenco

Gael García Bernal Padre Amaro
Ana Claudia Talancón Amelia
Sancho Gracia Padre Benito Díaz
Angélica Aragón Augustina Sanjuanera
Luisa Huertas Dionisia
Ernesto Gómez Cruz Bispo
Gastón Melo Martín
Pedro Armendáriz Jr. Prefeito
Damián Alcázar Padre Natalio Pérez
Andrés Montiel Rubén de la Rosa
Gerardo Moscoso Doc
Verónica Langer Mulher do Prefeito
Roger Nevares Padre Galván
Jorge Zárate Padre Mauro
Jorge Castillo Matías
Leticia Valenzuela Médica
Dagoberto Gama Lucas
Lorenzo de Rodas Don Paco de la Rosa
Blanca Loaria Getsemaní
Isidra Morales Amiga de Dionisia

Prêmios

Prêmios Ariel - Academia Mexicana de Cinema, México

Ariel de Ouro

Ariel de Prata de Melhor Direção (Carlos Carrera)

Ariel de Prata de Melhor Atriz Coadjuvante (Angélica Aragón)

Ariel de Prata de Melhor Ator Coadjuvante (Damián Alcázar)

Ariel de Prata de Melhor Ator em um Papel Menor (Gastón Melo)

Ariel de Prata de Melhor Roteiro Adaptado (Vicente Leñero)

Ariel de Prata de Melhor Edição (Óscar Figueroa)

Ariel de Prata de Melhor Som (Santiago Núñez, Neto Gaytán, Nerio Barberis)

Ariel de Prata de Melhor Figurino (María Estela Fernández)

Festival do Cinema de Guadalajara, México

Prêmio Mayahuel de Melhor Música (Rosino Serrano)

Prêmio Mayahuel de Melhor Ator (Damián Alcázar)

Festival de Cinema de Havana, Cuba

Prêmio de Melhor Roteiro (Vicente Leñero)

Associação dos Jornalistas Críticos de Cinema do México

Prêmio Deusa de Prata de Melhor Filme

Prêmio Deusa de Prata de Melhor Direção (Carlos Carrera)

Prêmio Deusa de Prata de Melhor Ator (Gael García Bernal)

Prêmio Deusa de Prata de Melhor Fotografia (Guillermo Granillo)

Prêmios da MTV, México

Prêmio Ator Favorito (Gael García Bernal)

National Board of Review, USA

Prêmio NBR dos 10 Melhores Filmes

Prêmios ACE, Nova York, Estados Unidos

Prêmio ACE de Melhor Filme

Prêmio ACE de Melhor Atriz (Ana Claudia Talancón)

Prêmio ACE de Melhor Ator Coadjuvante (Sancho Gracia)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira (México)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira (México)

Prêmios Ariel - Academia Mexicana de Cinema, México

Ariel de Prata de Melhor Atriz (Ana Claudia Talancón)

Ariel de Prata de Melhor Maquiagem (Aurora Chavira)

Ariel de Prata de Melhor Ator em um Papel Menor (Ernesto Gómez Cruz)

Ariel de Prata de Melhor Direção de Arte (Ivonne Fuentes, Carmen Giménez Cacho)

Festival Internacional de San Sebastián, Espanha

Prêmio Concha de Ouro (Carlos Carrera)

Prêmios Goya - Academia Espanhola, Espanha

Goya de Melhor Filme Estrangeiro em Língua Espanhola (Carlos Carrera, México)

Prêmios Gold Derby

Prêmio Gold Derby de Melhor Filme em Língua Estrangeira (México)

Prêmios da MTV, México

Prêmio Atriz Favorita (Ana Claudia Talancón)

Prêmio de Melhor Cena de Sexo (Ana Claudia Talancón, Gael García Bernal)

Prêmio Melhor Vilã (Luisa Huertas)

Festival Internacional de Istanbul, Turquia

Prêmio Golden Tulip (Carlos Carrera)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

O jovem Amaro, ansioso por mudar o mundo, torna-se sacerdote graças à sua vocação e às suas boas relações com o bispo, que o envia em treinamento à igreja do povoado de Los Reyes, Aldama, sob a supervisão do padre Benito, para no futuro mandá-lo estudar em Roma.  Lá, ele conhece a inocente e sensual devota Amélia, filha de Sanjuanera  (dona da taberna local e do coração do padre Benito) e, pouco a pouco, o sacerdote recém-chegado vai se apaixonando pela jovem e amaldiçoando sua sorte, que o condena ao celibato.    

Apesar disso, a jovem, seduzida pelo jeito afetuoso do padre e pela devoção a Deus que ambos compartilham, acaba caindo nos braços dele.  O destino lhes oferece o pretexto perfeito para cair em tentação: a filha do sacristão Martín, uma moça com retardamento mental, a quem eles decidem ensinar juntos a palavra de Deus...

Em torno dessa história, entrelaçam-se as vidas paralelas do padre Benito, um homem de boa vontade que caiu em tentação para ajudar seu povoado e para não ter de enfrentar o inferno da solidão; o padre Natalio, um sacerdote "rebelde" a favor da Teologia da Libertação, que se dedica integralmente a uma pequena comunidade na serra e que protege os guerrilheiros e os líderes do narcotráfico; Sanjuanera, uma mulher sem preconceitos que é amante do padre Benito; Don Paco, um espanhol tachado de "comunista" que não acredita na igreja nem em seus representantes; seu filho Rubén, o namorado jornalista de Amélia, que está a par dos segredos mais inomináveis do povoado; um bispo todo-poderoso e calejado graças aos seus muitos anos de experiência clerical, e um prefeito bonachão, que conduz seus negócios segundo os mais diversos interesses e que, como bom político, mantém boas relações com todos.

imagem

Comentários

Baseado no clássico romance de Eça de Queiroz, escrito em 1871, cuja narrativa original teve lugar numa pequena cidade portuguesa do século XIX, "O Crime do Padre Amaro" foi adaptado para a época atual, tendo como cenário uma pequena cidade mexicana.

A despeito da grande controvérsia criada no México, o filme não é anti-católico, embora mostre a hipocrisia que ocorre em qualquer sociedade e o ancestral conflito de fé dos ministros da Igreja.  Trata-se, enfim, de um filme moralmente complexo sem heróis e com várias vítimas.

Gael García Bernal e Ana Claudia Talancón apresentam uma boa atuação como o padre e Amelia, respectivamente.  Entre os atores coadjuvantes, o grande destaque vai para Damián Alcázar, que vive o padre Natalio Pérez.

Além do bom desempenho do elenco, o filme conta ainda com uma boa fotografia e, sem dúvida, com um ótimo roteiro e a boa direção de Carlos Carrera.

CAA