Filmes por gênero

LUZ NA PRAÇA (1962)

Light in the Piazza
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Uma luz na Praça (Portugal)
Luce nella piazza (Itália)
Luz en la ciudad (Espanha)
La luz en la plaza (México)
Licht auf der Piazza (Alemanha)
Ung kärlek i Florens (Suécia)
Romantik i Florens (Dinamarca)
Свет на площади (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Romance
Direção: Guy Green
Roteiro: Julius J. Epstein
Produção: Arthur Freed
Música Original: Mario Nascimbene
Direção Musical: Dock Mathieson
Fotografia: Otto Heller
Edição: Frank Clarke
Direção de Arte: Frank White
Guarda-Roupa: Dolly Smith
Maquiagem: Tom Smith
Efeitos Sonoros: A.W. Watkins, Cyril Swern, Robert Carrick
Efeitos Especiais: Tom Howard
Nota: 8.2
Filme Assistido em: 1965

Elenco

Olivia de Havilland Meg Johnson
Rossano Brazzi Sr. Naccarelli
Yvette Mimieux Clara Johnson
George Hamilton Fabrizio Naccarelli
Isabel Dean Srta. Hawtree
Moultrie Kelsall Ministro
Nancy Nevinson Sra. Naccarelli
Barry Sullivan Noel Johnson
Rosella Spinelli Giuseppina Naccarelli
Luciano Barontino Marquês
Robert Rietty Padre
William E. Greene Agente Consular
Steve Plytas Recepcionista
Bonas Eugevio Policial
Peppino De Martino Condutor do trem

Indicações

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Ator Estrangeiro (George Hamilton)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Ao se encontrar de férias na Europa, em companhia de sua mãe, Clara Johnson, de 26 anos, se apaixona por um belo florentino, Fabrizio Naccarelli. Ao tomar conhecimento do romance, sua mãe, Margaret, esconde o fato de sua filha ter uma deficiência mental, adquirida ainda em criança, ao sofrer um acidente que a deixou com a mente de uma menina de dez anos. Dias depois, quando se torna evidente que os Naccarellis ficariam encantados em receber Clara na família, Margaret, sentindo-se incapaz de dizer a verdade, comunica-se com o marido, pedindo-lhe que venha ao seu encontro em Roma.

Para o rude e antipático Noel Johnson, no entanto, a única solução que têm é a de retornarem imediatamente para a América e internarem Clara em uma instituição especializada em doenças mentais. Sentindo-se insegura, Margaret, no entanto, resolve voltar com Clara até Florença, onde percebe que, de alguma forma, sua filha estaria segura, uma vez que seus caprichos seriam atendidos por um marido apaixonado, suas necessidades, pelos criados, e seus filhos seriam cuidados por uma sogra dedicada. Assim, dentro desse raciocínio, Margaret decide manter o silêncio em relação ao estado da filha, permitindo que o casamento se concretize.

Às vésperas do casamento, quando estão cuidando dos últimos detalhes para a cerimônia na igreja, o pai de Fabrizio, ao dar uma olhadela no passaporte de Clara, fica alarmado e foge da igreja sem explicação, carregando o filho com ele. Preocupada, Margaret teme que, de alguma forma, o Sr. Naccarelli tenha deduzido a idade mental de Clara e que, por consequência, não deseja mais que seu filho se case com ela. No entanto, ao procurá-la em seu hotel, ele lhe diz que ela deveria ter lhe falado que Clara tinha 26 anos de idade, pois, de acordo com a cultura italiana, um jovem de 20 anos não pode se casar com uma mulher mais velha sem que haja controvérsia.

Quando ele, finalmente, fala ao filho sobre o problema da diferença de idades, Fabrizio o lembra que, na verdade, ele tem 23 anos e que ama tanto Clara que não se importa com essa pequena diferença. A situação é rapidamente resolvida, aos olhos do Sr. Naccarelli, quando o dote de Clara é aumentado de US$ 5.000 para US$ 15.000.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Guy Green, a partir de um roteiro escrito por Julius Epstein, “Luz na Praça” é um filme norte-americano produzido pela Metro-Goldwyn-Mayer (MGM) em 1962.  Sua trama, baseada num romance de Elizabeth Spencer, é envolvente do início ao fim, e marcada por diálogos inteligentes.

Embora não se trate de uma obra premiada, a direção de Green é de primeira linha, conseguindo imprimir um bom ritmo à narrativa. Merece, igualmente, registro, a fotografia em CinemaScope Metrocolor,  de Otto Heller.

No elenco, Olivia de Havilland e Yvette Mimieux brilham em seus respectivos papéis, seguidas pelas ótimas atuações de Rossano Brazzi e George Hamilton.

CAA