Filmes por gênero

FOLHAS MORTAS (1956)

Autumn leaves
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Folhas de Outono (Portugal)
Feuilles d'automne (França)
Foglie d'autunno (Itália)
Hojas de otoño (Espanha)
Herbststürme (Alemanha)
Syyslehtiä (Finlândia)
Jesienne liscie (Polônia)
När skymningen faller (Suécia)
Осенние листья (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama
Direção: Robert Aldrich
Roteiro: Jean Rouvero, Hugo Butler, R. Blees, Lewis Meltzer
Produção: William Goetz
Música Original: Hans J. Salter
Fotografia: Charles Lang
Edição: Michael Luciano
Direção de Arte: William Glasgow
Figurino: Jean Louis
Maquiagem: Clay Campbell
Efeitos Sonoros: Ferrol Redd, John P. Livadary
Nota: 8.3
Filme Assistido em: 1958

Elenco

Joan Crawford Millicent Wetherby
Cliff Robertson Burt Hanson
Vera Miles Virginia Hanson
Lorne Greene Sr. Hanson
Ruth Donnelly Liz Eckhart
Shepperd Strudwick Dr. Malcolm Couzzens
Maurice Manson Dr. Masterson
Maxine Cooper Enfermeira Evans
Leonard Mudie Coronel Hillyer
Selmer Jackson Sr. Wetherby
Frank Gerstle Sr. Ramsey
Jim Backus Sr. Magoo
Robert Sherman Paul
Marjorie Bennett Garçonete
Bob Hopkins Escriturário
Jimmy Murphy Florista
June McCall Vendedora de pipocas
Abdullah Abbas Vendedor mexicano
Frank Arnold Açougueiro
Ethan Laidlaw Cliente do restaurante
Bess Flowers Mulher saindo do Concerto

Prêmios

Festival Internacional de Berlim, Alemanha

Prêmio Urso de Prata de Melhor Direção (Robert Aldrich)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em Los Angeles, Millicent Wetherby é uma solteirona solitária que passa o dia trabalhando como estenógrafa, no condomínio onde mora. Quando um de seus clientes lhe presenteia com um ingresso para um concerto, como reconhecimento por um trabalho bem feito, ela o assiste sozinho. A música melancólica a faz relembrar de um tempo, anos atrás, quando ela sacrificou o amor de um pretendente, em potencial, para cuidar de seu pai doente. Depois do concerto, ela entra num Café, repleto de clientes, e se senta na última mesa disponível.

Depois que ela escolhe a canção “Autumn Leaves" numa máquina de jukebox, Burt Hanson, um jovem bem apessoado, entra no Café e, percebendo um lugar vago na mesa de Milly, pede licença para se juntar a ela. Depois que Milly relutantemente consente, numa tentativa de puxar conversa, Burt comenta que ela parece solitária e afirma que, tendo sido dispensado do exército, mudou-se para Los Angeles em busca de emprego. Algum tempo depois, quando Milly se prepara para deixar o Café, Burt insiste em acompanhá-la até a casa dela e a convida para a praia no dia seguinte. Embora inicialmente relutante, Milly termina aceitando o convite e, na manhã seguinte, os dois vão à praia e acabam se abraçando apaixonadamente.

No final do dia, no entanto, Milly adverte Burt para sair com alguém de sua idade, pedindo-lhe para não voltar a procurá-la. Depois de um mês de dias solitários e noites mal dormidas, ao entrar em seu condomínio, ela ouve a canção “Autumn Leaves" vindo de seu apartamento e, ao chegar em casa, ela encontra Burt a esperá-la. Quando ele a convida para um filme e um jantar em comemoração ao seu novo emprego em uma Loja de Departamentos, Milly hesita até que ele lhe assegura que está se encontrando com mulheres da idade dele, achando-as todas muito jovens. Durante o intervalo do filme, Burt abruptamente anuncia que deseja se casar com ela e a pressiona por uma resposta. Atordoada, Milly o chama de impulsivo e insiste em voltar para casa. No entanto, quando ele se despede e começa a ir embora, ela muda de ideia e aceita sua proposta.

Impaciente, Burt sugere que se casem no México no dia seguinte, mas quando ele afirma, na licença de casamento, que Chicago é seu local de nascimento, Milly mostra-se confusa porque ele antes lhe contara que nascera em Wisconsin. Duas semanas mais tarde, Burt a cobre com presentes e afirma ter sido promovido a gerente. Quando um dos clientes de Milly, Coronel Hillyer, a procura para deixar um manuscrito, Burt discute suas experiências de combate com o oficial, deixando Milly perplexa, que acreditava que seu marido teria servido em uma divisão de não combatentes. Depois que Burt sai para o trabalho, uma senhora bate à porta e se apresenta como sendo sua ex-mulher, Virginia.

Como Burt lhe havia dito que nunca se casara, Milly afirma que deve haver um engano, até que Virginia lhe mostra uma fotografia de Burt com o pai, que ele alegara estar morto. Virgínia explica que Burt a abandonou depois de ser acusado de furto e que ela e o pai chegaram à Los Angeles para encontrá-lo. Em seguida, ela entrega à Milly um documento de propriedade que Burt precisa assinar. Depois de avisá-la que ele é um mentiroso inveterado, Virginia vai embora deixando Milly enojada e com medo. Pouco tempo depois, perturbada, Milly visita o pai de Burt em seu hotel. Na ocasião, fingindo preocupação com o filho, o Sr. Hanson avisa Milly que Burt é uma alma perdida que deve ser institucionalizada. Depois que Milly vai embora, Virginia procura seu ex-sogro e o abraça carnalmente.

Quando Burt chega do trabalho, Milly lhe diz que descobriu que ele é um auxiliar de escritório e não um gerente, e o acusa de roubar os presentes que ele lhe deu. Quando ele fica a olhar para ela, espantado, Milly lhe pergunta por que ele nunca lhe falou sobre Virginia. Mostrando-se agitado, ele lhe diz que o casamento não significava nada para ele e relembra o dia em que voltou para casa mais cedo, para surpreender Virginia, desmaiando em seguida. Quando Milly insiste que ele deve procurar o pai, Burt derrama-se em lágrimas, mas finalmente atende ao seu desejo. No dia seguinte, ela vai ao hotel para falar com o Sr. Hanson e o encontra à beira da piscina aos abraços com Virginia.

Percebendo a extensão da traição de seu sogro, Milly se esconde no corredor enquanto os pombinhos sobem para sua suíte. Logo depois, Burt chega ao hotel, e quando descobre que ele está indo ver o pai, Milly tenta fazer algo para poupar o marido. No entanto, ao chegar ao andar do Sr. Hanson, ela encontra Burt caído junto à porta da suíte. Ao voltar para casa, ele mostra-se retraído e pouco comunicativo. Logo depois, Virginia e o Sr. Hanson chegam e pedem para vê-lo. Enquanto Burt ouve às escondidas, Milly ordena que eles vão embora, mas o Sr. Hanson ameaça entregar o filho, a menos que ele passe a propriedade que herdou de sua falecida mãe para o nome de Virginia.

Chamando-os de monstros, Milly bate a porta de seu apartamento, sendo acusada por Burt de estar agindo contra ele. Enfurecido, ele a derruba com um soco e, em seguida, esmaga sua mão com uma máquina de escrever. Depois que ela grita em agonia, Burt lhe implora seu perdão. As lesões de Milly são tratadas pelo Dr. Masterson, que recomenda que Burt seja visto pelo Dr. Malcolm Couzzens, um psiquiatra. Ela resiste aos conselhos dele até uma noite, quando Burt revive a traição de Virgínia e começa a soluçar incontrolavelmente. No dia seguinte, uma angustiada Milly procura o Dr. Couzzens, que diagnostica Burt como portador de esquizofrenia, aconselhando sua internação.

Quando o psiquiatra adverte que Burt está regredindo à infância, Milly finalmente concorda em interná-lo, embora tema que, uma vez curado, ele não venha mais precisar dela. Meses depois, ela recebe uma carta informando-a que Burt vai receber alta do sanatório. Certa de que ele, a essa altura, já não mais a ama, ela vai ao sanatório se oferecer para enviar suas roupas e se despedir. Ao deixar a instituição, no entanto, ela é seguida por Burt que, ternamente, beija sua mão ferida e a abraça.

imagem

Comentários

Realizado pelo grande cineasta Robert Aldrich, a partir de um roteiro escrito por Jean Rouvero, Hugo Butler, Robert Blees e Lewis Meltzer, “Folhas Mortas” é um interessante filme norte-americano produzido pela William Goetz Productions em 1956. Sua trama conta o drama vivido por uma mulher de cinquenta anos de idade, que se apaixona e se casa com um jovem com problemas mentais e cerca de vinte anos mais novo que ela.

Na direção, Aldrich realiza um ótimo trabalho, pelo qual foi agraciado com o prêmio Urso de Prata, concedido pelo Festival Internacional de Berlim, Alemanha. Na área técnica, merecem ainda ser destacadas a fotografia em preto e branco, assinada por Charles Lang, e a trilha sonora de Hans J. Salter, com destaque para a bela música de Joseph Kosma, “Les Feuilles Mortes”, magnificamente interpretada pelo inesquecível Nat 'King' Cole.

No elenco, Cliff Robertson e Joan Crawford brilham em seus respectivos papéis, seguidos pelas ótimas atuações de Vera Miles e Lorne Greene.

CAA