Filmes por gênero

NOSSA VIDA COM PAPAI (1947)

Life With Father
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: A culpa é do Papá (Portugal)
Mon père et nous (França)
Vivir con papá (Espanha)
Vita col padre (Itália)
Unser Leben mit Vater (Alemanha)
Pappa och vi (Suécia)
Vi og vores far (Dinamarca)
Жизнь с отцом (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Comédia
Direção: Michael Curtiz
Roteiro: Donald Ogden Stewart
Produção: Robert Buckner
Música Original: Max Steiner
Direção Musical: Leo F. Forbstein
Fotografia: Peverell Marley, William V. Skall
Edição: George Amy
Direção de Arte: Robert M. Haas
Maquiagem: Perc Westmore
Efeitos Sonoros: C.A. Riggs
Efeitos Especiais: Ray Foster
Nota: 8.4
Filme Assistido em: 1950

Elenco

William Powell Clarence Day, Sr.
Irene Dunne Vinnie Day
Elizabeth Taylor Mary Skinner
Edmund Gwenn Rev. Dr. Lloyd
Zasu Pitts Cora Cartwright
Jimmy Lydon Clarence Day, Jr.
Emma Dunn Margaret, a cozinheira
Moroni Olsen Dr. Humphries
Elisabeth Risdon Sra. Whitehead
Derek Scott Harlan Day
Johnny Calkins Whitney Day
Martin Milner John Day
Heather Wilde Annie
Monte Blue Policial
Mary Field Nora
Queenie Leonard Maggie
Nancy Evans Delia
Clara Blandick Srta. Wiggins
Frank Elliott Médico
John Beck Perkins
Arlene Dahl Jovem no Delmonico's
Jean Del Val François
Douglas Kennedy Morley

Prêmios

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Ator (William Powell)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Trilha Sonora Original (Max Steiner)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Ator (William Powell)

Oscar de Melhor Fotografia a Cores (J. Peverell Marley, William V. Skall)

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Cenários (Robert M. Haas, George James Hopkins)

Oscar de Melhor Trilha Sonora de uma Comédia ou Drama (Max Steiner)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em 1883, em Nova York, o empresário Clarence Day esforça-se para administrar sua casa da Madison Avenue de modo tão eficiente como ocorre com seus negócios. Suas explosões temperamentais aterrorizam os empregados domésticos, a ponto de sua mulher, Vinnie, não conseguir manter uma empregada por mais do que alguns dias. Clarence e Vinnie têm quatro filhos, todos eles ruivos como eles. O mais velho, Clarence Jr., está indo para Yale. John, o segundo, gosta de inventar coisas, enquanto Whitney se esforça para aprender seu catecismo, e Harlan, o caçula, se preocupa mais com seu cachorro.

Sabendo quanto Clarence não gosta de receber visitas, Vinnie esquece de dizer ao marido que sua prima, Cora Cartwright, juntamente com uma amiga, Mary Skinner, vão passar uma semana com eles. Clarence fica ainda mais incomodado ao descobrir que Vinnie prometeu que ele as levaria ao restaurante Delmonico para um jantar. Como de costume, no entanto, Vinnie consegue, inclusive, que o marido leve o filho mais velho, que passou a se interessar por Mary.

Durante uma conversa, a jovem Mary afirma ser metodista, ao contrário dos Days, que pertencem à igreja episcopal. No decurso da discussão religiosa que se segue, é revelado que Clarence não é batizado. Vinnie se mostra chateada com a descoberta, insistindo para que o marido se batize a fim de que possam se reunir após a morte, mas ele se recusa certo de que Deus nunca seria tão imprudente para negar-lhe a entrada no céu.

Enquanto isso, Clarence Jr. torna-se convencido de que vestir um terno do pai, como desejado pela mãe, o obrigará a se comportar como ele. Quando a inocente Mary cai em lágrimas, Clarence Jr. torna-se determinado a ganhar dinheiro suficiente para comprar sua própria roupa. Ele e John passam a vender medicamentos e, quando Vinnie os toma indevidamente, adoece a ponto de Clarence, acreditando que ela esteja à beira da morte, promete se batizar se ela ficar boa.

Dias depois, quando ela se recupera, Clarence não cumpre a promessa feita. No entanto, sem que ele tome conhecimento, Vinnie providencia para que ele seja batizado numa igreja do Audubon Park, a fim de que não fique envergonhado na frente de seus amigos. Quando o esquema está todo montado, Clarence descobre os planos da mulher e se mostra inflexivelmente contrário.

A oportunidade de Vinnie surge quando Júnior compra um cão de cerâmica que o pai passa a odiar a ponto de dizer que está disposto a se batizar se retirarem aquele cão de sua casa. Vinnie, rapidamente, pede que o filho devolva aquela peça de cerâmica à loja e o autoriza a gastar o dinheiro com um terno novo.

Na manhã seguinte, embora Clarence negue que tenha concordado com o batismo, Vinnie reúne a família e todos seguem para a igreja do Audubon Park, com Júnior vestindo seu terno novo ao lado de Mary, a fim de testemunharem o batismo de Clarence.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Michael Curtiz, a partir de um roteiro escrito por Donald Ogden Stewart, “Nossa Vida com Papai” é um ótimo filme norte-americano produzido pela Warner Bros em 1947. A trama, muito bem articulada, foi baseada numa obra homônima assinada por Howard Lindsay e Russel Crouse.

Na direção, Curtiz, demonstrando mais uma vez seu completo domínio da câmera, nos brinda com mais um belo trabalho. Por outro lado, a fotografia de J. Peverell Marley e William V. Skall é, sem nenhuma dúvida, um dos quesitos que merecem ser destacados, assim como, a bela trilha sonora assinada por Max Steiner.

No elenco, o maior destaque é William Powell, que nos brinda com uma ótima atuação, seguido pela atriz Irene Dunne. Com apenas 15 anos de idade, Elizabeth Taylor se sai bem no papel da jovem Mary Skinner.

CAA