Filmes por gênero

COM A MALDADE NA ALMA (1964)

Hush... hush, sweet Charlotte
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Chut, chut, chère Charlotte (França)
Berceuse pour un massacre (Bélgica)
Piano... piano dolce Carlotta (Itália)
Canción de cuna para un cadáver (Espanha)
Cálmate, dulce Carlota (México, Argentina)
Wiegenlied für eine Leiche (Alemanha)
Hysch hysch, Charlotte! (Suécia)
Тише... тише, милая Шарлотта (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Mistério, Suspense
Direção: Robert Aldrich
Roteiro: Lukas Heller, Henry Farrell
Produção: Robert Aldrich, Walter Blake
Música Original: Frank De Vol
Fotografia: Joseph F. Biroc
Edição: Michael Luciano
Direção de Arte: William Glasgow
Figurino: Norma Koch
Maquiagem: Gene Hibbs
Efeitos Sonoros: Bernard Freericks, Herman Lewis
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1969

Elenco

Bette Davis Charlotte Hollis
Olivia de Havilland Miriam Deering
Joseph Cotten Dr. Drew Bayliss
Agnes Moorehead Velma Cruther
Cecil Kellaway Harry Wills
Victor Buono Samuel Eugene ("Big Sam") Hollis
Mary Astor Sra. Jewel Mayhew
Wesley Addy Xerife Luke Standish
William Campbell Paul Marchand
Bruce Dern John Mayhew
Frank Ferguson Walter Blake, editor do jornal
George Kennedy Capataz
Dave Willock Motorista de táxi
Michel Petit Líder da gangue
Percy Helton Diretor do funeral
Jerry Leggio Médico
Carol Delay Geraldine
Idell James Ginny Mae
Robert Adler Sr. Howard
Bill Walker Motorista
Ellen Corby Fofoqueira da cidade
Marianne Stewart Fofoqueira da cidade
Helen Kleeb Fofoqueira da cidade

Prêmios

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante (Agnes Moorehead)

Prêmios Edgar Allan Poe

Prêmio de Melhor Filme (Henry Farrell, Lukas Heller )

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Atriz em um Drama (Bette Davis)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante (Agnes Moorehead)

Oscar de Melhor Fotografia em Preto e Branco (Joseph F. Biroc)

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Cenários (William Glasgow, Raphael Bretton)

Oscar de Melhor Figurino em Branco e Preto (Norma Koch)

Oscar de Melhor Edição (Michael Luciano)

Oscar de Melhor Canção Original (Frank De Vol, Mack David)

Oscar de Melhor Trilha Sonora (Frank De Vol)

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Atriz Coadjuvante (Agnes Moorehead)

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Canção (Frank De Vol, Mack David)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Charlotte Hollis é uma aristocrata idosa e rica, vivendo em uma mansão decrépita na zona rural da Louisiana, pertencente à sua família desde os tempos da Guerra Civil Americana. No entanto, a Comissão de Estradas de Rodagem da Louisiana pretende demolir a mansão, abrindo passagem para uma nova rodovia através da propriedade.

Indignada, Charlotte resolve resistir à desapropriação, lutando com todas as suas forças contra a decisão legal e recorrendo até ao uso de um rifle. Temendo uma tragédia, os operários convocados para a demolição da casa resolvem desistir e abandonam temporariamente o terreno.

Para toda a cidade, Charlotte encarna a figura da "louca da aldeia", personagem tão comum em filmes americanos, que assusta criancinhas e que é tido como capaz de perpetrar as piores barbaridades. A verdade é que Charlotte realmente foi pivô, há cerca de trinta e sete anos, de uma grande tragédia.

Em 1927, seu amante John Mayhew, um homem rico e casado com Jewel Mayhew, teve a cabeça e uma das mãos decepadas por um cutelo durante um baile dado na casa de Samuel Eugene Hollis, pai de Charlotte. Quando ela surgiu no salão, com o vestido sujo de sangue, tornou-se a principal suspeita do crime mas, em parte pela falta de provas concretas, em parte pelo poder de Samuel, que morreu um ano depois, nada aconteceu com ela. Charlotte ficou, no entanto, eternamente marcada como a assassina do amante. A partir desse fato, sua saúde mental ficou comprometida. Desde então, quem cuida dela é Velma Cruther, sua fiel criada.

Coincidindo com o despejo de Charlotte da mansão, a cidade recebe dois novos visitantes, ambos ligados ao destino de Charlotte. Um é Harry Wills, um velho investigador de seguros do Lloyd’s de Londres, ainda interessado em apurar fatos ligados ao "caso Mayhew", e o outro é Miriam Deering, uma prima pobre de Charlotte bem mais nova que ela, que morara na mansão durante sua infância. Ela é chamada por Charlotte para ajudá-la na batalha judicial que pretende iniciar contra a Comissão de Estradas. Ao voltar, ela retoma seu relacionamento com o Dr. Drew Bayliss, o médico local que cuida do estado debilitado de Charlotte.

No entanto, a sanidade de Charlotte se deteriora com a chegada de Miriam. Por outro lado, suspeitando que Miriam e Drew estejam atrás do dinheiro de Charlotte, Velma procura a ajuda de Harry Wills, um investigador de seguros que ainda está interessado no caso Mayhew e visitou recentemente sua viúva, Jewel.

Certo dia, ao descobrir que Charlotte está sendo drogada por Miriam, Velma a procura e, depois de uma discussão no topo de uma escada, Miriam a abate com uma cadeirada na cabeça, que a faz rolar escada abaixo até a morte. Em seguida, continuando a drogá-la, Miriam faz com que Charlotte atire contra Drew usando uma arma com balas de festim. Continuando com a encenação, Miriam a ajuda a levar o corpo de Drew até um pântano.

Quando Drew reaparece, ele e Miriam acreditam que sua “ressurreição” vai fazer com que Charlotte se torne completamente louca. Os dois, sentindo-se vencedores, vão até o jardim para combinarem seus próximos passos. Na ocasião, ela comenta que, em 1927, ela viu quando Jewel matou seu marido, crime que injustamente foi atribuído à Charlotte. Logo em seguida, ao abraçar Drew, Miriam olha para cima e vê Charlotte, que ouvira tudo, empurrar uma enorme urna de pedra da varanda superior, esmagando-os até a morte.

Mais tarde, quando Charlotte é levada pelas autoridades, o investigador Wills lhe entrega um envelope da agora morta Jewel Mayhew, na qual ela confessa ter assassinado seu marido ao descobrir seu envolvimento com Charlotte.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Robert Aldrich, a partir de um roteiro escrito por Henry Farrell e Lukas Heller, “Com a Maldade na Alma” é um filme norte-americano produzido pela empresa The Associates & Aldrich Company em 1964. Sua trama, baseada no conto “"What Happened to Cousin Charlotte?" de Farrell, é marcada por uma boa dose de suspense.

A direção de Aldrich é consistentemente boa, apresentando um ótimo ritmo do início ao fim. Os diálogos são inteligentes, fazendo com que o espectador nem perceba que o filme é um pouco longo. A fotografia em preto e branco, a cargo de Joseph F. Biroc, é bastante requintada, contribuindo para a alta qualidade do filme.

Enfim, “Com a Maldade na Alma” é um filme que recomendo fortemente.  

CAA