Filmes por gênero

NÁUFRAGOS DO TITANIC (1953)

Titanic
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: A tragédia do Titanic (Portugal)
Titanic (França, Bélgica, Dinamarca, Finlândia)
El hundimiento del Titanic (Espanha)
Y el mar los devoró (Argentina)
El mar los devoró (Chile)
Untergang der Titanic (Alemanha, Austria)
Титаник (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama
Direção: Jean Negulesco
Roteiro: Charles Brackett, Walter Reisch, Richard L. Breen
Produção: Charles Brackett
Música Original: Sol Kaplan
Direção Musical: Lionel Newman
Fotografia: Joseph MacDonald
Edição: Louis R. Loeffler
Direção de Arte: Lyle R. Wheeler, Maurice Ransford
Figurino: Dorothy Jeakins
Guarda-Roupa: Charles Le Maire
Maquiagem: Ben Nye
Efeitos Sonoros: Roger Heman Sr., Arthur von Kirbach
Efeitos Especiais: Ray Kellogg
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1954

Elenco

Clifton Webb Richard Ward Sturges
Barbara Stanwyck Julia Sturges
Robert Wagner Gifford Rogers
Audrey Dalton Annette Sturges
Harper Carter Norman Sturges
Thelma Ritter Maude Young
Brian Aherne Capitão Edward John Smith
Barry Bernard 1º Oficial Murdock
Edmund Purdom 2º Oficial Lightoller
Marta Mitrovich Sra. Jean Uzcadum
Richard Basehart George S. Headley
Frances Bergen Madeleine Astor
William Johnstone John Jacob Astor
Allyn Joslyn Earl Meeker
James Todd Sandy Comstock
Charles B. Fitzsimons Oficial Chefe Wilde
Guy Standing Jr. George D. Widener
Roy Gordon Isador Straus
Ivis Goulding Emma
Ashley Cowan Phillips
Helen Van Tuyl Ida Straus
James O'Hara Devlin
Mae Marsh Passageira
Harold Miller Passageiro
Bert Stevens Passageiro

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor História e Roteiro (Charles Brackett, Walter Reisch, Richard L. Breen )

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Cenários (Lyle R. Wheeler, Maurice Ransford, Stuart A. Reiss)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Jean Negulesco)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em abril de 1912, a americana Julia Sturges deixa Cherbourg, na França, com seus filhos adolescentes, Annette e Norman, para embarcar no luxuoso transatlântico R.M.S. Titanic em sua viagem inaugural da Inglaterra para Nova York. Já a bordo do navio, encontram-se proeminentes socialites americanas e aristocratas ingleses, bem como muitos passageiros de terceira classe. No cais, o marido de Julia, Richard Ward Sturges, convence uma família de imigrantes bascos que estão indo para a América, a vender a passagem do Sr. Uzcadum, o chefe da família. Quando Annette embarca no Titanic, ela chama a atenção do estudante universitário americano Gifford Rogers, mas rejeita seus avanços.

Para grande surpresa de Julia e deleite de seus filhos, Richard se junta a eles. No entanto, quando Annette e Norman se afastam, Richard acusa a mulher de ter sequestrado seus filhos. Julia reage ao lhe dizer que está levando os filhos para a América para livrá-los de seu esnobismo e proporcionar-lhes uma vida como jovens americanos normais. Richard protesta, afirmando que Julia vai arruinar as vidas deles e forçar Annette a se casar com um caipira rural. Embora o casal se mostre educado na frente dos filhos, em particular, eles continuam a se agredir mutuamente.

Na manhã seguinte, Gifford se aproxima de Julia que, tendo uma ótima impressão do jovem, promete-lhe falar com Annette em seu nome. Ao retornar à sua cabine, Julia encontra o marido tentando fazer a cabeça dos filhos ao dizer-lhes que ela pretende mantê-los na América. Annette, que compartilha dos preconceitos e esnobismo do pai, fica horrorizada e diz à mãe que sua casa é na França. Naquela noite, Richard permite que Norman compre seu primeiro par de calças compridas, enquanto Annette tenta fazer as pazes com a mãe por seu ataque de raiva. Richard pede para que os filhos os esperem na sala de jantar e confronta Julia, que afirma ter desistido de transformar Annette, mas que lutará até o fim por Norman. Quando ele afirma que nunca vai permitir que ela tenha a custódia do filho, no desespero, Julia revela que ele não é o pai de Norman. Depois do jantar, enquanto Annette relutantemente dança com Gifford, Julia revela a Richard que Norman é o fruto de um romântico encontro que ela teve depois que ele a humilhara em uma festa. Esmagado, Richard responde que nunca mais vai querer ver Norman e, em seguida, começa um jogo de bridge com Maude e seus amigos.

Na manhã seguinte, o 2º Oficial Lightoller, preocupado com um enorme iceberg avistado e relatado por outro navio, alerta o Capitão Edward John Smith sobre a velocidade do Titanic, mas ele não dá a menor atenção à sua preocupação. No bar, Norman pede ao pai para acompanhá-lo em um jogo de baralho, mas Richard se recusa e continua a jogar bridge. No convés, Annette pede desculpas a Gifford por abandoná-lo na pista de dança, na noite anterior, e confessa que não está familiarizada com o último estilo de dança americana. Depois que ela se retira, ele alegremente joga seu chapéu no mar, onde surgem grandes pedaços de gelo.

À noite, Richard rudemente ignora um apelo de Julia para que ele passe um tempo com Norman, enquanto Lightoller se mostra ainda mais nervoso com o recebimento de uma nova mensagem sobre o surgimento de um novo iceberg. O Capitão Smith decide não mudar o curso do navio, preferindo esperar até a manhã seguinte, quando os icebergs serão facilmente visíveis. Abaixo do convés, Annette se mostra feliz ao lado de Gifford e seus amigos, permitindo-lhe, inclusive, que a beije. Às 23:36h, quando dois marinheiros avistam um enorme iceberg, o alarme é soado e o transatlântico é dirigido para estibordo. Apesar de parecer, em princípio, que o navio vai passar com segurança pelo iceberg, uma parte localizada abaixo da linha d´água é atingida e a água começa a fluir em baixo do convés. Como as portas à prova d’água estão fechadas, inúmeros marinheiros ficam aprisionados. O Capitão Smith ordena a seus oficiais que comecem a preparar os salva-vidas e confidencia a Richard, que veio procurar saber o que está realmente ocorrendo, que não haverá espaço suficiente nos salva-vidas para todos. Em seguida, Richard corre até a cabine de Julia, onde ajuda ela e seus filhos a colocarem os salva-vidas antes de seguirem para o convés. Uma vez lá, ao vê-lo ajudar a Sra. Uzcadum e seus filhos, Julia toma conhecimento de que apenas as mulheres e as crianças serão salvas.

Preocupada, ela pede desculpas por considerá-lo inútil e Richard admite que, até agora, ele tem sido. O casal jura devoção eterna e, em seguida, Richard e Gifford assistem quando Julia, Annette e Norman tomam o barco salva-vidas. Quando este é abaixado, ele para num convés inferior onde Norman cede o seu assento para uma senhora idosa. Em seguida, o jovem procura por Richard, enquanto o Capitão Smith pede que a banda toque para confortar o restante dos passageiros. Quando Norman encontra Richard, este se mostra perturbado porque o jovem morrerá, embora se sinta orgulhoso do filho. Por outro lado, os sobreviventes escutam em silêncio quando seus parentes e amigos cantam “Mais Perto de Ti, Meu Deus”, enquanto o Titanic desaparece nas águas profundas do oceano.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Jean Negulesco, a partir de um roteiro escrito por Charles Brackett, Walter Reisch e Richard L. Breen, “Náufragos do Titanic” é um excelente filme produzido pela Twentieth Century Fox Film Corporation em 1953. Sua trama, embora fictícia, é baseada num fato real, ou seja, no naufrágio do luxuoso transatlântico Titanic ocorrido em 1912, quando morreram mais de 1.500 pessoas.

Partindo de um ótimo roteiro, Negulesco nos brinda com um excelente trabalho de direção, inclusive no que diz respeito ao ritmo por ele mantido ao longo de todo o filme. Adicionalmente, a fotografia em preto e branco, assinada por Joseph MacDonald, é outro quesito que merece ser destacado e que certamente contribuiu para a boa qualidade do filme.

No elenco, Barbara Stanwyck brilha ao lado de Clifton Webb, nos papéis principais. Com atuações bastante convincentes, destacam-se ainda Thelma Ritter e Robert Wagner.

CAA