Filmes por gênero

CLEÓPATRA (1963)

Cleopatra
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Cléopâtre (França)
Kleopatra (Finlândia, Hungria, Polônia, República Tcheca)
Κλεοπάτρα (Grécia)
Клеопатра (União Soviética)
Pais: Reino Unido, Estados Unidos, Suíça
Gênero: Drama, Histórico, Biográfico, Épico
Direção: Joseph L. Mankiewicz
Roteiro: Joseph L. Mankiewicz, Ranald MacDougall, Sidney Buchman
Produção: Walter Wanger
Design Produção: John DeCuir
Música Original: Alex North
Direção Musical: Alex North
Coreografia: Hermes Pan
Fotografia: Leon Shamroy
Edição: Dorothy Spencer
Direção de Arte: Herman Blumenthal, Hilyard Brown, Maurice Pelling e outros
Figurino: Renié, Vittorio Nino Novarese
Guarda-Roupa: Irene Sharaff
Maquiagem: Alberto de Rossi
Efeitos Sonoros: Fred Hynes, James Corcoran, Bernard Freericks, Murray Spivack
Efeitos Especiais: William F. Mittlestedt, Johnny Borgese
Efeitos Visuais: Emil Kosa Jr., L.B. Abbott
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1964

Elenco

Elizabeth Taylor Cleópatra
Richard Burton Marco Antônio
Rex Harrison Júlio César
Roddy McDowall Otávio
Richard O'Sullivan Faraó Ptolomeu XIII
Pamela Brown Alta Sacerdotisa
George Cole Flávio
Hume Cronyn Sosigenes
Cesare Danova Apollodorus
Kenneth Haigh Brutus
Andrew Keir Agrippa
Martin Landau Rufio
Robert Stephens Germanicus
Francesca Annis Eiras
Grégoire Aslan Pothinus
Martin Benson Ramos
Herbert Berghof Teódoto
John Cairney Phoebus
Jacqueline Chan Lotos
John Doucette Aquilas
Andrew Faulds Canidius
Michael Hordern Cicero
John Hoyt Cássio
Gwen Watford Calpúrnia
Douglas Wilmer Decimus
Marina Berti Rainha de Tarsos
Finlay Currie Titus
Luigi Martocci Marcellus
Furio Meniconi Mithridates
Desmond Llewelyn Senador
Jean Marsh Octavia

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Fotografia a Cores (Leon Shamroy)

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Cenários (John DeCuir, Ray Moyer, Paul S. Fox, Boris Juraga, Jack Martin Smith, Hilyard M. Brown e outros)

Oscar de Melhor Figurino (Irene Sharaff, Renié, Vittorio Nino Novarese)

Oscar de Melhores Efeitos Visuais (Emil Kosa Jr.)

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Road-Show

National Board of Review, USA

Prêmio NBR de Melhor Ator (Rex Harrison)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Ator (Rex Harrison)

Oscar de Melhores Efeitos Sonoros (James Corcoran, Fred Hynes)

Oscar de Melhor Filme (Walter Wanger )

Oscar de Melhor Edição (Dorothy Spencer )

Oscar de Melhor Trilha Sonora (Alex North)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme - Drama

Prêmio de Melhor Direção (Joseph L. Mankiewicz)

Prêmio de Melhor Ator em um Drama (Rex Harrison)

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Roddy McDowall)

Prêmios Grammy, EUA

Grammy de Melhor Trilha Sonora (Alex North)

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Ator em um Drama (Rex Harrison)

Editores do Cinema Americano, USA

Prêmio Eddie de Melhor Edição de um Longa Metragem (Dorothy Spencer)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em 48 a.C., Pompeu é vencido por César na batalha de Farsalos, na Tessália. Após a derrota, Pompeu procura refúgio em Alexandria, onde Ptolomeu XIII havia dito que o receberia. No entanto, o verdadeiro plano do rei consistia em ordenar a morte de Pompeu, por acreditar que, dessa forma, estaria agradando a César. O assassino de Pompeu corta-lhe a cabeça, enquanto o rei a apresenta a César, que fica horrorizado com tamanho ato bárbaro.

Afastada do palácio real, Cleópatra desejava encontrar-se com César e, para tanto, lhe envia um tapete de presente que, ao ser desenrolado, mostra que a própria rainha se encontrava em seu interior. Assim, ela se torna sua amante, o que a ajuda a estabelecer seu poder no país. Dessa união, nasce Ptolomeu XV, conhecido com Caesarion. Embora César reconheça a paternidade da criança, ele se recusa a torná-lo seu herdeiro.

Em 46 a.C., a convite de César, Cleópatra se instala em Roma, com seu filho. No entanto, pouco depois do assassinato de César, ela volta para o Egito, assassina seu irmão e passa a reinar sozinha.

Em 42 a.C., Marco Antônio, um dos triúnviros que governava Roma, após a morte de César, a convoca para falar sobre a ajuda que prestara a Cássio, um dos assassinos de César. Ao vê-la, ele se encanta com ela e se torna seu amante. Os dois passam uma temporada em Alexandria, onde ela engravida e dá à luz gêmeos que recebem os nomes de Cleópatra Selene e Alexandre Hélio.

Em 31 a.C., o senado romano declara guerra ao Egito. Após serem derrotados por Otávio, na batalha naval de Accio, ao ser falsamente informado que Cleópatra estaria morta, Marco Antônio comete suicídio, morrendo em seus braços, enquanto ela se deixa picar por uma serpente da espécie “Naja Egípcia”, e morre de seu veneno.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Joseph L. Mankiewicz, a partir de um roteiro por ele escrito, juntamente com Ranald MacDougall, Sidney Buchman e Ben Hecht, “Cleópatra” é um filme produzido pelas empresas Twentieth Century Fox, MCL Films S.A. e Walwa Films S.A. Sua trama, narrada em cerca de quatro horas de projeção, conta a história da famosa e última rainha da dinastia de Ptolomeu, general que governou o Egito após a conquista daquele país pelo rei Alexandre III da Macedônia.

Na direção, Mankiewicz realiza um excelente trabalho. Na área técnica, merecem igualmente elogios sua fotografia, seu figurino, sua trilha sonora, seus efeitos visuais, dentre outros. No elenco, Elizabeth Taylor e Rex Harrison brilham em seus respectivos papéis, seguidos pelas ótimas atuações de Roddy McDowall e Richard Burton.

Enfim, “Cleópatra” é um filme imperdível.

CAA