Filmes por gênero

INVICTUS (2009)

Invictus
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Несломим (Bulgária)
Invictus - Unbezwungen (Alemanha)
Invictus - Voittamaton (Finlândia)
Invictus - De oövervinneliga (Suécia)
The Human Factor (Estados Unidos)
Yenilmez (Turquia)
Непокоренный (Rússia)
Neinfrant (România)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Biográfico, Drama, Histórico, Esporte
Direção: Clint Eastwood
Roteiro: Anthony Peckham
Produção: Clint Eastwood, Robert Lorenz, Lori McCreary e outros
Design Produção: James J. Murakami
Música Original: Kyle Eastwood e Michael Stevens
Direção Musical: Marlon Espino, Ryan Robinson e outros
Fotografia: Tom Stern
Edição: Joel Cox e Gary Roach
Direção de Arte: Tom Hannam e Jonathan Hely-Hutchinson
Figurino: Deborah Hopper e Daryl Matthee
Guarda-Roupa: Jayne Forbes, Brad Holtzman e outros
Maquiagem: Christine Beveridge, Natasha du Toit e outros
Efeitos Sonoros: Bub Asman, James Ashwill, Katy Wood e outros
Efeitos Especiais: Cordell McQueen, Wesley Barnard e outros
Efeitos Visuais: Eva Abramycheva, Chris Anderson e outros
Nota: 9.0
Filme Assistido em: 2021

Elenco

Morgan Freeman Nelson Mandela
Matt Damon François Pienaar
Tony Kgoroge Jason Tshabalala
Patrick Mofokeng Linga Moonsamy
Matt Stern Hendrick Booyens
Julian Lewis Jones Etienne Feyder
Adjoa Andoh Brenda Mazibuko
Marguerite Wheatley Nerine
Leleti Khumalo Mary
Patrick Lyster Sr. Pienaar
Penny Downie Sra.Pienaar
Sibongile Nojila Eunice
Bonnie Mbuli Zindzi
Shakes Myeko Ministro dos Esportes
Louis Minnaar Springbok Coach
Danny Keogh Presidente Rugby
Dan Robbertse Boer
Robin Smith Johan De Villiers
David Dukas Capitão do 747
Grant Swanby Co-capitão do 747
Langley Kirkwood Guarda Presidencial
Robert Hobbs Guarda Presidencial
Melusi Yeni Guarda Presidencial
Vuyo Dabula Guarda Presidencial
Refiloe Mpakanyane Jessie
Sello Motloung Médico de Mandela

Prêmios

Prêmios AARP de Filmes para Adultos

Prêmio AARP de Melhor Filme para Adultos

Associação dos Críticos de Filmes Afro-Americanos

Prêmio de Melhor Ator (Morgan Freeman)

Prêmios ASCAP

Prêmio ASCAP de Melhor Música (Kyle Eastwood e Michael Stevens)

Prêmios Black Reel, Washington, USA

Prêmio Black Reel de Melhor Ator (Morgan Freeman)

Prêmios Imagem, Estados Unidos

Prêmio Imagem de Melhor Ator (Morgan Freeman)

National Board of Review, USA

Prêmio Liberdade de Expressão

Prêmio NBR de Melhor Ator (Morgan Freeman)

Prêmio NBR de Melhor Direção (Clint Eastwood)

Prêmio NBR dos 10 Melhores Filmes

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Ator (Morgan Freeman)

Oscar de Melhor Ator Coadjuvante (Matt Damon)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Ator em um Drama (Morgan Freeman)

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Matt Damon)

Prêmio de Melhor Direção (Clint Eastwood)

Screen Actors Guild Awards, Los Angeles, California, USA

Melhor Performance de um Ator (Morgan Freeman)

Melhor Performance de um Ator Coadjuvante (Matt Damon)

Prêmios da Associação Catalã de Críticos de Arte - Barcelona

Menção Honrosa por estar entre os 10 melhores filmes

Academia Japonesa de Cinema, Japão

Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira

Sinopse

Em 1990, depois de ser mantido preso por quase vinte e seis anos na Ilha de Robben, por planejar atos de sabotagem contra o estado sul-africano, Nelson Mandela é finalmente libertado, dando fim ao apartheid na África do Sul. Uma nova eleição é realizada, que Mandela vence com facilidade. Em seu juramento, ele faz um discurso prometendo unir o povo da África do Sul. 
 
A atual situação dividiu amplamente os africanos, com sul-africanos brancos que vieram da Europa durante o século XVII, e as várias tribos negras, a maior das quais incluindo Zulu, Xhosa e Bapedi. Os efeitos da vitória de Mandela causam júbilo à grande parte da população negra da África do Sul, enquanto os africanos e zulus brancos começam a sentir que estão perdendo o País. Tal fato é pontuado por um esquadrão de carros carregando Mandela por uma estrada, , pobres garotos  negros jogando futebol de um lado, africanos brancos jogando rúgbi do outro.
 
O chefe de segurança de Mandela, Jason Tshabalala, faz um pedido a Mandela em relação à equipe. Ele pede mais pessoal para garantir a segurança do presidente, já que a equipe atual é composta por quatro negros. A resposta de Mandela é contratar quatro ex-membros brancos do Ramo Especial liderado por Etienne Feyder. No primeiro encontro, eles se chocam devido a questões raciais arraigadas, mas são compelidos a resolver suas diferenças. Vendo que não têm escolha a não ser trabalhar ao lado deles, Tshabalala diz aos seus colegas negros, especialmente Linga Moonsamy, que enquanto trabalham juntos, eles observarão cuidadosamente os brancos.
 
Em seus primeiros dias no cargo, a tensão é palpável, já que a maioria dos subordinados do ex-presidente ainda mantém seus empregos. Preocupados com a possibilidade de Mandela demiti-los,  eles começam a empacotar seus pertences, esperando o que presumem ser o inevitável. Ao ver o que está ocorrendo, Mandela faz um discurso improvisado, no qual informa sua equipe que não vai demitir ninguém que trabalhou para o antigo regime, e que eles precisam trabalhar juntos para promover a igualdade racial em toda a África do Sul.
 
Em seguida, Mandela começa a fazer caminhadas antes do nascer do sol, acompanhado por dois seguranças. Pouco tempo depois, somos apresentados a François Pienaar, atual capitão da equipe de sul-africana de rúgbi Springboks, formada por brancos, exceto por um negro chamado Chester, que vai perder os próximos jogos devido à uma lesão num tendão. Para muitos sul-africanos negros, o nome, logotipo e cores do Springboks representam a história sombria e a injustiça racial percebida do apartheid e, portanto, eles se recusam a apoiá-los, torcendo pela Inglaterra quando jogam os Springboks. Faltando menos de um ano para a Copa do Mundo de rugby em 1995, que a África do Sul irá hospedar, os Springboks perdem mais jogos do que ganham, e é altamente provável que percam no início do torneio para a Austrália.
 
Depois de ler que o treinador do Springboks foi substituído, Mandela começa a pensar em como vai unir a África do Sul e por de lado suas diferenças, e vê o rúgbi como o veículo para isso. Como a maioria dos africanos receiam perder sua identidade, Mandela pretende uni-los mantendo o nome Springbok, e usando a próxima Copa do Mundo como um exemplo de como superar o passado do apartheid na África do Sul. Em seguida, Mandela vai até a comissão para mudar de idéia, dizendo que , mantendo suas cores, nomes anteriores, eles podem chegar aos afrikaners, que acreditam que ele quer livrar a África do Sul  de sua presença. Na comissão, Mandela conquista apenas treze votos para sua proposta,o que ele vê como um progresso, já que esses votos foram suficientes para ele manter o nome Springboks. Sua assistente, Brenda Mazibuko, discorda dele e deseja que Mandela se preocupe com assuntos mais importantes do que o rúgbi, um sentimento compartilhado  por outros no governo. No entanto, Mandela segue em frente com seus próprios planos, que incluem convidar François  para um chá.
 
Certo dia, Mandela é encontrado fora de sua casa, inconsciente. Enquanto seu médico ordena repouso absoluto para manter sua energia, Mary mantém sua agenda aberta para que ele possa acompanhar o rúgbi. O torneio encontra-se em andamento e o Springboks surpreende a todos ao derrotar a Austrália. Eles continuam fazendo corridas matinais e, à medida que ganham mais jogos, o apoio de todos os sul-africanos continua a crescer e eles continuam avançando no torneio. Após uma partida, François proclama que eles precisam de uma pausa e seguem para a Ilha de Robben, onde Mandela esteve preso por anos.
 
No último dia antes da partida, os Springboks fazem outra corrida matinal. Desta vez, eles se juntam à sul-africanos brancos e negros que torcem pela vitória. Antes da partida, a equipe de segurança se mostra nervosa, pois será a mais exposta que Mandela estará desde que assumiu o cargo. Atiradores extras ocupam posições em telhados adjacentes, enquanto o resto da segurança toma postos dentro do estádio. Um jato 747, cujo capitão anuncia total responsabilidade por suas ações ao co-capitão, levando as pessoas a acreditarem que ele poderá cometer um ataque terrorista, voando baixo sobre o estádio e exibindo as palavras "Go Springboks" pintado em baixo.
 
A partida final é entre o invicto New Zealand All Blacks e o Springboks, com 62.000 torcedores torcedores comparecendo ao estádio. A lesão de Chester finalmente sarou  e ele foi liberado para o jogo. No final, o S.A. consegue superar a Nova Zelândia por três pontos, à medida que o tempo se esgota. Finalmente, a África do Sul vence por 15 a 12.
 
Após a entrega do troféu, as ruas da África do Sul estão em êxtase, com sul-africanos de todas as linhagens comemorando os Springboks. A equipe de segurança de Mandela é vista tentando abrir caminho no meio da multidão, mas ele diz que não há necessidade de pressa. Seu orgulho nacional, pelo menos por enquanto, parece ter sido reparado aos olhos deles mesmos, para não mencionar o resto do mundo.
 
 

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta norte-americano Clint Eastwood, a partir de um roteiro escrito por Anthony Peckham, "Invictus" é um ótimo filme produzido em 2009 pela Warner Bros., em associação com a Spyglass Entertainment, Revelations Entertainment, Malpaso Productions e Liberty Pictures.
 
Na direção, Eastwood realiza um excelente trabalho, o que lhe rendeu diversas premiações. O filme conta ainda com ótimas atuações por parte de Morgan Freeman, no papel principal, Matt Damon, dentre outros, além de uma belíssima trilha sonora, onde se destaca a canção"Colorblind".
 
Enfim, "Invictus" é um filme que merece ser visto.
 
CAA