Filmes por gênero

PARA TODO O SEMPRE (1955)

A man called Peter
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Au service des hommes (França)
El reverendo Peter Marshall (Espanha)
Ein mann namens Peter (Alemanha, Austria)
Min son Peter (Suécia)
Mieheni Peter (Finlândia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Biográfico
Direção: Henry Koster
Roteiro: Eleanore Griffin
Produção: Samuel G. Engel
Música Original: Alfred Newman
Direção Musical: Alfred Newman
Fotografia: Harold Lipstein
Edição: Robert L. Simpson
Direção de Arte: Lyle R. Wheeler, Maurice Ransford
Figurino: Renié
Guarda-Roupa: Charles Le Maire
Maquiagem: Ben Nye
Efeitos Sonoros: Warren B. Delaplain, Bernard Freericks
Efeitos Visuais: Ray Kellogg
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1968

Elenco

Richard Todd Reverendo Peter Marshall
Jean Peters Catherine Wood Marshall
Marjorie Rambeau Srta. Laura Fowler
Jill Esmond Sra. Findlay
Les Tremayne Senador Willis K. Harvey
Robert Burton Sr. Peyton
Gladys Hurlbut Sra. Peyton
Richard Garrick Coronel Evanston Whiting
Gloria Gordon Barbara
Billy Chapin Peter John Marshall
Peter J. Votrian Peter Marshall, adolescente
Marietta Canty Emma
Charles Evans Presidente do Senado
William Forrest Presidente do Seminário de Columbia
Edward Earle Senador Prescott
Betty Caulfield Jane Whitney
Ruth Clifford Enfermeira
Steve Darrell Médico
Jacqueline Cox Diana
Ann B. Davis Ruby Coleman
Larry Kent Capelão
Doris Lloyd Srta. Hopkins
Emmett Lynn Sr. Briscoe
Florence MacAfee Sra. Ferguson
Janet Stewart Nancy
Carlyle Mitchell Dr. Black
Barbara Morrison Srta. Standish
Dorothy Neumann Srta. Crilly
Maudie Prickett Sra. Pike

Prêmios

National Board of Review, USA

Prêmio NBR de Melhor Atriz Coadjuvante (Marjorie Rambeau)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Fotografia a Cores (Harold Lipstein)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Henry Koster)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Na Geórgia da era da Depressão, Catherine Wood é aluna da Faculdade Agnes Scott. Lá, ela conhece o Rev. Peter Marshall, um pregador escocês que é vários anos mais velho que ela. Certo dia, ao sair da igreja, ela se aproxima dele, na esperança de que a convide para saírem juntos. No entanto, embora impressionado com sua habilidade de falar numa reunião para estudantes universitários, ele se mostra cauteloso e distante.

Meses depois, às vésperas da formatura de Catherine, Peter lhe propõe casamento. Assim, eles se casam, mudam-se para Washington, onde ele se torna o pastor principal da Igreja Presbiteriana da New York Avenue, conhecida como a Igreja dos Presidentes. Inicialmente pouco frequentada, em poucos meses a igreja é a mais procurada da região, graças ao estilo dinâmico de pregação usado por Peter, embora alguns dos membros mais antigos constantemente o critiquem.

O filho do casal, Peter John, nasce na manhã de 7 de dezembro de 1941, dia em que Pearl Harbor é atacada pelos japoneses. Depois de um sermão proferido na Academia Naval dos Estados Unidos, em Annapolis, Peter abre uma cantina no prédio da igreja, provocando a ira da Srta. Laura Fowler, uma solteirona cujos pais haviam fundado a igreja. Sua irritação teve início ao observar os soldados e suas namoradas entrando e saindo da igreja, chegando ao ápice ao flagrar um casal aos beijos no Salão Lincoln, apesar de Peter explicar que acabara de celebrar o casamento dos dois.

Algum tempo depois, Catherine é acometida de tuberculose e precisa ficar de cama por meses. Como, no período de guerra, é muito difícil encontrar uma boa empregada em Washington, Peter muitas vezes, ao voltar da igreja, encontra a casa bagunçada. De cama, Catherine sofre uma crise de fé, por não conseguir entender por que Deus deixou que ela adoecesse num momento em que ela tem uma família para cuidar. Tentando ajudá-la, Peter lhe garante que ela encontrará as respostas no tempo de Deus.

Logo após a recuperação de Catherine, Peter sofre um ataque cardíaco enquanto pregava. Dias depois, ao receber alta do hospital, ele e sua família resolvem passar suas férias em Cape Cod. Lá, ele cuida de suas rosas, vai pescar com o filho, até poder retornar às suas funções na igreja. Algum tempo depois, quando ele é nomeado capelão do Senado dos Estados Unidos, a Srta. Fowler finalmente admite que estava errada em relação a ele.

Em 1949, tarde da noite, Peter sofre um novo ataque cardíaco. Como Catherine não pode acompanhá-lo ao hospital, por causa do filho, ao sair em uma maca, ele lhe diz que, na manhã seguinte, eles se verão. Essas foram suas últimas palavras, já que ele não resistiu, morrendo antes de chegar ao hospital.

Catherine, de luto, retorna à casa de campo, acompanhada de Peter John. Uma vez lá, ela se lembra de suas últimas palavras, consolando-se com a esperança de que eles voltarão a se encontrar um dia no céu.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Henry Koster, a partir de um roteiro escrito por Eleanore Griffin, “Para Todo o Sempre” é um filme norte-americano produzido pela Twentieth Century Fox em 1955. Sua trama, baseada no livro “To love again” da própria Sra. Catherine Wood Marshall, conta a história de seu marido, um imigrante escocês que se tornou um famoso pastor presbiteriano e capelão do Senado dos Estados Unidos.

Na direção, Koster realiza um trabalho consistentemente bom, no que é ajudado pela excelente fotografia a cores e em Cinemascope, a cargo de Harold Lipstein e indicada ao Oscar da categoria.

No elenco, Richard Todd, Jean Peters e Marjorie Rambeau brilham em seus respectivos papeis.

CAA