Filmes por gênero

PAPAI BATUTA (1950)

Cheaper by the dozen
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: À dúzia é mais barato (Portugal)
Treize à la douzaine (França, Bélgica)
Dodici lo chiamano papà (Itália)
Más barato por docena (Argentina)
Trece por docena (Espanha)
Im Dutzend billiger (Alemanha)
Dussinet fullt (Suécia)
Det er mængden der gør det (Dinamarca)
Оптом дешевле (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Comédia Dramática
Direção: Walter Lang
Roteiro: Lamar Trotti
Produção: Lamar Trotti
Música Original: Cyril J. Mockridge, Alfred Newman
Direção Musical: Lionel Newman
Fotografia: Leon Shamroy
Edição: J. Watson Webb Jr.
Direção de Arte: Lyle R. Wheeler, Leland Fuller
Figurino: Edward Stevenson
Guarda-Roupa: Charles Le Maire, Sam Benson
Maquiagem: Ben Nye
Efeitos Sonoros: Roger Heman Sr., E. Clayton Ward
Efeitos Visuais: Fred Sersen
Nota: 8.3
Filme Assistido em: 1966

Elenco

Clifton Webb Frank Bunker Gilbreth
Jeanne Crain Ann Gilbreth
Myrna Loy Sra. Lillian Gilbreth
Betty Lynn Deborah Lancaster
Edgar Buchanan Dr. Burton
Barbara Bates Ernestine Gilbreth
Mildred Natwick Sra. Mebane
Sara Allgood Sra. Monahan
Teddy Driver Dan Gilbreth
Jimmy Hunt William Gilbreth
Roddy McCaskill Jack Gilbreth
Carole Nugent Lillie Gilbreth
Norman Ollestad Frank Gilbreth, Jr.
Anthony Sydes Fred Gilbreth
Walter Baldwin Jim Bracken
Betty Barker Mary Gilbreth
Benny Bartlett Joe Scales
Patti Brady Martha Gilbreth
Craig Hill Tom Black
Virginia Brissac Sra. Benson
Ken Christy Jed
Dulcie Day Enfermeira
Ramona Oliver Enfermeira
Mary Field Professora de música
Eleanor Moore Professora
Jane Lee Professora
Caryl Lincoln Professora

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Ann Gilbreth, a mais velha dos doze filhos de Frank e Lillian Gilbreth, começa a relatar alguns episódios da história de sua família:

Em 1921, quando ela tinha dezesseis anos, a família morava em Providence, Rhode Island, onde seu pai, um engenheiro industrial, também era um especialista em eficiência, que procurava realizar todas as suas tarefas de modo a melhor aproveitar o seu tempo.

Ao se mudarem para Montclair, em uma de suas reuniões regulares do conselho de família, ele estabeleceu as tarefas que ficariam sob a responsabilidade das crianças, em suas atividades destinadas a ajudarem Lillian e os dois empregados da família.

Ao matricular os filhos na escola, Frank disse ao diretor que gostaria de explicar aos professores seu desejo de que eles fossem colocados em turmas mais avançadas, tendo em vista o programa de treinamento a que eram submetidos em casa. Em outra ocasião, as adolescentes Ann e Ernestine ficaram mortas de vergonha quando, embora completamente vestido, ele procurou demonstrar seu método eficiente de tomar banho.

Procurando sempre oportunidades de usar o tempo de forma mais eficiente, Frank decidiu fazer um registro filmado de algumas cirurgias, para ajudar os médicos a eliminarem alguns procedimentos dispensáveis. Por outro lado, quando uma vizinha sugeriu que Lillian, que também era psicóloga e consultora industrial, poderia ocupar um cargo importante, ela se mostrou decepcionada ao descobrir que Lillian tinha doze filhos.

Ao passar as férias de verão na ilha de Nantucket, como a família fazia todos os anos, Ann sentiu-se atraída pelo jovem Tom Black, que frequentava a escola, e juntamente com Ernestine, ficou chateada porque o pai as proibia de usar maiô que revelasse seus joelhos. Ao voltar para casa, ela foi convidada para o baile de formatura e Frank insistiu em acompanhá-la. Para surpresa dela, ele terminou sendo a grande atração da noite, com várias de suas colegas insistindo em dançar com ele.

Dias depois, quando seu pai se preparou para uma viagem de dois meses à Europa, depois de se despedir da família, ele passou mal na estação de Montclair e morreu. Depois de convocar uma reunião do conselho de família e conversar com sua mãe, que insistia para que todos fossem morar com ela na Califórnia, Lillian decidiu viajar para Londres e Praga, onde se apresentou e discursou no lugar do marido.

Ao terminar o relato sobre a história de sua família, Ann afirma que sua mãe continuou com o trabalho de seu pai, tornou-se a engenheira industrial mais importante do mundo e, em 1948, foi nomeada a “Mulher do Ano” da América.

imagem

Comentários

Realizada pelo cineasta Walter Lang, a partir de um roteiro escrito por Lamar Trotti, “Papai Batuta” é uma comédia dramática norte-americana produzida pela Twentieth Century Fox em 1950. Sua trama, baseada num romance de Ernestine Gilbreth Carey e Frank B. Gilbreth Jr., se passa nos anos 1920 e fala de um especialista em eficiência que procurava realizar todas as suas tarefas de modo a melhor aproveitar o seu tempo.

Embora não se trate de uma obra premiada, a direção de Lang é de primeira linha, apresentando um ótimo ritmo do início ao fim. Por outro lado, os diálogos são inteligentes, dentro de um roteiro muito bem estruturado. Na área técnica, merece ainda ser lembrada a bela fotografia, a cargo de Leon Shamroy.

No elenco, Clifton Webb brilha no papel do patriarca da família e especialista em eficiência, seguido pelas ótimas atuações de Myrna Loy, Jeanne Crain e Edgar Buchanan.

CAA