Filmes por gênero

A TEIA DE RENDA NEGRA (1960)

Midnight lace
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: O laço da meia-noite (Portugal)
Piège à minuit (França, Bélgica)
Merletto di mezzanotte (Itália)
Un grito en la niebla (Espanha)
Encaje de medianoche (Argentina, México, Chile)
Mitternachtsspitzen (Alemanha)
En röst i dimman (Suécia)
Sorte kniplinger (Dinamarca)
Полуночное кружево (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Suspense, Mistério
Direção: David Miller
Roteiro: Ivan Goff, Ben Roberts
Produção: Martin Melcher, Ross Hunter
Música Original: Frank Skinner
Fotografia: Russell Metty
Edição: Leon Barsha, Russell F. Schoengarth
Direção de Arte: Robert Clatworthy, Alexander Golitzen
Guarda-Roupa: Irene
Maquiagem: Bud Westmore
Efeitos Sonoros: Joe Lapis, Waldon O. Watson
Nota: 8.4
Filme Assistido em: 1962

Elenco

Doris Day Kit Preston
Rex Harrison Anthony 'Tony' Preston
John Gavin Brian Younger
Myrna Loy Beatrice Corman
Roddy McDowall Malcolm
Herbert Marshall Charles Manning
Natasha Parry Peggy Thompson
Hermione Baddeley Dora Hammer
John Williams Insp. Byrnes
Richard Ney Daniel Graham
Anthony Dawson Roy Ash
Rhys Williams Victor Elliot
Richard Lupino Simon Foster
Hayden Rorke Dr. Garver
Doris Lloyd Nora
Rex Evans Basil Stafford
Paul Collins Kevin
Roy Dean Harry
Mary Flynn Enfermeira

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Figurino a cores (Irene)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Atriz em um Drama (Doris Day)

Prêmios Bambi, Alemanha

Prêmio Bambi de Melhor Atriz Internacional (Doris Day)

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Atriz em um Drama (Doris Day)

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Drama (5º lugar)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em Londres, quando a herdeira americana Kit Preston enfrenta um denso nevoeiro, ao se dirigir para o apartamento que compartilha com seu marido Tony, ela se mostra assustada com uma voz que ameaça matá-la. Ao contar ao marido o ocorrido, ele não a leva a sério, alegando que deve se tratar de mais uma brincadeira tipicamente britânica, e promete-lhe levá-la em uma viagem romântica à Veneza.

Peggy, vizinha do casal, ao observar a extrema ansiedade de Kit, procura Tony, que a leva à Scotland Yard, onde o inspetor Byrnes, depois de questioná-la, acredita que ela esteja com algum problema mental causado pelas constantes ausências do ocupado marido.

Enquanto Kit tenta provar que não está mentindo ou delirando, um estranho homem ronda sua casa e parece segui-la pela cidade. Na realidade, trata-se do marido de Peggy, que descobriu que ela estaria tendo um caso com Tony e deseja matá-la. Por outro lado, depois de uma discussão, Tony admite que ele e Peggy conspiraram para fazer as chamadas ameaçadoras e que agora planejam matá-la, de tal modo que sua morte pareça ser um suicídio histérico, a fim de que ele possa ter acesso à sua enorme herança e, assim, poder repor um milhão de libras que roubou da empresa para a qual trabalha.

Desesperada, Kit corre para a porta, onde descobre o inspetor Byrnes, que revela ter grampeado o telefone de Tony e estar a par de seus crimes. No final, Tony e Peggy são presos pelo inspetor da Scotland Yard, enquanto Kit é consolada por sua tia Beatrice.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta David Miller, a partir de um roteiro escrito por Ivan Goff e Ben Roberts, “A Teia de Renda Negra” é um bom filme produzido pela Ross Hunter-Arwin Production em 1960. Sua trama, baseada na peça de Janet Green, “Matilda Shouted Fire”, é marcada por uma boa dose de suspense.

Na direção, Miller realiza um trabalho consistentemente bom, imprimindo um bom ritmo à narrativa e algumas cenas de suspense que chegam a lembrar do grande mestre Hitchcock. A fotografia em Eastmancolor, assinada por Russell Metty, é outro quesito que merece ser destacado, ao lado do figurino de Irene, indicado ao Oscar.

No elenco, Doris Day brilha no papel de Kit Preston, o que lhe rendeu três indicações a prêmios de melhor atriz: o Globo de Ouro, o Bambi e o Laurel. Ao seu lado, com boas atuações, destacam-se Rex Harrison, Myrna Loy e John Williams.

CAA