Filmes por gênero

A TULIPA NEGRA (1964)

La Tulipe Noire
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Il tulipano nero (Itália)
El tulipán negro (Espanha, México)
The Black Tulip (UK, USA)
Die schwarze Tulpe (Alemanha)
Den svarta tulpanen (Suécia)
Czarny Tulipan (Polônia)
Den sorte tulipan (Dinamarca, Noruega)
Musta tulppaani (Finlândia)
Черный тюльпан (União Soviética)
Pais: França, Itália, Espanha
Gênero: Ação, Aventura, Comédia
Direção: Christian-Jaque
Roteiro: Christian-Jaque, Paul Andréota, Henri Jeanson
Produção: Georges Cheyko
Design Produção: Ludmilla Goulian, Rino Mondellini
Música Original: Gérard Calvi
Fotografia: Henri Decaë
Edição: Jacques Desagneaux
Direção de Arte: Santiago Ontañón
Figurino: Dario Cecchi
Guarda-Roupa: Humberto Cornejo
Maquiagem: Aïda Carange, Francisco Puyol
Efeitos Sonoros: Antoine Petitjean, Antonio Alonso Ciller, William Robert Sivel
Efeitos Especiais: Gérard Cogan
Nota: 7.8
Filme Assistido em: 1965

Elenco

Alain Delon Julien de Saint Preux / Guillaume de Saint Preux
Virna Lisi Caroline 'Caro' Plantin
Adolfo Marsillach Barão La Mouche
Dawn Addams Marquesa Catherine de Vigogne
Akim Tamiroff Marquês de Vigogne
Laura Valenzuela Lisette
George Rigaud Chefe de Polícia
Francis Blanche Plantin
Robert Manuel Príncipe Alexandre de Grasillach de Morvan Lobo
José Jaspe Brignon
Perla Cristal .

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em junho de 1789, na cidade de Roussillon, o aristocrata Guillaume de Saint Preux leva uma vida dupla ao se passar por um bandido mascarado, conhecido como “A Tulipa Negra”. Ele só rouba os ricos aristocratas, sendo considerado um herói pelos camponeses locais.

O Barão La Mouche se mostra convencido de que Guillaume é o tal bandido e, durante um assalto, ele marca o rosto de Tulipa Negra com sua espada, esperando assim poder expor Guillaume. Com a cicatriz no rosto, ele pede ao seu irmão gêmeo, Julien de Saint Preux, que se passe por ele nas altas rodas. No início, tudo corre bem. Julien, que é muito mais gentil e idealista que o irmão, no entanto, se mostra chocado ao descobrir que Guillaume roubava os aristocratas pela emoção e o dinheiro, e não por razões políticas.

Quando ele se apaixona por uma bela camponesa, chamada Caroline, filha de um revolucionário de nome Plantin, esta o ajuda a se tornar um melhor espadachim. Algum tempo depois, o Barão La Mouche volta a insistir na possibilidade de haver uma conexão entre Guillaume de Saint Preux e o herói mascarado, e Julien termina sendo preso. Preocupado, Guillaume o resgata, mas enquanto Julien escapa, ele é preso e, logo depois, executado.

No final, Julien assume o lugar de seu irmão, como Tulipa Negra, agora tão bom lutador pela justiça quanto ele, conquistando assim, definitivamente, o coração de Caroline, que o apoia integralmente.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Christian-Jaque, a partir de um roteiro por ele escrito, juntamente com Paul Andréota e Henri Jeanson, “A Tulipa Negra” é um filme hispano-franco-italiano produzido pelas empresas Flora Film, Mizar Films, Méditerranée Cinema e Agata Fims S.A., em 1964. Sua trama, baseada num romance de Alexandre Dumas, é marcada por um bom ritmo e interessantes cenas de ação.

Embora não seja extraordinária, a direção de Christian-Jaque se mostra bastante segura. Por outro lado, mesmo não tendo sido premiada, a fotografia em Eastmancolor de Henri Decaë é de excelente qualidade. No elenco, Alain Delon e Virna Lisi brilham em seus respectivos papéis, seguidos pelas boas atuações de Akim Tamiroff e Adolfo Marsillach.

CAA