Filmes por gênero

PAIXÃO E CRIME (1971)

The night digger
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: El enterrador nocturno (Espanha)
Das haus der Schatten (Alemanha)
The road builder (Reino Unido)
Az ásós gyilkos (Hungria)
Pais: Reino Unido
Gênero: Drama, Horror, Suspense
Direção: Alastair Reid
Roteiro: Roald Dahl
Produção: Norman S. Powell, Alan D. Courtney
Música Original: Bernard Herrmann
Direção Musical: Bernard Herrmann
Fotografia: Alex Thomson
Edição: John Bloom
Direção de Arte: Anthony Pratt
Figurino: Gabriella Falk
Maquiagem: Ernest Gasser
Efeitos Sonoros: Chris Greenham, Gerry Humphreys, Brian Marshall
Nota: 8.1
Filme Assistido em: 1972

Elenco

Patricia Neal Maura Prince
Pamela Brown Sra. Edith Prince, mãe de Maura
Nicholas Clay Billy Jarvis
Jean Anderson Sra. McMurtrey
Graham Crowden Sr. Bolton
Yootha Joyce Sra. Palafox
Peter Sallis Reverendo Rupert Palafox
Brigit Forsyth Enfermeira
Sebastian Breaks Dr. Robinson
Diana Patrick Mary Wingate
Jenny McCracken Jenny
Bruce Myles Funcionário do Banco
Zoe Alexander Paciente com derrame
Christopher Reynalds Billy, jovem
Elaine Ives-Cameron Cigana
Sibylla Kay Prostituta

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Com trinta e cinco anos de idade, a solteirona Maura Prince trabalha meio período como fonoaudióloga, passando o resto do seu tempo cuidando de sua mãe adotiva tirânica, cega e inválida, Edith Prince, em sua velha mansão. Embora o supervisor de Maura no hospital, Dr. Robinson, tenha pedido para que ela trabalhasse em tempo integral, Edith a proíbe de considerar sua oferta, após sofrer um ataque de ansiedade causado ao pensar na possibilidade de ficar longe dela.

Na manhã seguinte, quando Maura está limpando a casa, Billy Jarvis, um jovem itinerante, chega em sua motocicleta e lhe diz que foi enviado pelo sobrinho de seu vizinho, o Sr. Bolton, para lhe perguntar sobre a possibilidade de um trabalho. Embora ela se oponha a contratar o jovem desconhecido, Billy ganha a simpatia de Edith, que vê nele a possibilidade de ter alguém para acompanhá-la à igreja.

Impressionada com a piedade do jovem, Edith declara que alguns de seus parentes chamavam-se Jarvis e, por conseguinte, ele deve ser seu sobrinho-neto. Edith o contrata e lhe pede para ficar no quarto de Maura, fazendo com que ela deixe seus aposentos. Apesar das apreensões de Maura, Billy revela-se um trabalhador diligente. Certo dia, enquanto Maura serve um pouco de chá para Billy, ele se preocupa ao notar que ela tem um pequeno problema em uma de suas pernas. Na ocasião, ela lhe explica que manca um pouco como resultado de um aneurisma cerebral que ela sofreu vários anos atrás. Billy, então, supõe que ela esteja na casa dos quarenta e se pergunta por que ela permite que Edith a intimide.

Maura, então, comenta que Edith a adotou em um orfanato quando tinha quinze anos e que, cinco anos depois, ela a abandonou. Aos poucos, Billy ganha a confiança de Maura, que o acalma quando ele entra em pânico ao cumprir sua promessa de levar Edith à igreja.

Certo dia, durante o trabalho, Billy observa quando uma jovem professora, Mary Wingate, dirige uma van da creche em que trabalha. À noite, ele sai em sua motocicleta e se dirige à casa de Mary. Ao longo do caminho, ele relembra o tempo em que, ainda criança, várias mulheres zombaram dele. Ao chegar à casa de Mary, ele entra sorrateiramente em seu quarto e, depois de matá-la, leva seu cadáver para um canteiro de obras, onde o enterra.

No dia seguinte, enquanto Billy trabalha na restauração de um caramanchão, Maura lhe traz chá e eles começam a conversar. Logo depois, a Sra. McMurtrey, amiga de Edith, vem visitá-la e observa Maura e Billy juntos. Em seguida, o Sr. Bolton chega com a notícia do assassinato de Mary, afirmando que outras seis jovens foram igualmente assassinadas nas proximidades, nos últimos três meses.

Dias depois, a enfermeira do Distrito procura Maura para lhe falar sobre as condições de saúde de Edith. Depois de aconselhar um maior descanso para ela, ao se preparar para sair, a enfermeira pede que Billy diga à Maura que ela retornará mais tarde para dar mais uma olhadela em Edith. Horas depois, ao acordar, Edith chama Billy e, ao tentar subir as escadas para seu quarto, ela sofre um ataque cardíaco, fazendo com que Maura chame uma ambulância para levá-la para o hospital.

Depois que a ambulância sai, a enfermeira chega e Billy lhe informa que Maura e sua mãe foram ao hospital. Quando a enfermeira sai, Billy a segue e, depois de se lembrar de ter sido insultado e esbofeteado por uma prostituta, ele mata a enfermeira e enterra seu corpo. Enquanto isso, no hospital, Dr. Robinson garante à Maura e à Sra. McMurtrey que Edith está fora de perigo e se oferece para levá-las para casa. Declarando não ser legal Maura ficar sozinha em casa com Billy, a Sra. McMurtrey insiste que ela vá até sua casa para um chá.

Uma vez lá, quando a Sra. McMurtrey repreende Maura por sua impropriedade, ela lhe diz que parou de se importar com o que sua mãe pensa. Em seguida, ela recorda amargamente que, quando tinha vinte anos, fugiu com um rapaz antes que Edith pudesse assustá-lo como fizera com seus namorados anteriores. Eles estavam planejando se casar quando Maura sofreu seu aneurisma, ocasião em que ele a deixou.

Ao voltar para casa, ela encontra Billy alegando ter tido um pesadelo no qual sua mãe morria envolta em chamas. Ao tentar consolá-lo, ele implora para que ela não o deixe. Em resposta, ela promete nunca fazer algo que possa afastá-lo. No dia seguinte, ao voltar ao hospital para visitar Edith, esta insiste para que ela não permita que Billy continue morando em sua casa. Quando Maura responde que, se Billy sair, ela também deixará a casa, Edith acusa sua própria filha de abandoná-la. Revoltada, esta acusa sua mãe adotiva de que ela sempre fez de tudo para que ela não esquecesse de que não era sua filha legítima.

Ao deixar o hospital, Maura vê uma manchete sobre o desaparecimento de uma enfermeira local e, embora suspeite que Billy esteja envolvido, ela retira suas economias do Banco. Em seguida, depois de ir ao cabeleireiro e comprar um novo guarda-roupa, ela volta para casa e diz a Billy que o ama. Declarando que não se importa com o que ele tenha feito, ela propõe que eles vão embora para a região da Alta Escócia.

Algum tempo depois, após comprar uma fazenda na costa escocesa, Maura encontra uma jovem procurando por seu cachorro. Quando a jovem comenta que parou na fazenda para perguntar a Billy sobre o cachorro, Maura, preocupada que as tendências psicóticas de Billy possam ter retornado, corre para casa a fim de procurá-lo. Ao chegar lá e descobrir que ele se foi, ela vagueia pelos penhascos locais na esperança de encontrá-lo. Depois de algum tempo, ela o encontra em sua motocicleta. Removendo os óculos de proteção, Billy pede-lhe perdão e, enquanto Maura o observa com lágrimas escorrendo pelo rosto, ele acelera a motocicleta e, atravessando a grade de segurança, mergulha para a morte.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Alastair Reid, a partir de um roteiro escrito por Roald Dahl, “Paixão e Crime” é um filme britânico produzido pela Metro-Goldwyn-Mayer British Studios, juntamente com a Tacitus Productions e a Youngstreet em 1971. Sua trama, baseada num romance de Joy Cowley, conta a história do amor impossível entre uma mulher de meia idade, que vive com sua mãe cega, uma velha mandona que a trata como uma empregada, e Billy, um jovem misterioso que um dia aparece em sua casa oferecendo seus serviços como jardineiro e que, na verdade, é um estuprador esquizofrênico e serial killer.

Na direção, Reid impõe uma boa dose de suspense e um ótimo ritmo, às vezes lembrando o incomparável Alfred Hitchcock. Na área técnica, merecem igualmente ser destacadas, por contribuírem para a boa qualidade do filme, sua fotografia, a cargo de Alex Thomson, e a trilha sonora assinada por Bernard Herrmann.

No elenco, com ótimas atuações, destacam-se Patricia Neal, como uma mulher submissa e frustrada, Pamela Brown, como uma mãe tirânica, e Nicholas Clay, como um psicótico imprevisível.

CAA