Filmes por gênero

ANNA KARENINA (1935)

Anna Karenina
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Ana Karenina (Portugal, México, Espanha)
Anna Karenine (França, Bélgica)
Ana Karenjina (Sérvia)
Анна Каренина (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Romance
Direção: Clarence Brown
Roteiro: Clemence Dane, Salka Viertel
Produção: David O. Selznick
Música Original: Herbert Stothart
Fotografia: William H. Daniels
Edição: Robert Kern
Direção de Arte: Cedric Gibbons
Figurino: Adrian
Guarda-Roupa: Eugene Joseff
Efeitos Sonoros: Douglas Shearer
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1966

Elenco

Greta Garbo Anna Karenina
Fredric March Conde Vronsky
Basil Rathbone Alexei Karenin
Reginald Owen Stiva
Phoebe Foster Dolly
May Robson Condessa Vronsky
Gyles Isham Konstantin Levin
Maureen O'Sullivan Kitty
Freddie Bartholomew Sergei
Constance Collier Condessa Lidia
Reginald Denny Yashvin
Joan Marsh Lili
Ethel Griffies Mme. Kartasoff
Mary Forbes Princesa Sorokina
Barry Norton Pretendente de Kitty
Helen Wood Princesa Lvov
Buster Phelps Grisha
Harry Beresford Matve
Keith Hitchcock Sr. Kartasoff
Robert Warwick Coronel
Mahlon Hamilton Coronel
Sarah Padden Governanta
Ella Ethridge Empregada de Anna
Cora Sue Collins Tania
Joseph R. Tozer Mordomo
Mischa Auer Mahotin
Helen Freeman Barbara

Prêmios

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Atriz (Greta Garbo)

Festival Internacional de Veneza, Itália

Copa Mussolini de Melhor Filme Estrangeiro (Clarence Brown)

National Board of Review, USA

Prêmio NBR dos 10 Melhores Filmes

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Na segunda metade do século XIX em Moscou, Anna Karenina, esposa de um distinguido estadista, Alexei Karenin, chega de São Petersburgo de trem. Stiva, seu irmão, a recebe na estação, onde a apresenta ao seu amigo, o conde Vronsky, um jovem oficial do exército. Embora tenha consciência de que Anna é casada e tem um filho, Vronsky imediatamente se apaixona por ela. Antes de deixarem a estação, Anna e Stiva presenciam a morte acidental de um inspetor ferroviário, ao ser atingido por um trem em movimento, tragédia que ela acredita ser “um mau presságio”.

Ao chegar à casa de seu irmão, Anna faz as pazes entre ele e sua esposa, Dolly, que se achava brava por considerá-lo um mulherengo. Na ocasião, Kitty, irmã de Dolly, confidencia à Anna que se acha secretamente apaixonada por Vronsky, desde que ficou desencantada com Konstantin Levin. Horas depois, no entanto, durante um baile, Kitty se desespera quando Levin lhe propõe casamento.

Quando Anna embarca para São Petersburgo, ela descobre que Vronsky a seguiu. Apesar de tentar dissuadi-lo de fazer súplicas por seu amor, ele continua a cortejá-la e, ao desembarcarem em São Petersburgo, ela se vê obrigada a apresentá-lo ao seu marido, que a aguardava na estação ferroviária.

Mais tarde, quando Vronsky a visita, ela confessa que o ama e, ao encontrar-se com Karenin, a condessa Lidia o informa sobre o caso extraconjugal de sua esposa. Ele, preocupado principalmente com o efeito que a publicidade do caso de Anna pode trazer para sua carreira e, principalmente para seu filho, a acusa de destruir a família. Em resposta, ela o acusa de se preocupar apenas com as aparências, e de não amá-la.

A notícia sobre o caso extraconjugal de Anna logo chega ao comandante chefe de Vronsky, que o incita a acabar imediatamente com a relação, sob pena de ser demitido do exército. Quando ele procura Anna, ele a obriga a escolher entre ele e Karenin, mas ela lhe diz que a decisão não é fácil. Mais tarde, durante uma corrida de cavalos em que o de Karenin está disputando contra o de Vronsky, quando este cai, Karenin impede Anna de correr para o lado dele.

Ao retornarem para casa, Anna confessa que ama Vronsky, fazendo com que o marido lhe informe que não vai se divorciar, ordenando-lhe que permaneça sua esposa, sob pena de ser banida e humilhada. Após o casamento de Kitty com Levin, Anna e Vronsky fogem para Veneza, embora ela confesse que ambos serão "punidos por serem tão felizes".

Enquanto isso, de volta a São Petersburgo, Karenin diz a Sergei que sua mãe está morta. Quando Vronsky e Anna retornam à Rússia, ele descobre que seu regimento se prepara para lutar na guerra servo-turca, e se prepara para o novo desafio. Enquanto isso, Karenin nega um pedido de Anna para visitar seu filho, no dia de seu aniversário, mas ela vai assim mesmo. No entanto, quando ele chega em casa e a encontra, furioso, ele a expulsa.

Ao tomar conhecimento de que Vronsky está de partida para a guerra, Anna tenta desesperadamente vê-lo mais uma vez, seguindo-o até Moscou. Ao chegar lá, ela visita Dolly, Kitty, Levin e seu novo bebê e, em seguida, corre até a estação ferroviária para se despedir de Vronsky. Ao se aproximar de seu vagão, no entanto, ela percebe que ele está se despedindo de sua mãe e de uma jovem que ela não conhece. Abatida, ela se suicida ao se jogar sob um trem em movimento.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Clarence Brown, a partir de um roteiro escrito por Clemence Dane e Salka Viertel, “Anna Karenina” é um filme norte-americano produzido pela Metro-Goldwyn-Mayer (MGM) em 1935.

Baseado no célebre romance de Leon Tolstói, o filme é muito bem elaborado, a começar pelo ótimo trabalho de Brown na direção, seguido pela magnífica fotografia de William H. Daniels, pelo esplendor de seus cenários e pela direção de arte a cargo de Cedric Gibbons.

No elenco, Greta Garbo brilha no papel principal, juntamente com Fredric March, seguidos pelas ótimas atuações de Basil Rathbone, Reginald Owen, Maureen O'Sullivan, Phoebe Foster e do jovem ator Freddie Bartholomew, na época com apenas onze anos de idade.

Enfim, “Anna Karenina” é um filme que recomendo fortemente.

CAA