Filmes por gênero

O CAVALEIRO DO TELHADO E A DAMA DAS SOMBRAS (1995)

Le hussard sur le toit
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: O hussardo no telhado (Portugal)
L'ussaro sul tetto (Itália)
The horseman on the roof (Estados Unidos)
El húsar en el tejado (Espanha)
El jinete sobre el tejado (Argentina)
Der Husar auf dem Dach (Alemanha)
Ryttare på taket (Suécia)
Husaren på taget (Dinamarca)
Гусар на крыше (Rússia)
Pais: França
Gênero: Drama
Direção: Jean-Paul Rappeneau
Roteiro: Jean-Claude Carrière, Jean-Paul Rappeneau, Nina Companéez
Produção: Bernard Bouix
Design Produção: Ezio Frigerio, Jacques Rouxel, Christian Marti
Música Original: Jean-Claude Petit
Direção Musical: Jean-Claude Petit
Fotografia: Thierry Arbogast
Edição: Noëlle Boisson
Direção de Arte: François Hamel
Figurino: Franca Squarciapino
Guarda-Roupa: Chiara Donato, Michèle Pezzin, Tina Morel, G. Ribel e outros
Maquiagem: Joël Lavau, Nathalie Louichon, Daniel Parker
Efeitos Sonoros: Pierre Gamet, Jean Goudier, Dominique Hennequin
Efeitos Especiais: Georges Demétrau, Grégoire Delage
Efeitos Visuais: Christian Guillon, Agnès Sébenne, Frederic Moreau e outros
Nota: 8.3
Filme Assistido em: 1996

Elenco

Juliette Binoche Pauline de Théus
Olivier Martinez Angelo Pardi
Pierre Arditi Sr. Peyrolle
François Cluzet Médico
Jean Yanne O propagador
Claudio Amendola Maggionari
Isabelle Carré A tutora
Carlo Cecchi Giuseppe
Christiane Cohendy Madame Peyrolle
Nathalie Krebs Sra. Barthelemy
Laura Marinoni Carla
Yolande Moreau Sra. Rigoard
Christophe Odent Sr. Barthelemy
Paul Freeman Laurent de Theus
Gérard Depardieu Comissário de Polícia de Manosque
Hervé Pierre Brig. Maugin
Richard Sammel Franz
Jacob Reymond Dr. Arnoux
Daniel Russo Maître Rigoard
Françoise Blanc Lucienne
Brigitte Canaan Denise
Tony Lemiere Adrien
Paul Chevillard Giacomo
Elisabeth Margoni Esposa do fazendeiro

Prêmios

Prêmios César - Academia das Artes do Cinema, França

César de Melhor Fotografia (Thierry Arbogast)

César de Melhor Som (Pierre Gamet, Jean Goudier, Dominique Hennequin )

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Figurino (Franca Squarciapino)

Indicações

Prêmios César - Academia das Artes do Cinema, França

César de Melhor Direção (Jean-Paul Rappeneau)

César de Melhor Atriz (Juliette Binoche)

César de Melhor Filme (Jean-Paul Rappeneau)

César de Melhor Música (Jean-Claude Petit)

César de Melhor Design de Produção (Jacques Rouxel, Ezio Frigerio, Christian Marti)

César de Melhor Edição (Noëlle Boisson)

César de Melhor Figurino (Franca Squarciapino)

César de Melhor Revelação Feminina (Isabelle Carré)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Por volta de 1832 , Angelo Pardi, jovem aristocrata carbonaro e coronel da Cavalaria italiana, vê-se obrigado a fugir de sua casa, na região do Piemonte, após matar em duelo um oficial austríaco, o Barão de Schwartz. Ele cruza a fronteira francesa, chegando à região da Provença em pleno surto de cólera.

Decidido a encontrar Giuseppe, seu amigo e irmão adotivo, ele chega à Manosque, devastada pela epidemia. Acusado de colocar veneno em poços d’água, ele se refugia sobre os telhados da cidade, onde vive da exploração de casas desertas. Certo dia, durante uma dessas suas explorações, ele conhece uma jovem mulher, Pauline de Théus, que o acolhe sem medo, apesar do risco de contágio.

Certo dia, ao descer de um telhado, Angelo é convocado por uma freira que limpa as feridas dos mortos. Embora ache uma tarefa inútil, ele cumpre as instruções da religiosa com orgulho, lembrando-se de um jovem e incansável médico dedicado a salvar vidas, embora muitos dos doentes morressem em seus braços.

Para combater o contágio, as autoridades evacuam a cidade em direção às colinas vizinhas. Lá, Angelo finalmente encontra Giuseppe, mas os estragos causados pela cólera, e os perigos de suas vidas de conspiradores, os obrigam a fugir para a região de Sainte-Colombe, nos Altos Alpes. Em uma barreira, Angelo encontra Pauline, que, por sua vez, está tentando encontrar-se com o marido perto de Gap. Juntos, eles cruzam a linha da barreira, ocasião em que a jovem mulher demonstra uma coragem exemplar. Eles viajam juntos por alguns dias, dormindo sob as estrelas e tendo a oportunidade de se conhecerem melhor. Como os soldados estão por toda parte, eles terminam presos e colocados em quarentena em Vaumeilh. No entanto, os dois conseguem escapar e retomar sua jornada. Depois de enfrentarem novos desafios e passarem mais uma noite sob as estrelas, encontram uma grande casa vazia onde descobrem uma adega. Angelo fala de sua mãe, uma duquesa italiana muito romântica e revolucionária, enquanto Pauline fala de sua infância e de seu marido que, embora sendo quarenta anos mais velho, ela o ama verdadeiramente.

O dia seguinte deve marcar o fim dessa jornada e os dois acreditam estar bem longe do surto de cólera. Assim, esquecem as regras necessárias para evitarem o contágio e compartilham uma refeição com uma pessoa culta que encontram na estrada. Horas mais tarde, no entanto, Pauline aparece com os sintomas da doença. Angelo passa a noite a friccionar álcool em seu corpo nu e, milagrosamente, a salva.

Quando ela se acha em condições de retomar a caminhada, ele a acompanha até seu marido e, em seguida, parte sozinho. Uma troca de informações deixa a esperança de voltarem a se encontrar no futuro.

imagem

Comentários

Baseado num livro do escritor Jean Giono e realizado pelo cineasta Jean-Paul Rappeneau, “O Cavaleiro do Telhado e a Dama das Sombras”, embora não seja uma obra-prima cinematográfica, é sem dúvida alguma, um bom filme do cinema francês de meados dos anos 1990.

A direção segura de Rappeneau nos faz mergulhar no coração dessa trama admiravelmente interpretada por Juliette Binoche e Olivier Martinez. A fotografia de Thierry Arbogast, onde se destacam as belíssimas paisagens da região da Provence, é admirável. Na área técnica, merecem ainda ser citadas a ótima música assinada por Jean-Claude Petit e o figurino a cargo da italiana Franca Squarciapino.

CAA