Filmes por gênero

O BEBÊ DE ROSEMARY (1968)

Rosemary's baby
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: A semente do Diabo (Portugal)
Le bébé de Rosemary (França, Canadá)
Rosemary's Baby - Nastro rosso a New York (Itália)
La semilla del diablo (Espanha)
El bebé de Rosemary (Argentina, México, Colômbia, Peru)
Rosemary's Baby: Das zweite Gesicht (Alemanha)
Rosemaryna beba (Croácia)
Ребенок Розмари (Rússia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Horror
Direção: Roman Polanski
Roteiro: Roman Polanski
Produção: William Castle
Design Produção: Richard Sylbert
Música Original: Krzysztof Komeda
Fotografia: William A. Fraker
Edição: Sam O'Steen, Bob Wyman
Direção de Arte: Joel Schiller
Figurino: Anthea Sylbert
Guarda-Roupa: Joan Joseff
Maquiagem: Allan Snyder
Efeitos Sonoros: Harold Lewis
Efeitos Visuais: Farciot Edouart
Nota: 8.8
Filme Assistido em: 1969

Elenco

Mia Farrow Rosemary Woodhouse
John Cassavetes Guy Woodhouse
Ruth Gordon Minnie Castevet
Sidney Blackmer Roman Castevet
Maurice Evans Hutch
Ralph Bellamy Dr. Sapirstein
Victoria Vetri Terry
Patsy Kelly Laura-Louise
Elisha Cook Jr. Sr. Nickla
Emmaline Henry Elise Dunstan
Charles Grodin Dr. Hill
Hanna Landy Grace Cardiff
Phil Leeds Dr. Shand
D'Urville Martin Diego
Hope Summers Sra. Gilmore
Marianne Gordon Amiga de Rosemary
Wende Wagner Amiga de Rosemary
Patricia O'Neal Sra. Wees
Walter Baldwin Sr. Wees
Charlotte Boerner Sra. Fountain
Robert Osterloh Sr. Fountain
Carol Brewster Claudia Comfort
Lynn Brinker Irmã Veronica
Jean Inness Irmã Agnes
Tony Curtis Donald Baumgart (voz)
Janet Garland Enfermeira
Mona Knox Sra. Byron

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante (Ruth Gordon)

Prêmios David di Donatello, Itália

Prêmio de Melhor Direção de um Filme Estrangeiro (Roman Polanski)

David de Melhor Atriz Estrangeira (Mia Farrow)

Sindicato Francês dos Críticos de Cinema, França

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro (Roman Polanski)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante (Ruth Gordon)

Círculo dos Críticos de Cinema de Kansas City, USA

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Sidney Blackmer)

Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante (Ruth Gordon)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Roteiro Adaptado (Roman Polanski)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Atriz (Mia Farrow)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Atriz em um Drama (Mia Farrow)

Prêmio de Melhor Roteiro (Roman Polanski)

Prêmio de Melhor Trilha Sonora (Krzysztof Komeda)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Roman Polanski)

Prêmios Edgar Allan Poe

Prêmio de Melhor Filme (Roman Polanski)

Prêmios Hugo

Hugo de Melhor Apresentação Dramática (Roman Polanski)

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Drama

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Atriz em um Drama (Mia Farrow)

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Atriz Coadjuvante (Ruth Gordon)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro de um Drama Americano (Roman Polanski)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Os recém-casados Rosemary e Guy Woodhouse, um ator em busca de emprego, pretendem se mudar para o Bramford, um antigo prédio de apartamentos de Nova York que, segundo seu amigo Hutch, tem uma história infame. O administrador do imóvel, Sr. Nickla, conta ao casal que a última pessoa a morar no apartamento pretendido foi uma senhora que apresentava problemas psíquicos ocasionados pela idade avançada. Por outro lado, Hutch, um amigo do casal, tenta convencê-los a não alugar o imóvel, contando um pouco das estranhas histórias que rondam o local. No entanto, Rosemary e Guy ficam ainda mais atraídos pelo imóvel e fecham o negócio.

Uma vez lá, Rosemary conhece uma jovem chamada Terry, que se acha em tratamento para se recuperar de seu vício em drogas. Ela comenta que mora no apartamento ao lado com um casal de idosos que a adotaram. Durante a conversa, Rosemary se encanta com um pingente que a jovem está usando, mas percebe um cheiro desagradável vindo dele.

Certa noite, Guy e Rosemary estão voltando para casa quando percebem que, na rua, em frente ao seu prédio, encontram-se reunidas várias pessoas em torno de um corpo. Era Terry, que se jogara do apartamento em que morava para a morte. Preocupados, eles permanecem no local até que o casal de idosos que morava com a jovem aparecesse, e é nessa noite que eles conhecem Roman e Minnie Castevet, com os quais iniciam uma amizade.

Com o passar do tempo, Guy, Rosemary e os Castevets vão se tornando cada vez mais íntimos. Minnie presenteia Rosemary com o estranho pingente usado por Terry, enquanto Roman conversa em particular com Guy a respeito de suas pretensões como ator. Pouco tempo depois, Guy recebe um telefonema lhe informando que ele conseguira o almejado papel em uma peça, já que o ator que havia sido escalado, em seu lugar, misteriosamente havia amanhecido cego. A boa notícia faz com que o jovem casal decida engravidar, enquanto a Sra. Minnie presenteia Rosemary com copos individuais de musse de chocolate.

À noite, enquanto dorme, Rosemary tem alucinações terríveis que misturam fantasia e realidade. Ela tem recordações de sua infância, vê freiras, barcos, marinheiros, figuras psicodélicas. No ápice de sua experiência alucinógena, ela se vê em um ambiente escuro cercada de pessoas estranhas falando idiomas desconhecidos, como se fosse uma oração ou invocação de alguma coisa. Em meio a essas pessoas, ela vê o casal Castevet vestido de preto e seu marido Guy, nu, vindo em sua direção. Eles iniciam uma relação sexual, porém logo o homem com quem está fazendo sexo se transforma em uma criatura bizarra com aspectos demoníacos. Rosemary tenta acordar, dizendo que aquilo não é um sonho, mas a realidade. Ao atingir o ápice do prazer, ela vê o papa que se dirige para “perdoá-la” do pecado que está cometendo, oferecendo-lhe o anel para beijar. O anel, no entanto, é o misterioso pingente que lhe havia sido dado por Minnie.

No dia seguinte, Rosemary acorda exausta e se vê nua na cama com arranhões por todo o corpo. Preocupada, ela questiona o marido a respeito da noite passada e ele responde que havia bebido um pouco e não pôde evitar de fazer amor com a esposa. Naquela noite alucinante, Rosemary havia engravidado. Durante a gravidez, ao invés de engordar, ela passa a emagrecer, adquirindo um aspecto fúnebre. Ao começar a sentir muitas dores, Rosemary decide procurar um médico de confiança, o Dr. Hill, mas é desencorajada pelos Castevets, que exultam de alegria ao descobrirem que a vizinha está esperando um filho e recomendam seu amigo médico, Dr. Sapirstein, cujo tratamento recorre à medicina alternativa como chás e misturas naturais para beber.

A seguir, há uma série de ocorrências misteriosas, como a morte do amigo Hutch, que suspeitava dos novos amigos de Rosemary e queria avisá-la de algo terrível que estava se passando. Antes de morrer, Hutch havia providenciado para que Rosemary recebesse um livro sobre bruxaria, contendo um anagrama que permitiria decifrar toda a gama de mistério envolvendo Roman, Minnie e demais pessoas de seu convívio com o satanismo.

Meses depois, Rosemary entra em trabalho de parto, sendo mantida sedada pelo Dr. Sapirstein. Horas depois, ao acordar, lhe é dito que o bebê morreu. No entanto, num armário do corredor, ela descobre uma porta secreta que leva ao apartamento dos Castevets, de onde ela ouve os gritos de um bebê, revelando que seu filho se acha vivo. Ato contínuo, ela vai ao seu encontro, descobrindo uma congregação formada por inquilinos do edifício e por Dr. Sapirstein, todos reunidos em torno de seu filho recém-nascido.

Ao puxar para trás as cortinas do berço, Rosemary fica horrorizada com a visão de dois olhos demoníacos brilhando em vermelho e olhando para ela.

Na ocasião, lhe é dito que Guy não é o pai do bebê e que este, chamado Adrian, é na verdade filho de Satanás, deixando-a horrorizada. Guy tenta se desculpar junto à Rosemary, explicando-lhe que eles vão estar recebendo muito em troca dessa situação, como riqueza e fama, e que eles poderiam fazer um novo filho. Fora de controle, Rosemary responde com uma cusparada em seu rosto. No final, embora rejeite as bruxas que adoram o demônio, ela aceita a realidade da situação e mostra seu papel materno e instintivo ao embalar a criança para que ela durma.

imagem

Comentários

Escrito e dirigido pelo cineasta Roman Polanski, “O Bebê de Rosemary” é um excelente filme produzido pela William Castle Productions em 1968. Sua trama, baseada no romance homônimo de Ira Levin, é marcada por uma boa dose de horror e suspense.

Partindo de um ótimo roteiro por ele escrito, Polanski realiza um excelente trabalho na direção, mantendo o espectador atento da primeira à última cena. Na área técnica, merecem igualmente elogios sua fotografia a cores, assinada por William A. Fraker, bem como, sua belíssima trilha sonora, a cargo de Krzysztof Komeda.

No elenco, Ruth Gordon e Mia Farrow brilham em seus respectivos papéis, seguidas pela ótima atuação de Sidney Blackmer.

CAA