Filmes por gênero

O EXORCISTA (1973)

The Exorcist
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: L'exorciste (França, Canadá)
L'esorcista (Itália)
El exorcista (Espanha, Argentina, México, Uruguai)
Der Exorzist (Alemanha)
Exorcisten (Suécia)
Eksorcisten (Dinamarca)
Изгоняющий дьявола (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Horror, Suspense
Direção: William Friedkin
Roteiro: William Peter Blatty
Produção: William Peter Blatty, David Salven
Design Produção: Bill Malley
Fotografia: Owen Roizman
Edição: Norman Gay, Evan A. Lottman
Direção de Arte: John Robert Lloyd
Figurino: Joseph Fretwell III
Guarda-Roupa: Bill Beattie, Florence Foy
Maquiagem: Dick Smith
Efeitos Sonoros: Robert Knudson, Christopher Newman
Efeitos Especiais: Marcel Vercoutere
Efeitos Visuais: Marv Ystrom
Nota: 9.5
Filme Assistido em: 1974

Elenco

Ellen Burstyn Chris MacNeil
Max von Sydow Padre Merrin
Lee J. Cobb Tenente Kinderman
Linda Blair Regan MacNeil
Kitty Winn Sharon
Jack MacGowran Burke Dennings
Jason Miller Padre Damien Karras
William O'Malley Padre Dyer
Barton Heyman Dr. Klein
Peter Masterson Dr. Barringer
Rudolf Schündler Karl
Gina Petrushka Willi
Robert Symonds Dr. Taney
Arthur Storch Psiquiatra
Thomas Bermingham Tom, Presidente da Universidade
Vasiliki Maliaros Mãe de Karras
Titos Vandis Tio de Karras
Wallace Rooney Bispo Michael
Donna Mitchell Mary Jo Perrin
Mercedes McCambridge Demônio (voz)
Roy Cooper Reitor jesuita
Elinore Blair Enfermeira
Yvonne Jones Enfermeira
Toni Darnay Paciente psicótico violento

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Roteiro Adaptado (William Peter Blatty)

Oscar de Melhores Efeitos Sonoros (Robert Knudson, Christopher Newman )

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme - Drama

Prêmio de Melhor Direção (William Friedkin)

Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante (Linda Blair)

Prêmio de Melhor Roteiro (William Peter Blatty)

Academia de Filmes de Ficção Científica, Fantasia e Horror, USA

Prêmio de Melhor Filme de Horror

Prêmio de Melhor Roteiro (William Peter Blatty)

Prêmio de Melhor Maquiagem (Dick Smith)

Prêmio de Melhores Efeitos Especiais (Marcel Vercoutere )

Prêmios Empire, Reino Unido

Prêmio Obra-Prima do Cinema (William Friedkin)

Prêmios Golden Screen, Alemanha

Prêmio Golden Screen

Editores de Som de Filmes, Estados Unidos

Prêmio Golden Reel de Melhor Edição de Som (Fred J. Brown, Ross Taylor, James Nelson)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Direção (William Friedkin)

Oscar de Melhor Atriz (Ellen Burstyn)

Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante (Linda Blair)

Oscar de Melhor Ator Coadjuvante (Jason Miller)

Oscar de Melhor Filme (William Peter Blatty)

Oscar de Melhor Fotografia (Owen Roizman)

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Cenários (Bill Malley, Jerry Wunderlich)

Oscar de Melhor Edição (J. Leondopoulos, Bud S. Smith, Evan A. Lottman, Norman Gay)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Atriz em um Drama (Ellen Burstyn)

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Max von Sydow)

Prêmio de Melhor Revelação Feminina (Linda Blair)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Trilha Sonora (Christopher Newman, Jean-Louis Ducarme, Robert Knudson, Fred J. Brown, Bob Fine e outros)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (William Friedkin)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Drama adaptado de material previamente publicado (William Peter Blatty)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Num sítio arqueológico em Hatra, próximo à Nínive, no Iraque, o arqueólogo e padre Merrin visita uma escavação onde foi encontrada uma pequena escultura, de pedra, de uma criatura bestial e horrível. Padre Merrin encontra, em seguida, uma estranha estátua de Pazuzu, que tem uma cabeça similar àquela anteriormente encontrada.

Enquanto isso, Damien Karras, um jovem padre da Universidade de Georgetown, começa a duvidar de sua fé ao lidar com a doença terminal de sua mãe. Por outro lado, Chris MacNeil, uma atriz que está filmando em Georgetown, percebe dramáticas e perigosas mudanças de comportamento em sua filha de 12 anos, Regan. A garota tem uma convulsão e demonstra poderes sobrenaturais como levitação e grande força. Regan fala palavrões e blasfêmias com uma voz demoníaca masculina.

Inicialmente, Chris pensa que as mudanças de Regan estão relacionadas à sua entrada na puberdade, mas os médicos suspeitam de uma lesão em seu cérebro. Regan é submetida a uma série de exames médicos desagradáveis, que não acusam nada de anormal, e o médico indica um psiquiatra, que por ela é atacado violentamente. Ocorrências paranormais continuam a ocorrer, incluindo a cama sacudindo, barulhos estranhos e movimentos inexplicáveis.

Esgotados os recursos científicos, um dos médicos recomenda um exorcismo, sugerindo que os sintomas de Regan podem ser  resultado de uma possessão demoníaca, devendo ser resolvida por um padre. Em desespero, Chris consulta o padre Karras, uma vez que ele, além de padre, é psiquiatra. Durante o período em que este observa Regan, ela constantemente refere-se a si própria como o demônio. Karras inicialmente acredita que a menina sofra de psicose, até que ele lembra dela falando em um idioma estranho, que é de fato inglês de trás pra frente. Apesar de suas dúvidas, ele decide pedir permissão à Igreja para conduzir um exorcismo.

O padre Merrin, um experiente exorcista, é chamado às pressas para ajudar. Ele e Karras tentam espantar o espírito maligno de Regan. O demônio ameaça e agride os dois padres, verbal e fisicamente, inclusive usando a voz da mãe de Karras para perturbá-lo, e Merrin sofre um infarto. Karras tenta socorrê-lo, mas ele morre. Em seguida, ele agarra o pescoço da menina e desafia o demônio a deixar Regan e entrar nele. O demônio o faz, e Karras comete suicídio, jogando-se pela janela. Lá embaixo, arrasado, o padre Dyer administra a extrema unção ao religioso.

Regan, sem a presença do demônio, tem sua saúde recuperada e não lembra de nada que aconteceu, indo embora de Georgetown com sua mãe.

imagem

Comentários

ealizado pelo cineasta William Friedkin, a partir de um roteiro escrito por William Peter Blatty, “O Exorcista” é um filme norte-americano produzido pelas empresas Warner Brothers e Hoya Productions em 1973. Sua trama, baseada num romance de William Peter Blatty, fala de uma garota de doze anos que se encontra com um distúrbio neurológico grave ou talvez tenha sido possuída por um espírito maligno.

Partindo de um roteiro bastante original e inteligente, a direção de Friedkin é excelente, o mesmo ocorrendo com a fotografia a cargo de Owen Roizman. Na área técnica, embora não sejam extraordinários, merecem igualmente elogios os efeitos sonoros e especiais, assim como o trabalho de maquiagem realizado por Dick Smith.

No elenco, o que mais me chamou atenção foi a maravilhosa atuação de Linda Blair, pelo fato de se tratar de uma adolescente de apenas 13 anos de idade, não esquecendo igualmente de registrar as ótimas atuações de Ellen Burstyn, Jason Miller e Max von Sydow.

CAA