Filmes por gênero

PARA O RESTO DE NOSSAS VIDAS (1992)

Peter's friends
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Os amigos de Peter (Portugal)
Les amis de Peter (Canadá)
Gli amici di Peter (Itália)
Los amigos de Peter (Argentina, Espanha)
Piterovi prijatelji (Sérvia)
Przyjaciele Petera (Polônia)
Peter's Friends - Freunde sind die besten Feinde (Alemanha)
Друзья Питера (Rússia)
Pais: Reino Unido
Gênero: Comédia, Drama, Romance
Direção: Kenneth Branagh
Roteiro: Rita Rudner, Martin Bergmann
Produção: Kenneth Branagh
Design Produção: Tim Harvey
Direção Musical: Gavin Greenaway, Clive Farrell
Coreografia: David Toguri
Fotografia: Roger Lanser
Edição: Andrew Marcus
Direção de Arte: Martin Childs
Figurino: Susan Coates, Stéphanie Collie
Guarda-Roupa: Nancy Thompson, Fiona Smithies, Lisa Shanley
Maquiagem: Peter Frampton
Efeitos Sonoros: David Crozier, Robin O'Donoghue, Martin Evans e outros
Efeitos Visuais: Pete Hanson, Mark Nelmes, Janek Sirrs
Nota: 8.2
Filme Assistido em: 1993

Elenco

Hugh Laurie Roger Charleston
Kenneth Branagh Andrew Benson
Stephen Fry Peter Morton
Alphonsia Emmanuel Sarah Johnson
Emma Thompson Maggie Chester
Imelda Staunton Mary Charleston
Richard Briers Lord Morton, pai de Peter
Phyllida Law Vera, empregada
Alex Scott Paul, aos 7 anos
Edward Jewesbury Sr. Gooch
Hetta Charnley Fã de Carol, no Aeroporto
Rita Rudner Carol Benson
Ann Davies Brenda
Magdalena Buznea Senhora idosa
Tony Slattery Brian, acompanhante de Sarah
Nicola Wright Mulher de Brian
Alex Lowe Paul, aos 17 anos
Chris Pickles Motorista dos Bensons

Prêmios

Prêmios Sant Jordi de Barcelona

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro (Kenneth Branagh)

Indicações

Associação dos Críticos de Cinema de Chicago

Prêmio de Melhor Diretor (Kenneth Branagh)

Prêmios Goya - Academia Espanhola, Espanha

Goya de Melhor Filme Europeu

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em 1982, seis grandes colegas e amigos, Peter, Roger, Mary, Andrew, Sarah e Maggie, concluem seus estudos na Universidade de Cambridge.  Lá, além das obrigações escolares, faziam parte de um mesmo grupo de teatro.

Os anos se passaram e cada um tomou seu próprio rumo: Peter, filho de uma família de milionários, passou a levar uma vida desregrada de playboy;  Roger e Mary se casaram, tiveram gêmeos, um dos quais veio a morrer, e se tornaram os melhores autores de jingles da Inglaterra;  Andrew, que era um brilhante escritor de peças, na Faculdade, mudou-se para Hollywood, onde se casou com Carol, uma atriz, passando a escrever roteiros para ela, que eram apresentados através de uma série de comédias de costumes para a televisão;  Sarah, que tivera pequenos casos com os rapazes, na Faculdade, continuou a sair com homens, geralmente comprometidos;  e Maggie foi trabalhar para uma grande Editora, não tendo uma vida social muito ativa.

Dez anos depois, na última semana de 1992, Peter, que havia herdado uma enorme propriedade do pai, decide convidar seus velhos amigos para, juntos, passarem as festas do final do ano em sua mansão.  Todos comparecem, inclusive Carol, mulher de Andrew, e Brian, última conquista de Sarah.

Os dias se passam divididos entre a alegria de estarem juntos, depois de tanto tempo, e momentos de reflexão, revelações e decisões que a reunião propicia.

Maggie, por exemplo, comenta com Andrew que estava saindo com uma pessoa, mas que esta se suicidou.  Ela vê em Peter uma solução para sua vida solitária.  Certa noite, aliás, ela vai ao quarto dele disposta a ir pra cama, mas ele lhe diz que a ama como a uma grande amiga.  Perguntado se é gay, responde que é bissexual mas que não transa mais nem com homem nem com mulher.

O casamento de Andrew e Carol parece não andar bem.  Quando ela recebe um telefonema de Hollywood, convidando-a para estrelar um novo filme, ela comenta que está pensando em retornar aos EUA imediatamente, sozinha.  Tal fato aumenta o desânimo de Andrew em relação à união deles.

Sarah questiona o fato de Brian ter largado mulher e filho para ficar com ela, uma vez que os dois só se conhecem há duas semanas.  Este também pensa no assunto e, no dia seguinte, sua mulher vem apanhá-lo.

Sozinha, Sarah dá em cima de Andrew, com quem tivera um caso no passado.  Carol os surpreende aos beijos, exatamente no momento em que ia comunicar que desistira do convite para o novo filme, mas, diante daquela cena, muda de idéia e decide ir embora sozinha.

O casamento de Roger e Mary é abalado apenas pelo trauma causado quando da morte de um de seus filhos gêmeos.  Psicótica, ela fica o tempo todo a se comunicar com a babá, a fim de saber como se acha Ben, seu outro filho.

A partida de Carol faz com que Andrew passe a se embriagar com freqüência.  Numa dessas ocasiões, ele é grosseiro com Roger e Mary, além de dizer que não sabe o que todos estão fazendo ali, e por que somente agora, dez anos depois, Peter resolveu convidá-los.

Peter, então, comunica a todos que há seis meses contraiu o vírus HIV, o que o deixou fortemente abalado e que, ao repassar sua vida, lembrou-se dos velhos e queridos amigos.  Chorando, Andrew o abraça.  Maggie compreende, agora, a conversa que tivera com ele em seu quarto.

O relógio bate meia-noite, anunciando o Novo Ano.  Todos se confraternizam.  Os amigos dizem a Peter que ele poderá passar um tempo com qualquer um deles.  No final, eles cantam e dançam as músicas da época da Universidade.

imagem

Comentários

"Para o Resto de Nossas Vidas" é um bom filme sobre um grupo de colegas de Universidade que se reencontram, dez anos depois de suas formaturas, na casa de um deles.  Produzido e dirigido por Kenneth Branagh, que também encabeça o elenco, o filme lembra muito "O Reencontro", de Lawrence Kasdan, de 1983, embora este último seja bem melhor.

Partindo de um ótimo roteiro, assinado por Martin Bergmann e Rita Rudner, marido e mulher na vida real, ela também fazendo parte do elenco, onde interpreta a atriz Carol, Branagh realiza um bom trabalho.  A trama procura retratar o amor e a amizade, ao estilo britânico, e fala de temas como infidelidade, perda, alcoolismo, solidão, bulimia, entre outros.

A trilha sonora, composta de músicas de grandes autores, é um dos pontos altos do filme, o mesmo ocorrendo com o elenco, onde o maior destaque fica por conta da atuação de Emma Thompson.  Embora bom, Branagh está melhor como diretor.

CAA