Filmes por gênero

K-19: THE WIDOWMAKER (2002)

K-19: The widowmaker
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: K-19: Le piège des profondeurs (França)
K-19: Terreur sous la mer (Canadá francês)
K-19 - Showdown in der Tiefe (Alemanha)
K-19 (Itália, Austria)
Pais: Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido
Gênero: Drama, Suspense
Direção: Kathryn Bigelow
Roteiro: Christopher Kyle
Produção: Kathryn Bigelow, Chris Whitaker, S. Sighvatsson, E. Feldman
Design Produção: Karl Juliusson, Michael Novotny
Música Original: Klaus Badelt
Fotografia: Jeff Cronenweth
Edição: Walter Murch
Direção de Arte: William Ladd Skinner, Arvinder Grewal, Angela Murphy
Figurino: Marit Allen
Guarda-Roupa: Sara Schilt, Timothy Alberts, Renée Bravener
Maquiagem: Jordan Samuel, Michael Laudati, Joyce Wold
Efeitos Sonoros: Dan Gleich, Aura Gilge, Colin Jones e outros
Efeitos Especiais: Peter Field, Tony Kenny e outros
Efeitos Visuais: Eric Brevig, Bill Coffin e outros
Nota: 6.7
Filme Assistido em: 2003

Elenco

Harrison Ford Capt. Alexei Vostrikov
Liam Neeson Capt. Mikhail Polenin
John Shrapnel Almirante Bratyeev
Joss Ackland Marechal Zelentsov
Peter Sarsgaard Vadim
Steve Nicolson Demichev
Roman Podhora Lapinsh
Sam Spruell Dmitri
Peter Stebbings Kuryshev
George Anton Konstantin
Christian Camargo Pavel
Sam Redford Vasily
Ravil Isyanov Suslov
Tim Woodward Partonov
Kristen Holden-Reid Anton
Demitry Chepovetsky Sergei
Christopher Redman Kiklidze
Tygh Runyan Maxim
James Ginty Anatoly
Peter Graham Danya Yashin
Shawn Mathieson Stepan
Jacob Pitts Grigori
Christopher Routh Oleg
Donald Sumpter Dr. Savran
Joshua Close Viktor
Lee J. Campbell Juiz

Sinopse

Com o amor e a confiança de seus homens, respeitado como o comandante de submarino mais experiente da Marinha soviética, Mikhail Polenin é destituído do comando do K-19 quando o governo soviético decide que ele não preparou o submarino capitânia rápido o suficiente para a sua viagem inaugural.  Em seu lugar, as altas patentes colocam o comandante Alexei Vostrikov, um oficial especializado em missões e com uma "vontade de aço", que leva o K-19 ao mar dentro do cronograma previsto, às 16:00 horas do dia 18 de junho de 1961.

Devido ao seu conhecimento prático do submarino, Polenin permanece a bordo como imediato de Vostrikov e logo os dois entram em confronto.  Contudo, eles têm algo em comum: ambos são totalmente dedicados à Marinha e ao país que servem.  Vostrikov testa o K-19 e a sua tripulação no nível máximo, conduzindo manobras após manobras, levando o submarino e seus homens até o limite ao chegar na profundidade máxima de mergulho, e além dela, bem perto da fatal "profundidade de colapso": aproximadamente 300 metros (1.000 pés) debaixo da água.  Essa provação mental, emocional e física, termina com um lançamento de sucesso de um míssil-teste. Em seguida, chega uma ordem decisiva de Moscou: o K-19 deve seguir em direção ao Ocidente, passando pelas bases da OTAN para estabelecer sua estação de patrulha durante a Guerra Fria a nada menos que 400 quilômetros da costa americana - entre Washington D.C. e Nova York.

Sem saber que o submarino está avariado, o imperturbável comandante Vostrikov obedece à pátria, levando o K-19 e seus homens àquilo que pode ser a sua última viagem.  Em 4 de julho de 1961, em plena missão-patrulha, ocorre um desastre de magnitude global: o sistema de resfriamento do reator do submarino atômico começa a vazar e o núcleo do reator vai aquecendo lenta e incansavelmente.  Se ele atingir 1.000°, o reator pode derreter e provocar resultados catastróficos.  Selado e intensamente radioativo, o compartimento onde se encontra, se aberto, enviaria enormes quantidades de radiação para toda a embarcação.  Mas é o que deve ser feito, pois a erupção do reator dispararia ogivas de mísseis e causaria uma explosão nuclear tão perto da base da OTAN que seria o gatilho para a Terceira Guerra Mundial.

imagem imagem imagem

Comentários

Embora não seja um filme excepcional, "K-19" consegue prender a atenção do expectador do início ao fim.  O elenco tem uma boa "performance", o roteiro de Christopher Kyle é bem escrito e a direção, a cargo de Kathryn Bigelow, é de ótima qualidade.

O ponto alto do filme é que ele aborda temas como honra e patriotismo sem cair em apelações baratas como ocorre na maioria dos filmes americanos que tratam do assunto.

CAA