Filmes por gênero

A MULHER DO POVO (2001)

Otilia Rauda - La mujer del pueblo
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Otilia (Espanha)
Pais: México
Gênero: Drama
Direção: Dana Rotberg
Roteiro: Dana Rotberg
Produção: Alfredo Ripstein Hijo
Design Produção: Salvador Parra
Fotografia: Guillermo Granillo
Edição: Sigfrido Barjau, Carlos Puente
Figurino: Mónica Neumaier
Efeitos Sonoros: Carlos Aguilar, Santiago Núñez, Saúl Almaráz, S. Enríquez
Efeitos Especiais: Sergio Jara
Nota: 7.9
Filme Assistido em: 2003

Elenco

Gabriela Canudas Otilia Rauda
Álvaro Guerrero Isidro
Carlos Torrestorija Rubén Lazcano
Julieta Egurrola Cruz, mãe de Otilia
Alberto Estrella Melquíades
Carlos Cardán Isaac, pai de Otilia
Ana Ofelia Murguía Genoveva
Arturo Ríos Padre Juvencio
Martha Papadimitriou Chenda
Luis Artagnan Celedonio
Nadine Cuevas Blanca
Francisco Campos Ramon
Juan Carlos Remolina Amante
Pablo Hoyos Cliente do Bordel
Guillermo Suarez Cliente do Bordel
Federico García Fotógrafo

Sinopse

Em um pequeno povoado mexicano dos anos 20, vive Otilia Rauda, uma mulher marcada por uma mancha que cobre parte do seu rosto, o que faz com que ela se torne solitária, já que todos a evitam.  Isaac, seu pai, termina obrigando-a a se casar contra sua vontade com Isidro, o chefe de polícia local.

Tal casamento é marcado pela falta de amor e de afeto.  Nem mesmo uma genuína relação sexual está presente.  O que há é apenas uma possessão ocasional.  Para complicar a relação, Isidro continua com os mesmos hábitos de solteiro e, pouco tempo depois, ele a contagia com uma doença venérea contraída num prostíbulo, o que a deixa estéril antes de ter tido a chance de ter um filho.

Alimentada pela frustração e ressentimento, Otilia converte seu legítimo desejo de plenitude sexual num instrumento de vingança.  Deixa de manter relações sexuais com o marido e se entrega ao adultério de modo quase frenético, contando com a cumplicidade de Melquíades e de Genoveva, a mãe deste.

Algum tempo depois, os pais de Otilia morrem, o que a afasta ainda mais de Isidro.  A casa de seus pais se converte num refúgio de sua profunda solidão.  Embora continue colecionando amantes, nunca os leva a essa casa.  E é precisamente na casa de seus pais, que um dia Otilia descobre marcas de sangue.  Alarmada, pega uma arma e segue o rastro de sangue até dar com o corpo inerte de um homem.  Por uma notória cicatriz em seu rosto, ela o identifica como sendo Rubén Lazcano, um mítico bandido, valente e perigoso, fugitivo da polícia.

O homem sangra profusamente.  Otilia sente-se logo atraída por ele, em quem vê um perfeito instrumento de vingança contra Isidro.  Com a ajuda de Genoveva e Melquíades, começa a árdua e dolorosa tarefa de curá-lo clandestinamente.   É durante esse tempo que Otilia, pela primeira vez, experimenta tanto o êxtase como o desassossego que comporta o sentimento do amor.  Rubén passa a ocupar todos os seus pensamentos e ações.  Ela cuida dele, o banha, faz largas confidências numa verdadeira atitude de entrega.  À Otilia, parece não importar se ele está ou não lúcido, se ele registra ou não suas palavras e gestos.  Face à situação dele, ela já começa a imaginar uma fuga para os Estados Unidos com o seu amor. 

Por outro lado, Isidro começa a suspeitar que Otilia tem um novo amante, mas não imagina que o mesmo possa a ser o bandido foragido.  Quando este finalmente se recupera, Otilia lhe confessa seu amor e seus planos de fuga conjunta.  Mas Rubén não assume outro sentimento que não o de gratidão e manifesta seu desejo de seguir sozinho.  A decepção de Otilia é muito grande.  Mas, imediatamente antes de partir e surpreendentemente, Rubén lhe pede que se desnude.  É então que, como confirmando suas expectativas, se realiza entre os dois um apaixonado encontro sexual.  Ela nunca havia vivenciado uma experiência de tal plenitude.  Mas a decisão de Rubén não se modifica.

Quando ele finalmente parte, começa um inacabável e angustiante período de espera.  Otilia deixa de se deitar com seus amantes e se mantém alerta ante qualquer sinal de Rubén.  Quando Isidro ameaça matar um suposto amante chamado Luiz Perez, Otilia lhe diz que ele deveria matar era Rubén Lazcano, por quem ela está realmente apaixonada.

A partir daí, a obsessão pelo ausente Rubén é comum entre Otilia e Isidro. Ambos, por razões opostas, desejam fervorosamente sua volta.  Até que um fato precipitará a história:   Isidro informa a Otilia que Rubén esteve com uma prostituta num bordel próximo.  Embora não creia, ela procura a prostituta, que confirma o encontro e que lhe diz que Rubén mantém mulher e filhos em um monte próximo.

Otília pede a Melquíades que procure Rubén e o alerte em relação a Isidro.  Melquíades, que sempre manteve um ciúme doentío de Otilia, ao se encontrar com Rubén nas montanhas, o mata.  Na manhã seguinte, ele regressa carregando o corpo de Rubén sobre o lombo de um cavalo.  Otília, ao vê-los, corre até o pátio ao seu encontro.  Melquíades entrega-lhe uma arma que trouxe consigo e ela, a essa altura deitada no chão ao lado do corpo de Rubén, puxa o gatilho e se suicida.

imagem imagem imagem

Comentários

Baseado na história homônima de Sérgio Galindo, "A Mulher do Povo" é um filme sobre a vida de Otilia Rauda, uma mulher forte e sensual, mas que é repudiada pelos habitantes de um pequeno povoado do México dos anos 20.

A direção de Dana Rotberg é excelente, resultando num trabalho cheio de matizes e de uma emotividade que prende o espectador do início ao fim.  No papel-título, está Gabriela Canudas, uma bela atriz que consegue transmitir, de forma admirável, toda a força e a sensualidade de seu personagem.  Álvaro Guerrero realiza também um bom trabalho, enquanto Alberto Estrella não está tão bem no papel de Melquíades.
 
CAA