Filmes por gênero

BOM DIA, TRISTEZA (1958)

Bonjour tristesse
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Buongiorno tristezza! (Itália)
Buenos días, tristeza (Espanha, Venezuela)
Ett moln på min himmel (Suécia)
Farlig sommerleg (Dinamarca)
Witaj smutku (Polônia)
Jó reggelt, búbánat! (Hungria)
Здравствуй, грусть (União Soviética)
Pais: Estados Unidos, Reino Unido
Gênero: Drama
Direção: Otto Preminger
Roteiro: Arthur Laurents
Produção: Otto Preminger
Design Produção: Roger K. Furse
Música Original: Georges Auric
Coreografia: Tutte Lemkow
Fotografia: Georges Périnal
Edição: Helga Cranston
Direção de Arte: Ray Simm
Guarda-Roupa: Hope Bryce, May Walding
Maquiagem: George Frost
Efeitos Sonoros: David Hildyard, Red Law, David Hawkins
Nota: 8.6
Filme Assistido em: 1960

Elenco

Deborah Kerr Anne Larson
David Niven Raymond
Jean Seberg Cécile, filha de Raymond
Mylène Demongeot Elsa
Geoffrey Horne Philippe
Juliette Gréco Ela própria, como cantora de uma Casa Noturna
Walter Chiari Pablo
Martita Hunt Mãe de Philippe
Roland Culver Sr. Lombard
Jean Kent Sra. Helen Lombard
David Oxley Jacques
Elga Andersen Denise
Eveline Eyfel Empregada
Jeremy Burnham Hubert
Tutte Lemkow Pièrre Schube

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em Paris, a jovem Cécile, de 17 anos, vive com seu pai Raymond, um rico playboy.  Certa noite, ao se encontrar com ele e sua última amante, Denise, numa Casa Noturna, ela passa a recordar a felicidade vivida durante o último verão na Riviera Francesa.  Assim, em flashback, volta-se ao tal verão:

Em sua suntuosa mansão à beira-mar, Raymond passa férias em companhia de sua jovem amante, Elsa, e de Cécile, quando esta vê um jovem atrapalhado com seu barco à vela.  Sem pensar duas vezes, Cécile mergulha e nada ao encontro dele a fim de ajudá-lo.  Seu nome é Philippe, um estudante de direito que se encontra veraneando com a mãe numa Villa próxima.  Os dois sentem-se mutuamente atraídos, mas o idílico verão de Cécile é interrompido com a chegada de Anne, uma antiga amiga de sua mãe que decidira aceitar o convite de Raymond para passar uma temporada com eles.  Anne é uma estilista famosa, elegante, inteligente, linda e solteira.

Esta sente-se chocada com a falta de preocupação de Cécile, após não ter sido bem-sucedida no colégio, e com a presença de Elsa, quase da mesma idade da filha de Raymond.  À medida que os dias passam, Raymond começa a dar mais atenção à Anne, provocando ciúmes em Elsa e Cécile.

Ao irem a um Cassino local, Elsa encontra Pablo, um antigo amante sul-americano.  Enquanto isso, Raymond e Anne decidem sair sozinhos, mas Cécile os vê aos beijos antes de darem partida em um automóvel, o que a deixa furiosa.  Na manhã seguinte, Anne comunica à Cécile que Raymond e ela estão pensando em se casar.  Como se essa notícia não bastasse, para desespero da jovem, Anne a proíbe de voltar a ver Philippe por achar que ele não está à altura dela.

Cécile decide então usar Elsa em seus planos para evitar o casamento do pai, fazendo com que este a veja acompanhada de Philippe.  Assim, quando todos se acham numa Casa Noturna, Elsa e Philippe dançam no salão, provocando ciúmes em Raymond.  No dia seguinte, Elsa informa Cécile que Raymond lhe telefonou para se desculpar e marcar um encontro.

Dizendo à Anne que vai se encontrar com seu sócio, Raymond sai ao encontro de Elsa.  Por outro lado, Cécile manobra para que Anne flagre o casal em plena relação sexual, bem no momento em que Raymond diz à amante que só falou em casamento com Anne para que ela fizesse sexo com ele.  Horrorizada, esta corre até a mansão, de onde parte em disparada em seu carro.  Algum tempo depois, chega a notícia de que o carro de Anne foi encontrado no fundo do mar.

Voltando com seus pensamentos ao presente, Cécile percebe que Anne fez com que todos cressem que sua morte fora provocada por um acidente, e não por uma atitude suicida face à traição sofrida.  Cécile não voltou a falar com Philippe, enquanto Elsa vive agora com Pablo na América do Sul.

Cécile e o pai nunca voltaram a tocar nesse triste episódio.  Já em casa, enquanto ela retira sua maquiagem, ele entra em seu quarto e lhe sugere uma viagem à Itália.  Ao pensar em quão fútil tem sido a vida dos dois, seus olhos enchem-se de lágrimas.

imagem

Comentários

Adaptado de um best-seller da escritora Françoise Sagan, "Bom Dia, Tristeza", é um ótimo filme.  Realizado pelo cineasta austríaco, Otto Preminger, esse drama social gira em torno de um triângulo formado por um rico e viúvo playboy, sua filha de 17 anos e uma velha amiga da família.

Como sempre, a direção de Preminger é precisa.  Com sua estória quase que totalmente narrada em flashback, o diretor se utiliza do preto-e-branco para retratar o tempo presente, no início e no final do filme, sendo todo o restante, que fala do verão ocorrido um ano antes na Côte d'Azur, apresentado em tecnicólor.

A fotografia em CinemaScope, de Georges Périnal, e o belo figurino são dignos dos bem elaborados musicais hollywoodianos.  Juliette Gréco, um dos ícones da música francesa do pós-guerra, faz uma ponta ao se apresentar numa Casa Noturna cantando "Bonjour Tristesse".

Num elenco de primeira linha, encabeçado por David Niven e Deborah Kerr, um dos nomes que se destacam é o da jovem Jean Seberg, na época com apenas 20 anos.
 
CAA