Filmes por gênero

OSCAR E LUCINDA (1997)

Oscar and Lucinda
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Oscar et Lucinda (França)
Oscar y Lucinda (Espanha, Argentina)
Pais: Estados Unidos, Austrália, Reino Unido
Gênero: Drama
Direção: Gillian Armstrong
Roteiro: Laura Jones
Produção: Robin Dalton, Timothy White
Design Produção: Luciana Arrighi
Música Original: Thomas Newman
Fotografia: Geoffrey Simpson
Edição: Nicholas Beauman
Direção de Arte: Tom Nursey, John Wingrove
Figurino: Janet Patterson
Guarda-Roupa: Jane Johnston, Marion Weise, Nigel Egerton e outros
Maquiagem: Kirsten Veysey, Peter Owen, Nikita Rae, Paul Gooch
Efeitos Sonoros: Ben Osmo, Andrew Plain, Gethin Creagh e outros
Efeitos Especiais: Steve Courtley, Jenny O'Connell, Kim Hilder e outros
Efeitos Visuais: Anthos Simon, Peter Doyle, Roger Cowland e outros
Nota: 6.7
Filme Assistido em: 2000

Elenco

Ralph Fiennes Oscar Hopkins
Cate Blanchett Lucinda Leplastrier
Ciarán Hinds Reverendo Dennis Hasset
Tom Wilkinson Hugh Stratton
Richard Roxburgh Sr. Jeffries
Clive Russell Theophilus
Bille Brown Percy Smith
Josephine Byrnes Miriam Chadwick
Barry Otto Jimmy D'Abbs
Linda Bassett Betty Stratton
Polly Cheshire Lucinda, jovem
Gillian Jones Elizabeth Leplastrier
Robert Menzies Abel Leplastrier
Adam Hayes Oscar, jovem
James Tingey Oscar, aos 13 anos
Sonia Ritter Fanny Drabble
Ron Blanchard Capitão do navio
Colin Taylor Frazer
Andrea Moore Srta. Shaddock
Norman Kaye Bispo Dancer
Lucy Bell Srta. Mary Hasset
Fiona Press Sra. Trevis

Prêmios

Instituto Australiano de Cinema

Prêmio de Melhor Fotografia

Prêmio de Melhor Figurino

Prêmio de Melhor Design de Produção

Prêmio de Melhor Som

Prêmio de Melhor Trilha Sonora Original

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Figurino

Instituto Australiano de Cinema

Prêmio de Melhor Roteiro Adaptado

Prêmio de Melhor Atriz (Cate Blanchett)

Sinopse

No Século XIX, Oscar Hopkins é um homem de formação religiosa que adora a jogatina, apesar de não dar tanta importância para o dinheiro.  Lucinda Leplastrier é uma arrojada australiana que possui uma fábrica de vidros, e cuja natureza independente colide com a sociedade conservadora da qual faz parte.

Oscar embarca num navio com destino à Sydney, Austrália, onde espera mudar de vida e exercer o ministério.  Lucinda, que está retornando da Inglaterra, onde fora comprar equipamentos para sua fábrica, também embarca no mesmo navio.

Depois de se conhecerem e descobrirem sua afinidade pelo jogo, eles desenvolvem uma amizade que se torna cada vez mais forte.  Oscar termina se apaixonando por ela, mas acredita que ela está apaixonada por seu amigo, o Reverendo Hasset, que está sendo transferido para uma das mais inóspitas regiões da Austrália.

Num esforço para provar seu amor, Oscar sugere que eles enviem uma igreja de vidro, montada na fábrica de Lucinda, para a Congregação de Hasset.  Ela acha a idéia maluca.  Assim, ele aposta que o transporte pode ser feito, via fluvial, e que ele acompanhará a carga para garantir que tudo saia bem.

Às vésperas da viagem, os dois declaram seus sentimentos, um pelo outro, e se beijam à luz do luar.  Lucinda pede, então, que ele não vá, mas ele acha que essa missão é uma forma dele se redimir de sua vida pecaminosa.

Decidido, ele embarca nessa viagem que termina não saindo como inicialmente planejada.

imagem imagem imagem

Comentários

Baseado no 'bestseller' de Peter Carey, "Oscar e Lucinda" é um bom drama sobre um casal apaixonado e marginalizado pelo amor que ambos têm pelo jogo.  Realizado pela talentosa diretora australiana,  Gillian Armstrong, o filme apresenta algumas cenas memoráveis, como aquelas que se passam na igreja flutuante.  Aliás, o aspecto religioso contido no mesmo é bastante interessante.

A fotografia de Geoffrey Simpson é simplesmente magnífica, assim como, a trilha sonora de Thomas Newman.  O figurino também é um ponto forte do filme, perfeitamente em linha com a época em que se desenvolve a história.

Cate Blanchett e Ralph Fiennes estão fabulosos nos papéis-título.  A química entre eles é perfeita, a ponto de passarem a idéia de que não estão representando.
 
CAA