Filmes por gênero

DARLING - A QUE AMOU DEMAIS (1965)

Darling
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Darling chérie (França)
Kultaseni (Finlândia)
Дорогая (União Soviética)
Pais: Reino Unido
Gênero: Drama, Romance
Direção: John Schlesinger
Roteiro: Frederic Raphael
Produção: Joseph Janni, Victor Lyndon
Música Original: John Dankworth
Direção Musical: John Dankworth
Fotografia: Kenneth Higgins
Edição: Jim Clark
Direção de Arte: Ray Simm
Figurino: Julie Harris
Guarda-Roupa: Rebecca Breed
Maquiagem: Bob Lawrance
Efeitos Sonoros: John Aldred, Malcolm Cooke, Peter Handford
Nota: 8.7
Filme Assistido em: 1968

Elenco

Julie Christie Diana Scott
Laurence Harvey Miles Brand
Dirk Bogarde Robert Gold
José Luis de Vilallonga Príncipe Cesare della Romita
Roland Curram Malcolm
T.R. Bowen Tony Bridges
Basil Henson Alec Prosser-Jones
Helen Lindsay Felicity Prosser-Jones
Carlo Palmucci Curzio della Romita
Dante Posani Gino
Umberto Raho Palucci
Alex Scott Sean Martin
Ernest Walder Kurt
Brian Wilde Willett
Pauline Yates Estelle Gold
Peter Bayliss Lord Grant
Richard Bidlake Rupert Crabtree
Annette Carell Billie Castiglione
Jean Claudio Raoul Maxim
Georgina Cookson Carlotta Hale
James Cossins Basildon
Jane Downs Julie
Sidonie Bond Gillian
Tyler Butterworth William Prosser-Jones
Silvia Dionisio Filha do Príncipe Cesare della Romita
Frank Shelley Padre Norton
Hugo Dyson Matthew Southgate
Ann Firbank Sybil Martin
Margaret Gordon Helen Dawlish
David Harrison Charles Glass
Jane Pearl Jane
Irene Richmond Sra. Glass
John Schlesinger Diretor do Teatro
John Woodvine Oficial da Alfândega
Helen Stirling Governanta da família de Cesare

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Atriz (Julie Christie)

Oscar de Melhor Roteiro Original (Frederic Raphael)

Oscar de Melhor Figurino em Branco e Preto (Julie Harris)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro de Língua Inglesa

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Ator Britânico (Dirk Bogarde)

Prêmio de Melhor Atriz Britânica (Julie Christie)

Prêmio de Melhor Direção de Arte Britânica (Ray Simm)

Prêmio de Melhor Roteiro Britânico (Frederic Raphael )

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Atriz em um Drama (Julie Christie)

Associação dos Jornalistas Críticos de Cinema do México

Prêmio Deusa de Prata de Melhor Atriz Estrangeira (Julie Christie)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Direção (John Schlesinger)

Prêmio de Melhor Atriz (Julie Christie)

Grêmio dos Roteiristas da Grã Bretanha

Prêmio de Melhor Roteiro Britânico de uma Comédia (Frederic Raphael)

Prêmio de Melhor Roteiro Britânico (Frederic Raphael)

National Board of Review, USA

Prêmio NBR de Melhor Direção (John Schlesinger)

Prêmio NBR de Melhor Atriz (Julie Christie)

Prêmio NBR dos 10 Melhores Filmes

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme (Joseph Janni)

Oscar de Melhor Direção (John Schlesinger)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Direção (John Schlesinger)

Prêmio de Melhor Atriz em um Drama (Julie Christie)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Fotografia Britânica (Kenneth Higgins)

Prêmio de Melhor Filme Britânico (John Schlesinger)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (John Schlesinger)

Festival Internacional de Cinema de Moscou, Rússia

Grand Prix (John Schlesinger)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Diana Scott é uma jovem e bela modelo casada com o imaturo Tony Bridges. Certo dia, ela conhece Robert Gold, um jornalista de televisão que está, com sua equipe, entrevistando jovens sobre suas opiniões em relação às convenções. Convidada a assistir à edição final da matéria nos estúdios da televisão, ela aceita o convite e, ao chegar lá, os dois se apaixonam, largam seus respectivos cônjuges e se mudam para um apartamento.

No entanto, ao ver Robert ao lado da esposa, quando ele vai visitar seus filhos, Diana fica com ciúmes e aceita o convite de Miles Brand, um poderoso executivo que lhe oferece uma participação em um filme de suspense, depois que ela faz sexo com ele. Robert, que prefere uma vida mais tranquila, fica com ciúmes e cada vez mais distante, deprimido e solitário.

Após a estreia do filme, Diana informa Robert que se acha grávida. Inicialmente, ambos se mostram satisfeitos e desejam a criança, mas pouco tempo depois ela decide fazer um aborto. No entanto, ao se recuperar na casa de campo de sua irmã, Diana aceita o convite de Miles e segue com ele até Paris, onde ela se envolve com o fotógrafo homosexual, Malcolm, que a leva para a Itália a fim de participar de alguns comerciais.

Uma vez lá, ao conhecer o príncipe Cesare della Romita, um viúvo com seis filhos, ele lhe propõe casamento, mas ela o rejeita, enquanto ele mantém seu pedido em aberto. Ao retornar para Londres, Diana volta a morar no apartamento que compartilhara com Robert, onde dá uma festa com Miles e outras pessoas ligadas à mídia. Ao se encontrar com Robert, os dois passam a noite juntos e, na manhã seguinte, depois de terem feito amor, ele lhe diz que não quer mais nada com ela e que a enganou apenas como um ato de vingança.

Em seguida, depois de reservar um lugar para ela num voo para Roma, ele a coloca em seu carro e a leva até o aeroporto de Heathrow para mandá-la de volta à sua vida como Princesa Della Romita. Depois que é perseguida pela imprensa, que se dirige à ela como princesa, Diana embarca no avião, onde chora ao sentir sua vida abastada, porém vazia.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta John Schlesinger, a partir de um roteiro escrito por Frederic Raphael, “Darling – A Que Amou Demais”, é um excelente filme britânico produzido pelas empresas Joseph Janni Production, Vic Films Productions e Appia Films Ltd., em 1965. Sua trama conta a história de uma linda e ambiciosa modelo que, para atingir seus objetivos, se envolve sexualmente com diversos homens.

Na direção, Schlesinger, demonstrando mais uma vez seu completo domínio da câmera, nos brinda com mais um belo trabalho. Merecem igualmente elogios, o excelente roteiro, assinado por Frederic Raphael, a ótima fotografia, em preto e branco, a cargo de Kenneth Higgins, e o bem cuidado figurino de Julie Harris.

No elenco, Julie Christie brilha no papel da modelo Diana Scott, seguida pelas ótimas atuações de Dirk Bogarde e Laurence Harvey.

CAA