Filmes por gênero

O PODER DA SEDUÇÃO (1994)

The last seduction
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: A última sedução (Portugal)
Last Seduction (França)
L'ultima seduzione (Itália)
La última seducción (Espanha)
Die letzte Verführung (Alemanha)
En kvinnas list (Suécia)
Ostatnie uwiedzenie (Polônia)
Последнее соблазнение (Rússia)
Pais: Estados Unidos, Reino Unido
Gênero: Suspense, Crime
Direção: John Dahl
Roteiro: Steve Barancik
Produção: Jonathan Shestack
Design Produção: Linda Pearl
Música Original: Joseph Vitarelli
Direção Musical: Jennifer Pyken, Karyn Rachtman
Fotografia: Jeff Jur
Edição: Eric L. Beason
Direção de Arte: Dina Lipton
Figurino: Terry Dresbach
Guarda-Roupa: Susan Michalek, Linda S. Cormany
Maquiagem: Camille Henderson, Karen Dahl
Efeitos Sonoros: Jon Johnson, Howard Neiman, Robert Harman, Brian Slack e outros
Efeitos Especiais: John C. Harting, Derek Ross Hunt
Nota: 8.2
Filme Assistido em: 1995

Elenco

Linda Fiorentino Bridget Gregory
Bill Pullman Clay Gregory
Michael Raysses Representante de Vendas de Telefones
Zack Phifer Frentista do Posto de Gasolina
Peter Berg Mike Swale
Brien Varady Chris
Dean Norris Shep
Donna Wilson Stacy
Mik Scriba Ray
J. T. Walsh Frank Griffith
Herb Mitchell Bob Trotter
Bill Nunn Detetive Harlan
Renée Rogers Recepcionista
Walter Addison Detetive
Anne Flanagan Enfermeira
Mike Lisenco Bert
Serena Trish Swale
Michelle Davison Operadora do 911
Jack Shearer Defensor Público

Prêmios

Círculo de Críticos de Cinema de Londres, Inglaterra

Prêmio Atriz do Ano (Linda Fiorentino)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Atriz (Linda Fiorentino)

Prêmios Empire, Reino Unido

Prêmio Empire de Melhor Atriz (Linda Fiorentino)

Prêmios Independent Spirit, California, Estados Unidos

Prêmio Independent Spirit de Melhor Atriz (Linda Fiorentino)

Associação de Críticos de Cinema de Los Angeles, EUA

Prêmio Nova Geração (John Dahl)

Sociedade dos Críticos de Cinema do Texas, EUA

Prêmio de Melhor Atriz (Linda Fiorentino)

Festival Cognac do Cinema Policial, Cognac, França

Prêmio da Crítica (John Dahl)

Indicações

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Atriz (Linda Fiorentino)

Sociedade dos Críticos de Cinema de Boston

Prêmio de Melhor Atriz (Linda Fiorentino)

Associação dos Críticos de Cinema de Chicago

Prêmio de Melhor Atriz (Linda Fiorentino)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (John Dahl)

Prêmios Edgar Allan Poe

Prêmio de Melhor Filme (Steve Barancik )

Sociedade Nacional dos Críticos de Cinema dos Estados Unidos

Prêmio de Melhor Atriz (Linda Fiorentino)

Associação dos Críticos de Cinema do Sudeste, Estados Unidos

Prêmio de Melhor Filme

Prêmios Chlotrudis - Massachusetts, USA

Prêmio Chlotrudis de Melhor Atriz (Linda Fiorentino)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Morando em Nova York e casada com o médico Clay Gregory, Bridget Gregory é uma mulher linda, sedutora e inteligente.  Ambiciosa, persuade o marido a vender cocaína medicinal para um distribuidor de drogas, o que rende ao casal cerca de US$ 1 milhão.

Com o dinheiro em casa, ela o apanha e foge em direção à Chicago.  Ao passar pela pequena cidade de Beston, pára num Posto de Serviço para abastecer seu carro e beber alguma coisa.  No Bar, encontra Mike Swale, um perito em seguros, que acaba de retornar à cidade, depois de ter tido uma desilusão amorosa em Buffalo.  Os dois conversam e terminam num motel.

Na manhã seguinte, ela lê no jornal local um anúncio da Empresa Interstate Insurance, procurando por um gerente de Departamento.  Ela vai até lá, é entrevistada e consegue um contrato por seis meses.  Na oportunidade, expõe ao Diretor, Bob Trotter, que não pode usar seu verdadeiro nome, pois se acha fugindo do marido, após ter sido barbaramente espancada por ele.  Assim, é registrada com o nome de Wendy Kroy.  Ao sair da sala de Trotter, dá de cara com Mike.

Enquanto isso, em Nova York, seu marido contrata Harlan, um detetive particular, com o intuito de localizá-la através do rastreamento de eventuais ligações telefônicas.  Depois de algum tempo, eles descobrem que ela se acha em Beston, para onde viaja o detetive.  Uma vez lá, Harlan a surpreende ao entrar em seu carro.  Perguntada sobre o dinheiro, ela responde que o mesmo está em sua casa e, sabendo que o veículo só tem 'air-bag' para o motorista, joga o carro contra um obstáculo, matando o detetive e se ferindo levemente.

Na cidade, continua a sair com Mike.  Certo dia, ela vai até Buffalo descobrir Trish Swale, a mulher com quem Mike se casara e tivera a desilusão.  Para sua surpresa, Trish é um transexual.  Em seguida, envia uma carta para Mike, em nome de Trish, dizendo-lhe que vai se encontrar com ele em Beston.  Mike entra em pânico, pois não quer que seus amigos saibam sobre esse seu caso.

Sedutora e sabendo do estado em que se encontra Mike, face à possível chegada de Trish à Beston, ela o convence a ir à Nova York assassinar um tal de Cahill, alegando que sua esposa está disposta a pagar US$ 3 milhões pelo serviço, quantia que permitiria aos dois começar uma vida nova longe dali.

Tudo combinado, os dois seguem para Nova York.  Diante do apartamento do tal Cahill, ela pede a Mike que, depois de terminar o serviço, apague as luzes como um sinal para ela.  Uma vez no apartamento, o jovem consegue amarrar a vítima numa cadeira, mas não tem coragem de matá-la.  Na conversa que mantém com seu prisioneiro, descobre que o mesmo não se chama Cahill e sim Clay Gregory, marido de Bridget, que está se fazendo passar por Wendy.  Descobre, ainda, que ela o está usando para se livrar do marido e ficar com a fortuna que dele roubara.

Os dois combinam apagar a luz para que ela suba e seja desmascarada.  Ao chegar lá, ela observa o que está ocorrendo e, sem perder tempo, mata o marido.  Sem que Mike note, ela faz uma ligação para o 911, deixa o telefone ligado e começa a simular um estupro.

A polícia chega ao local e prende Mike, acusando-o de assassinato e estupro.  Enquanto isso, livre do marido, Bridget começa a gastar a fortuna que guarda consigo.

imagem

Comentários

"O Poder da Sedução" é um ótimo 'thriller' no estilo dos filmes-noir dos anos 40.  Realizado pelo cineasta John Dahl, o filme gira em torno de uma bela mulher que se aproxima de um homem com o fim de seduzi-lo e induzi-lo a matar seu marido, a fim dela ficar livre para gastar uma verdadeira fortuna.

Partindo de um roteiro muito bem estruturado e engenhoso, assinado por Steve Barancik, Dahl apresenta um bom trabalho, conseguindo imprimir um ótimo ritmo do início ao fim.  A trilha sonora de Joseph Vitarelli é bem adequada.

No elenco, Linda Fiorentino é o grande nome a ser destacado.  Ela é a locomotiva que faz a trama andar.  Bill Pullman e Bill Nunn estão ótimos, enquanto Peter Berg não se mostra tão bem.

Embora inferior, a trama lembra as de "Pacto de Sangue", de Billy Wilder, 1944, com a magnífica Barbara Stanwyck, e de "Corpos Ardentes", de Lawrence Kasdan, 1981.

CAA