Filmes por gênero

O SOL TORNARÁ A BRILHAR (1961)

A raisin in the sun
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Um cacho de uvas ao sol (Portugal)
Un raisin au soleil (França)
Un Grappolo di sole (Itália)
Un lunar en el sol (Espanha)
El sol brilla para todos (México)
Ein Fleck in der Sonne (Alemanha, Austria)
Sort solskin (Dinamarca)
Изюминка на солнце (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama
Direção: Daniel Petrie
Roteiro: Lorraine Hansberry
Produção: David Susskind, Ronald H. Gilbert, Philip Rose
Música Original: Laurence Rosenthal
Fotografia: Charles Lawton Jr.
Edição: William Lyon, Paul Weatherwax
Direção de Arte: Carl Anderson
Maquiagem: Ben Lane
Efeitos Sonoros: George Cooper, Charles J. Rice
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1962

Elenco

Sidney Poitier Walter Lee Younger
Claudia McNeil Lena Younger
Ruby Dee Ruth Younger
Diana Sands Beneatha 'Bernie' Younger
Ivan Dixon Asagai
John Fiedler Mark Lindner
Louis Gossett Jr. George Murchison
Stephen Perry Travis Younger
Joel Fluellen Bobo
Louis Terrel Herman
Roy Glenn Willie Harris
Thomas Jones Motorista
Rudolph Monroe Taxista
Ray Stubbs Barman
Bob Sweeney Agente da Companhia de Seguros
George DeNormand Empregador

Prêmios

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio Gary Cooper (Daniel Petrie)

National Board of Review, USA

Prêmio NBR de Melhor Atriz Coadjuvante (Ruby Dee)

Indicações

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Ator Estrangeiro (Sidney Poitier)

Prêmio de Melhor Atriz Estrangeira (Claudia McNeil)

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio Palma de Ouro (Daniel Petrie)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Ator em um Drama (Sidney Poitier)

Prêmio de Melhor Atriz em um Drama (Claudia McNeil)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Daniel Petrie)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro de um Drama Americano (Lorraine Hansberry)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

 Walter Lee Younger é um motorista negro, de 35 anos, que trabalha para um rico empresário.  Casado com Ruth há 11 anos, vive num espremido apartamento em Chicago, juntamente com o filho Travis, a irmã Bernie, que estuda medicina, e a mãe viúva, Lena, proprietária do imóvel.

O sonho de Walter é conseguir US$ 10 mil para se associar a dois amigos, Willie Harris e Bobo, a fim dos três abrirem um lucrativo negócio na área de distribuição de bebidas.

A matriarca da família, Lena, está para receber exatamente um cheque de US$ 10 mil proveniente do seguro de vida do marido morto, mas não admite que tal importância seja usada para negócios ligados a bebidas ou a qualquer outro tipo de vício.

As dificuldades financeiras por que passa a família são motivos de constantes desentendimentos entre eles, principalmente entre Walter, sua mulher e sua irmã.  Em conversa com a sogra, Ruth desmaia e Lena desconfia de que se trata de gravidez, o que vem a ser depois confirmado.  A relação entre o casal torna-se ainda mais difícil.

No Clube Kitty Kat, onde Walter costuma beber, Willie e Bobo lhe comunicam que já conseguiram suas partes, ou seja, US$ 20 mil, ocasião em que Walter garante que vai trazer sua parte dentro de poucos dias.

Quando, finalmente, Lena recebe o seguro deixado pelo marido, Walter tenta pegar o cheque, mas a mãe o impede.  Furioso, ele bate a porta e vai se embebedar.  Nesse ínterim, Lena sai e ao voltar comunica à família que acaba de comprar uma boa casa, com três quartos, jardim e quintal.  A grande surpresa é que o imóvel acha-se localizado em Claybourne Park, um bairro onde só moram famílias brancas.  O telefone toca e informam que Walter não comparece ao trabalho há três dias e que, se ele não for trabalhar no dia seguinte, será demitido pelo patrão.

Numa demonstração de extrema confiança, Lena procura o filho no Bar e, reservadamente, lhe diz que, daquele dia em diante, ele passará a ser o chefe da família.  Na ocasião, diz que o sinal pago pela casa foi de US$ 3.500, que ela quer que ele abra uma poupança de US$ 3.000 para financiar o curso de medicina de Bernie e que, o restante é para que ele abra uma conta corrente em seu nome. Assim, todas as decisões e movimentações financeiras passam a ser de responsabilidade dele.

O Sr. Mark Lindner, representante da Associação Claybourne Park, procura a família para oferecer US$ 30 mil pela casa, pois os moradores não aceitam pessoas de cor, mas o orgulho dos Younger faz com que ele seja escorraçado de lá.

No dia seguinte, Bobo vai ao apartamento deles informar que Willie Harris desapareceu com o dinheiro deles.  Desolado, Walter confessa aos seus que dera a Willie os US$ 6.500 recebidos da mãe.  É quando Ruth diz que a prestação da nova casa será de US$ 125 por mês e que, os quatro adultos da família, juntos, terão condições de levantar essa quantia se trabalharem com afinco.

imagem

Comentários

Baseado numa peça homônima de Lorraine Hansberry, "O Sol Tornará a Brilhar" é um ótimo filme.  Realizado pelo cineasta canadense Daniel Petrie, sua história gira em torno de uma família pobre e negra de Chicago, com seus sonhos, orgulho, sacrifícios, erros e acertos.  A trama toca ainda em temas como racismo, aborto, ateísmo e valores familiares.

Petrie realiza um ótimo trabalho na direção, assim como, Lorraine Hansberry, ao conseguir adaptar para o cinema a peça que havia escrito para a Broadway.  A influência da peça teatral faz com que cerca de 95% do filme seja rodado dentro do pequeno apartamento da família Younger.  O diálogo é inteligente e, às vezes, profundo.

No elenco, Sidney Poitier nos apresenta um grande trabalho no papel do frustrado Walter Lee.  No papel da matriarca da família, Claudia McNeil está impecável, roubando a maioria das cenas em que aparece.  Merecem, ainda, ser destacadas as ótimas atuações de Ruby Dee e Diana Sands.

CAA