Filmes por gênero

MINHA SECRETÁRIA (1995)

Nelly & Monsieur Arnaud
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Nelly e Mr. Arnaud (Itália)
El placer de estar contigo (Argentina)
Nelly och herr Arnaud (Suécia)
Nelly og Hr. Arnaud (Dinamarca)
Nelly ja herra Arnaud (Finlândia)
Nelly i pan Arnaud (Polônia)
Нелли и месье Арно (Rússia)
Pais: França, Itália, Alemanha
Gênero: Drama
Direção: Claude Sautet
Roteiro: Jacques Fieschi, Claude Sautet, Yves Ulmann
Produção: Alain Sarde
Design Produção: Carlos Conti
Música Original: Philippe Sarde
Fotografia: Jean-François Robin
Edição: Jacqueline Thiédot
Direção de Arte: Alain Pitrel, Maya Wendling
Figurino: Catherine Bouchard
Maquiagem: Marie Lastennet
Efeitos Sonoros: Pierre Lenoir, Jean-Paul Loublier
Nota: 8.4
Filme Assistido em: 1996

Elenco

Emmanuelle Béart Nelly
Michel Serrault Sr. Pierre Arnaud
Jean-Hugues Anglade Vincent Granec
Claire Nadeau Jacqueline
Françoise Brion Lucie
Michèle Laroque Isabelle
Charles Berling Jerôme
Jean-Pierre Lorit Christophe
Michael Lonsdale Dolabella
Michel Albertini Djamel
Coraly Zahonero Marianne
Graziella Delerm Laurence
Olivier Pajot Jean-Marc
Alexandre Chappuis Luc
Karine Foviau Sandrine
Sylvie Jobert Valerie
Janine Souchon Maria
Judith Vittet Benedicte
Mathilde Vitry Juiza
Suzy Marquis Madame Toux

Prêmios

Prêmios César - Academia das Artes do Cinema, França

César de Melhor Direção (Claude Sautet)

César de Melhor Ator (Michel Serrault)

Prêmios David di Donatello, Itália

David de Melhor Filme Estrangeiro (Claude Sautet)

Sindicato Francês dos Críticos de Cinema, França

Prêmio de Melhor Filme (Claude Sautet)

Prêmios Lumière, França

Prêmio Lumière de Melhor Ator (Michel Serrault)

Prêmios Louis Delluc, França

Prêmio Louis Delluc (Claude Sautet)

Indicações

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme em Língua não Inglesa (Alain Sarde, Claude Sautet)

Prêmios César - Academia das Artes do Cinema, França

César de Melhor Atriz (Emmanuelle Béart)

César de Melhor Ator Coadjuvante (Jean-Hugues Anglade)

César de Melhor Ator Coadjuvante (Michael Lonsdale)

César de Melhor Atriz Coadjuvante (Claire Nadeau)

César de Melhor Filme (Claude Sautet)

César de Melhor Roteiro (Claude Sautet, Jacques Fieschi )

César de Melhor Música (Philippe Sarde)

César de Melhor Som (Pierre Lenoir, Jean-Paul Loublier )

César de Melhor Edição (Jacqueline Thiédot )

Prêmios David di Donatello, Itália

David de Melhor Ator Estrangeiro (Michel Serrault)

David de Melhor Atriz Estrangeira (Emmanuelle Béart)

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata Européia (Claude Sautet)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Diretor de Filme Estrangeiro (Claude Sautet)

Festival Internacional de Valladolid, Espanha

Prêmio Espiga de Ouro (Claude Sautet)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em Paris, uma jovem mulher, Nelly, e seu marido Jerôme vivem uma crise conjugal marcada pelo desemprego e altas dívidas. Preocupada, ela se esforça para conseguir um novo trabalho, mesmo que seja provisório, como no caso em que aceitou ser assistente em uma padaria. Para ela, o importante é conseguir trazer algum dinheiro para casa. Ao contrário, Jerôme, há mais de um ano desempregado, passa seus dias assistindo televisão, raramente saindo de casa.

Certo dia, convidada por Jacqueline, sua melhor amiga, Nelly vai a um Café, onde é apresentada a Pierre Arnaud, um juiz aposentado que teria sido amante da amiga. Embora mais velho, Arnaud ainda se acha atraente, elegante e com um charme inegável. Depois de uma breve conversa, ao descobrir as dificuldades financeiras por que passa Nelly, ele lhe oferece um empréstimo de 30.000 francos para que ela possa quitar suas dívidas. Inicialmente, ela recusa a ajuda, mas termina aceitando-a quando ele lhe diz que, em troca, ela escreverá as memórias dele em seu computador para serem posteriormente publicadas pelo editor Vincent Granec.

O trabalho é iniciado com ela transcrevendo as notas ditadas por ele ao longo de várias horas por dia. À medida que o tempo passa, fica claro que ele não lhe está pagando para que seja apenas sua assistente, mas também uma companheira e confidente pessoal. No entanto, o passado exótico de Arnaud a intriga. Seu interesse mantém-se focado no trabalho pelo qual está sendo paga. Quando ele decide liquidar sua coleção de livros raros, ela o coloca em contato com Christophe, um amigo bibliotecário muito competente.

Com o passar do tempo, Nelly aprende a conhecer melhor seu empregador. Perspicaz e rude, ele tem relações distantes com sua filha, Isabelle, e com sua ex-mulher, Lucie, que se casou novamente e se estabeleceu na Suíça. No entanto, ele se deixa extorquir freqüentemente por Dolabella, um parasita covarde e traiçoeiro. Confidencialmente, ele explica que, no passado, os dois foram parceiros e que, para puni-lo por uma indelicadeza, ele conscientemente destruiu sua reputação e arruinou sua carreira, uma maldade pela qual até hoje não se perdoa.

Por outro lado, as relações entre Nelly e Jerôme se tornam cada vez mais distantes e o casal termina se divorciando. Em seguida, ela se deixa cortejar pelo editor Vincent, causando acessos de ciúme e agressividade em Arnaud. No entanto, como Nelly não se sente disposta a assumir um relacionamento mais sério, decepcionado, Vincent toma a iniciativa de se afastar. Por outro lado, quando Jerôme consegue um novo trabalho e outra companheira, atormentada, Nelly pede a Arnaud para hospedá-la naquela noite.

No dia seguinte, ao ouvir uma voz feminina no apartamento, Nelly descobre que se trata de Lucie, que, tendo perdido seu segundo marido, veio procurar consolo ao lado de Arnaud, que aceitou acompanhá-la em uma grande viagem em volta do mundo. Tudo indica que sua decisão foi devida ao seu desejo de escapar da constante tentação que Nelly representa para ele. Para ela, no entanto, tal fato é mais um fracasso de sua parte. Apesar de seu mau caráter, Arnaud se tornou para ela o mais precioso dos amigos.

imagem

Comentários

Último filme realizado pelo cineasta francês Claude Sautet, “Minha Secretária” é um ótimo drama de meados dos anos 1990. Sua trama fala de um amor platônico, aqui considerado mais forte que o carnal.

Seguindo um roteiro bastante clássico, mais uma vez, Sautet confirma sua fama de ser um grande diretor de atores. Emmanuelle Béart e, principalmente, Michel Serrault, nos brindam com magníficas atuações.

Enfim, embora apresentando às vezes um ritmo um pouco lento, “Minha Secretária” é, sem dúvida, um grande filme com um senso de enquadramento notável e atores soberbos.

CAA