Filmes por gênero

EU VOS SAÚDO, MARIA (1985)

Je vous salue, Marie
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Yo te saludo, María (Espanha, Argentina)
Hail Mary (USA)
Maria und Joseph (Alemanha)
Terve, Maria (Finlândia)
Zdrowas Mario (Polônia)
Üdvözlégy, Mária! (Hungria)
Pais: França, Suíça, Reino Unido
Gênero: Drama
Direção: Jean-Luc Godard
Roteiro: Jean-Luc Godard
Fotografia: Jacques Firmann, Jean-Bernard Menoud
Edição: Anne-Marie Miéville
Efeitos Sonoros: François Musy
Nota: 8.1
Filme Assistido em: 1986

Elenco

Myriem Roussel Maria
Thierry Rode José
Philippe Lacoste Gabriel
Malachi Jara Kohan Jésus
Juliette Binoche Julieta
Manon Andersen A garotinha
Anne Gautier Eva
Johan Leysen O professor
Dick O cão
Serge Musy Garoto na sala de espera

Prêmios

Festival Internacional de Berlim, Alemanha

Prêmio Otto Dibelius (Jean-Luc Godard)

Prêmio OCIC (Jean-Luc Godard)

Indicações

Festival Internacional de Berlim, Alemanha

Prêmio Urso de Ouro (Jean-Luc Godard)

Prêmios César - Academia das Artes do Cinema, França

César de Melhor Filme Francês (Jean-Luc Godard)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Maria, uma jovem estudante, trabalha no Posto de Gasolina de seu pai e joga basquete por uma equipe local. Ela afirma ser virgem e mantém um relacionamento casto com o namorado, José, um taxista que abandonou seus estudos.

Quando um estranho, de nome Gabriel, lhe informa que ela vai engravidar e dar à luz um filho, apesar de permanecer virgem, ela fica chocada e confusa. Por outro lado, ao ser informado da situação, José não acredita nessa possibilidade. Gabriel intervém para que José aceite a gravidez de Maria, enquanto esta, através de uma série de meditações, termina por aceitar sua situação como sendo resultante da vontade de Deus.

Enquanto isso, uma jovem estudante de faculdade, de nome Eva, e um de seus professores, discutem sobre a vida como sendo fruto de uma inteligência superior, procurando fazer com que o caso de adultério que vivem se torne repleto de discussões filosóficas.

Algum tempo depois, José termina por aceitar Maria e o casal se casa. Esta o ensina a amá-la à distância, sem tocá-la. Assim, ele jura não pôr as mãos em sua mulher e passar a agir como sua sombra. Meses depois, com o nascimento da criança, que recebe o nome de Jesus, o casal passa a cuidar da mesma até que ela cresça e decida exercer a profissão do pai.

imagem

Comentários

Escrito e dirigido por um dos maiores ícones do cinema, Jean-Luc Godard, “Eu vos saúdo, Maria” é um filme tecnicamente bem feito, fato reconhecido pelo Festival Internacional de Berlim e pela Academia das Artes do Cinema Francês, que o indicou ao Prêmio Cesar de Melhor Filme Francófono. Seu grande problema, no entanto, está relacionado à sua trama, uma vez que trata da história de uma jovem do século XX, Maria, que trabalha num Posto de Gasolina, joga basquete num dos times de sua cidade, e fica grávida de Jesus, sem perder a virgindade. Para completar, casa-se com um homem de nome José, taxista, que promete não tocá-la.

Para mim fica clara a intenção do famoso cineasta procurar trazer para o nosso século a história da Família Sagrada. E, nesse contexto, chocam as diversas cenas de nudez, incluindo algumas de nu frontal, proporcionadas pela atriz Myriem Roussel, no papel de Maria, muito embora se saiba que se trata de uma jovem que trabalha num Posto de Serviços e que joga basquete, atividades completamente desconhecidas na época em que viveu a Sagrada e Virgem Maria.

Na época de seu lançamento, o então Papa João Paulo II fez duras críticas ao filme por ofender profundamente os sentimentos religiosos. A reação popular na França, por exemplo, fez com que esse filme fosse visto por apenas 350.000 pessoas em todo o País.

CAA