Filmes por gênero

BARBARELLA (1968)

Barbarella
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Barbarela (Portugal)
Barbarella: Queen of the Galaxy (Estados Unidos)
Barbarella, la Venus del espacio (Espanha)
Barbarella, planeettojen valtiatar (Finlândia)
Barbarella, rumpigen og den sorte tyran (Dinamarca)
Барбарелла (União Soviética)
Pais: França, Itália
Gênero: Aventura, Ficção Científica, Comédia, Fantasia
Direção: Roger Vadim
Roteiro: Roger Vadim, Terry Southern
Produção: Dino De Laurentiis
Design Produção: Mario Garbuglia
Música Original: Charles Fox
Direção Musical: Bob Crewe
Fotografia: Claude Renoir
Edição: Victoria Mercanton
Figurino: Paco Rabanne, Jacques Fonteray
Guarda-Roupa: Gloria Musetta
Efeitos Sonoros: David Hildyard
Efeitos Especiais: Augie Lohman, Gérard Cogan, Thierry Vincens-Fargo
Efeitos Visuais: Charles Staffell
Nota: 6.5
Filme Assistido em: 1969

Elenco

Jane Fonda Barbarella
John Phillip Law Pygar
Anita Pallenberg A grande Tirana
Milo O'Shea Durand-Durand
Marcel Marceau Professor Ping
Claude Dauphin Presidente da Terra
Véronique Vendell Capitã Lua
Serge Marquand Capitão Sol
David Hemmings Dildano
Ugo Tognazzi Mark Hand
Catherine Chevallier Stomoxys
Marie Thérèse Chevallier Glossina
Antonio Sabato Jean-Paul
Sergio Ferrero Mensageiro da Rainha Negra
Fabienne Fabre A Mulher- Árvore
Susan Moren Escrava da Rainha
Janet McLeod Jovem em Sogo
Kitty Swan Jovem em Sogo
Fred Robsahm Assistente de Dildano
Chantal Cachin A revolucionária

Indicações

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Atriz em uma Comédia (Jane Fonda)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

No século 40, a astronauta Barbarella, em patrulha com sua nave em algum lugar do universo, é enviada pelo presidente da Terra para capturar o criminoso Durand-Durand que inventou uma arma num longínquo e desconhecido planeta, colocando em perigo a paz da galáxia, onde há séculos não existem mais guerras.

Ao pousar no planeta Lythion, Barbarella é atacada por bonecos carnívoros manipulados por duas gêmeas. Mark Hand, um caçador, a resgata e lhe revela que Durand-Durand encontra-se na cidade de Sogo. Em agradecimento, Barbarella faz amor com ele da maneira “antiquada”, que há muito tempo foi substituída na Terra por pílulas especiais.

Com a ajuda de Pygar, cuja vontade de voar é restaurada por Barbarella, durante uma sessão de terapia sexual, os dois seguem para Sogo, onde são capturados pela Rainha Tirana e seu auxiliar. Pygar é submetido a uma falsa crucificação e depois seduzido pela rainha, enquanto Barbarella escapa de ser atacada até a morte por centenas de aves.

Dildano, um humano residente em Sogo, seu salvador e chefe de um grupo de revolucionários locais, concorda em ajudá-la a encontrar Durand-Durand. Em troca, ela lhe mostra como fazer amor com o toque dos dedos, sob a influência das pílulas especiais.

Pouco tempo depois, Barbarella é recapturada pelo criminoso Durand-Durand, que a coloca numa máquina do sexo destinada a matar de prazer os que nela são colocados. No entanto, seu vigor faz com que a máquina exploda todos os seus fusíveis. Durand-Durand tenta, então, destruir a Rainha Negra, mas ela revida liberando a substância viscosa que cerca a cidade e se alimenta de seu mal.

Enquanto Sogo desintegra-se ao redor deles, Pygar agarra Barbarella e a Rainha Negra, em seus braços, e voa com elas. Quando Barbarella lhe pergunta por que ele resolveu salvar a malvada, mas sedutora Rainha, ele sorri maliciosamente e diz: "Um anjo não tem memória".

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Roger Vadim, a partir de um roteiro escrito por ele, juntamente com Terry Southern, “Barbarella” é uma produção franco-italiana produzida pelas empresas Marianne Productions S.A. – Paris, e Dino de Laurentiis Cinematografica – Roma, em 1968. Sua trama é uma adaptação de um livro em quadrinhos escrito por Jean-Claude Forest.

Na direção, Vadim realiza um trabalho apenas razoável, marcado por um ritmo lento e por sua mania de desnudar suas atrizes, como já havia feito com Brigitte Bardot, em “E Deus Criou a Mulher”, de 1956. Agora, aos 31 anos de idade, na época sua esposa, Jane Fonda foi por ele despida. Por outro lado, a fotografia em Panavision, assinada por Claude Renoir, é de muito boa qualidade.

No elenco, Jane Fonda brilha no papel principal, seguida pelas boas atuações de John Phillip Law e Anita Pallenberg.

CAA