Filmes por gênero

NÓS QUE NOS AMÁVAMOS TANTO (1974)

C'eravamo tanto amati
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Tão amigos que nós éramos (Portugal)
Nous nous sommes tant aimés! (França)
We all loved each other so much (USA)
Una mujer y tres hombres (Espanha)
Nos habíamos amado tanto (Argentina)
Nos amábamos tanto (México)
Wir hatten uns so geliebt (Alemanha)
Vi som älskade varann så mycket (Suécia)
Мы так любили друг друга (União Soviética)
Pais: Itália
Gênero: Comédia, Drama
Direção: Ettore Scola
Roteiro: Ettore Scola, Agenore Incrocci, Furio Scarpelli
Produção: Pio Angeletti, Adriano De Micheli
Design Produção: Luciano Ricceri
Música Original: Armando Trovajoli
Direção Musical: Armando Trovajoli
Fotografia: Claudio Cirillo
Edição: Raimondo Crociani
Figurino: Luciano Ricceri
Guarda-Roupa: Antonio Randaccio
Maquiagem: Giulio Natalucci, Goffredo Rocchetti
Efeitos Sonoros: Vittorio Massi, Italo Cameracanna
Nota: 8.6
Filme Assistido em: 1975

Elenco

Nino Manfredi Antonio
Vittorio Gassman Gianni Perego
Stefania Sandrelli Luciana Zanon
Stefano Satta Flores Nicola Palumbo
Aldo Fabrizi Romolo Catenacci
Giovanna Ralli Elide Catenacci, filha de Romolo
Mike Bongiorno Ele próprio
Federico Fellini Ele próprio
Marcello Mastroianni Ele próprio
Nello Meniconi Ele próprio
Guidarino Guidi Ele próprio
Alfonso Crudele Edoardo
Isa Barzizza Elena
Marcella Michelangeli Gabriella
Livia Cerini Rosa
Elena Fabrizi Anna Catenacci, mulher de Romolo
Fiammetta Baralla Maria
Carla Mancini Lena
Lorenzo Piani Enrico
Amedeo Fabrizi Amedeo, filho de Romolo
Luciano Bonanni Torquato
Armando Curcio Palumbo

Prêmios

Prêmios César - Academia das Artes do Cinema, França

César de Melhor Filme Estrangeiro (Ettore Scola)

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Ator Coadjuvante (Aldo Fabrizi)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Roteiro (Ettore Scola, Furio Scarpelli, Agenore Incrocci)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Atriz Coadjuvante (Giovanna Ralli)

Festival Internacional de Cinema de Moscou, Rússia

Prêmio de Ouro (Ettore Scola)

Prêmios Globo D'Oro, Itália

Globo d'Oro de Melhor Revelação Masculina (Stefano Satta Flores)

Prêmios Cálices de Ouro, Itália

Prêmio Cálice de Ouro de Melhor Direção (Ettore Scola)

Prêmio Cálice de Ouro de Melhor Atriz (Stefania Sandrelli)

Indicações

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Direção (Ettore Scola)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Ator (Stefano Satta Flores)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Gianni, Antonio e Nicola participaram da Resistência italiana durante a 2ª guerra mundial, compartilhando tudo como irmãos. Terminada a guerra, em 1945, os três tomam rumos diferentes, voltando às suas regiões de origem: Gianni retorna à Pavia, no norte da Itália, Antonio à Roma, e Nicola à Nocera, no sul da Itália. Algum tempo depois, Antonio e Gianni apaixonam-se pela jovem Luciana e, através de seus relacionamentos, conta-se a história da Itália do pós-guerra, juntamente com suas esperanças e decepções.
 
Gianni, agora advogado assistente, muda-se para Roma e casa-se com a filha semianalfabeta de um magnata da construção civil, que conseguiu obter e manter boas conexões com a corrente democrática cristã que hegemonizou a vida pública e as licenças de construção na Itália do pós-guerra. Sua esposa, ressentida com sua ausência enquanto marido, tenta tornar-se aquilo que ele deseja, mas termina morrendo num acidente de automóvel, o qual talvez tenha sido uma forma elaborada de suicídio.
 
Antônio, técnico em enfermagem num hospital, permanece leal aos ideais da juventude, e é agora um fervoroso militante esquerdista.
 
Nicola, o mais intelectual dos três, deixa Nocera e a família e também se muda para Roma. Algum tempo depois, ele participa de um programa de perguntas e respostas apresentado por Mike Bongiorno. Após falhar na última pergunta, ele continua com sua vida ruim, do ponto de vista econômico, escrevendo artigos sobre cinema em jornais, tornando-se cada vez mais a caricatura de um intelectual perdido em polêmicas fúteis.
 
Três décadas após lutarem na Resistência italiana, os três amigos reúnem-se naquele mesmo restaurante que frequentaram na juventude, para uma última vez juntos comentarem o passado com amargura. Mais tarde, naquela noite, Nicola briga com Antonio por questões ideológicas e Gianni tenta apartar. Em seguida, os três amigos vão à entrada de uma escola pública, onde Luciana está tentando conseguir uma vaga para o filho menor. Nicola e Gianni surpreendem-se, mas Gianni percebe que perdeu a oportunidade de ser feliz, pois o amor que Luciana tivera por ele se foi e agora ela estava casada com Antonio. Durante uma briga, Gianni perde sua carteira de motorista e, no dia seguinte, Antonio, Nicola e Luciana tentam devolvê-la. Ao chegarem à vila em que ele mora, percebem que, apesar do altíssimo padrão de vida levado por Gianni, ele é de longe o menos afortunado deles.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Ettore Scola, a partir de um roteiro por ele escrito, juntamente com Agenore Incrocci e Furio Scarpelli, "Nós que nos amávamos tanto" é um ótimo filme italiano produzido em 1974. Sua trama gira em torno de três jovens que participaram da Resistência italiana, durante a 2ª Guerra Mundial, que voltam a se encontrar vários anos depois de terminada a guerra.
 
Na direção, Scola realiza um excelente trabalho, o que lhe rendeu os prêmios César de Melhor Filme Estrangeiro, promovido pela Academia de Artes do Cinema, da França, o Prêmio de Ouro do Festival Internacional de Moscou, além de uma indicação ao Prêmio Fita de Prata de Melhor Direção, do Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema da Itália.
 
No elenco, destacam-se os atores Stefano Satta Flores, Aldo Fabrizi, Stefania Sandrelli e Giovanna Ralli, seguidos pelas boas atuações de Vittorio Gassman e Nino Manfredi. 
 
Enfim, "Nós que nos amávamos tanto" é um filme italiano que vale a pena ser visto. 
 
CAA