Filmes por gênero

OS ETERNOS DESCONHECIDOS (1958)

I soliti ignoti
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Gangsters falhados (Portugal)
Le pigeon (França, Canadá)
Rufufú (Espanha)
Los desconocidos de siempre (Argentina, México)
Big Deal on Madonna Street (Estados Unidos, Reino Unido)
Kvartetten som sprängde (Suécia)
Sprawcy nieznani (Polônia)
Ismeretlen ismerősök (Hungria)
Злоумышленники, как всегда, остались неизвестны (União Soviética)
Pais: Itália
Gênero: Comédia, Crime
Direção: Mario Monicelli
Roteiro: Suso Cecchi D'Amico, M. Monicelli, F. Scarpelli, A. Incrocci
Produção: Franco Cristaldi
Design Produção: Piero Gherardi
Música Original: Piero Umiliani
Direção Musical: Piero Umiliani
Fotografia: Gianni Di Venanzo
Edição: Adriana Novelli
Figurino: Piero Gherardi
Maquiagem: Romolo de Martino
Efeitos Sonoros: Oscar Di Santo, Luigi Puri
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1960

Elenco

Vittorio Gassman Peppe il pantera
Renato Salvatori Mario Angeletti
Memmo Carotenuto Cosimo
Claudia Cardinale Carmelina
Marcello Mastroianni Tiberio
Rosanna Rory Norma
Carla Gravina Nicoletta
Carlo Pisacane Capannelle
Tiberio Murgia Michele
Gina Rovere Teresa, mulher de Tiberio
Gina Amendola Mãe de Mario
Elvira Tonelli Assunta
Elena Fabrizi Sra. Ada
Pasquale Misiano Massimo
Renato Terra Eladio
Aldo Trifiletti Fernando
Nino Marchetti Luigi
Totò Dante Cruciani
Mario Feliciani Inspetor da Polícia
Ida Masetti Gabriella
Mario Meniconi Paolo
Lisa Romey Emilia
Roberto Spiombi Piero

Prêmios

Festival Internacional de San Sebastián, Espanha

Prêmio Concha de Prata (Mario Monicelli)

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Roteiro (Agenore Incrocci, Furio Scarpelli, Suso Cecchi D'Amico, Mario Monicelli)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Ator (Vittorio Gassman)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Produção (Franco Cristaldi)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira (Itália)

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Direção (Mario Monicelli)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Estória Original (Agenore Incrocci, Furio Scarpelli )

Prêmio Fita de Prata de Melhor Trilha Sonora (Piero Umiliani)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Ator Coadjuvante (Memmo Carotenuto)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Roma, meados da década de 1950. Cosimo é preso pela polícia quando tenta roubar um Fiat 1400. Para que ele seja libertado, seus amigos malfeitores procuram alguém que, por 150.000 liras, assuma o crime e a punição, dele decorrente. Resta, assim, encontrar o candidato certo no submundo local.

Depois de algum tempo, eles encontram Pepe, um boxeador que vai à prisão para proclamar sua culpa. O diretor da prisão, no entanto, o prende, mas não liberta Cosimo. Este revela a Pepe seu plano para seu novo golpe. Como Pepe consegue ser libertado antes de Cosimo, ele rapidamente planeja o novo crime com os cúmplices de Cosimo. Este, anistiado e libertado, se recusa a associar-se ao roubo do Monte da Piedade, embora trabalhe para facilitar as ações da quadrilha.

Ele chega ao local no final do expediente e aponta sua pistola para o caixa sentado atrás de seu guichê. Apressado, o funcionário pega a arma pelo cano, olha para ela e anuncia: "Beretta 7.65, em péssimo estado, 1000 liras ...". Desanimado, Cosimo vai embora, mas espera na rua pelo trabalho da quadrilha. Quando uma jovem passa com um cofre, ele segue em sua direção, mas um homem se junta à ela e a acompanha, fazendo com que o criminoso mude de ideia. Em seguida, ele tenta arrancar a bolsa de uma transeunte, mas ela resiste.  Em pânico, ele sai correndo e se joga sob as rodas de um bonde.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Mario Monicelli, a partir de um roteiro escrito por Suso Cecchi D'Amico, M. Monicelli, F. Scarpelli e A. Incrocci, “Os Eternos Desconhecidos” é uma excelente comédia italiana produzida em 1958. Sua trama, baseada numa estória de Agenore Incrocci e Furio Scarpelli, é marcada por bastante humor, sem malícia e rica em pequenos detalhes.

A direção de Monicelli é consistentemente boa, apresentando um ótimo ritmo do início ao fim. Os diálogos são inteligentes, dentro de um roteiro muito bem estruturado. Merece ainda ser destacada a excelente trilha sonora, assinada por Piero Umiliani.

No elenco, Vittorio Gassman e Memmo Carotenuto brilham em seus respectivos papéis, seguidos pelas boas atuações de Renato Salvatori, Marcello Mastroianni e Claudia Cardinale.

CAA