Filmes por gênero

DIVÓRCIO À ITALIANA (1961)

Divorzio all'italiana
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Divorce à l'italienne (França, Canadá)
Divorcio a la italiana (Argentina, Espanha, México)
Scheidung auf italienisch (Alemanha)
Skilsmässa på italienska (Suécia)
Rozwód po wlosku (Polônia)
Skilsmisse på italiensk (Dinamarca)
Развод по-итальянски (União Soviética)
Pais: Itália
Gênero: Comédia, Drama, Romance
Direção: Pietro Germi
Roteiro: Pietro Germi, Alfredo Giannetti, Ennio De Concini
Produção: Franco Cristaldi
Design Produção: Carlo Egidi
Música Original: Carlo Rustichelli
Direção Musical: Luigi Urbini
Fotografia: Carlo Di Palma, Leonida Barboni
Edição: Roberto Cinquini
Figurino: Dina Di Bari
Guarda-Roupa: Elena Micheli Scardella
Maquiagem: Franco Freda, Raffaele Cristini
Efeitos Sonoros: Fiorenzo Magli, Antonio Bramonti
Nota: 8.6
Filme Assistido em: 1963

Elenco

Marcello Mastroianni Ferdinando Cefalù
Daniela Rocca Rosalia Cefalù
Stefania Sandrelli Angela
Leopoldo Trieste Carmelo Patanè
Odoardo Spadaro Don Gaetano Cefalù
Margherita Girelli Sisina
Angela Cardile Agnese
Lando Buzzanca Rosario Mulè
Pietro Tordi Advogado De Marzi
Ugo Torrente Don Calogero
Antonio Acqua Padre
Bianca Castagnetta Sra. Matilde Cefalù
Giovanni Fassiolo Don Ciccio Matara
Laura Tomiselli Tia Fifidda
Saro Arcidiacono Dr. Talamone
Renzo Marignano Político
Bruno Bertocci Homem na Praça
Francesco Nicastro .
Renato Pinciroli .
Daniela Igliozzi .

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Roteiro Original (Pietro Germi, Alfredo Giannetti, Ennio De Concini)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Ator em um Musical ou Comédia (Marcello Mastroianni)

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro (Itália)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Ator Estrangeiro (Marcello Mastroianni)

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio de Melhor Comédia (Pietro Germi)

Prêmios Globo D'Oro, Itália

Globo d'Oro de Melhor Filme (Pietro Germi)

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Ator (Marcello Mastroianni)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Roteiro (Pietro Germi, Alfredo Giannetti, Ennio De Concini)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Estória Original (Pietro Germi, Alfredo Giannetti, Ennio De Concini)

National Board of Review, USA

Prêmio NBR dos Melhores Filmes Estrangeiros

Festival Internacional do Cinema de Thessaloniki, Grécia

Prêmio Honorário (Pietro Germi)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Direção (Pietro Germi)

Oscar de Melhor Ator (Marcello Mastroianni)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme (Itália)

Prêmio de Melhor Atriz Estrangeira (Daniela Rocca)

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio Palma de Ouro (Pietro Germi)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Pietro Germi)

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Direção (Pietro Germi)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Produção (Franco Cristaldi)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Design de Produção (Carlo Egidi)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Ferdinando Cefalù, um nobre siciliano empobrecido, é casado com Rosalia, uma esposa pouco atraente. No entanto, ele se acha apaixonado por sua prima Angela, uma bela jovem de dezesseis anos, que ele vê apenas durante o verão, porque ela é interna em um convento, onde estuda. Além de sua esposa, ele compartilha sua vida com seus pais idosos, com sua irmã solteirona e o namorado desta.

Sabendo que o divórcio é ilegal na Itália, Ferdinando gasta seu tempo livre imaginando uma forma de se livrar de sua esposa. Em uma praia, ele tem um devaneio ao imaginar sua esposa sendo carregada por uma areia movediça. Depois de um encontro casual com Angela, durante uma viagem familiar, ele descobre que ela compartilha seus sentimentos. Assim, inspirado em uma história local de uma mulher que matou seu marido por ciúme, ele planeja fazer com que ela se envolva com outro homem e ele possa pegá-la em flagrante delito e matá-la, recebendo uma pequena sentença por cometer um crime em defesa de sua honra.

Ao avançar em seu plano, Ferdinando precisa inicialmente encontrar o homem adequado para sua esposa, chegando ao afilhado do sacerdote local, Carmelo Patanè, que sentiu sentimentos por Rosalia, anos atrás, e foi presumido morto na África durante a Segunda Guerra Mundial. Ele também conquista a amizade do promotor público do Estado com pequenos favores. A fase final de seu plano é fazer com que Carmelo, agora um pintor obscuro, frequente sua casa, para estar próximo de Rosalia, o que consegue ao convidá-lo para restaurar algumas de suas pinturas.

Quando Carmelo começa a realizar o trabalho de restauração, Ferdinando passa a gravar todas as conversas e descobre que ele é casado com três filhos, além de ser um mulherengo inveterado. No entanto, quando Rosalia e Carmelo finalmente cedem à sua paixão, a fita se acaba exatamente no momento em que os dois marcam o próximo encontro. Tudo o que Ferdinando sabe é que o mesmo acontecerá na próxima noite.

No dia seguinte, Rosalia finge ter uma terrível dor de cabeça e permanece em casa, enquanto o resto da família vai ao cinema para assistir a estreia de La Dolce Vita , um filme que ninguém quer perder. Ferdinando, no entanto, sai do cinema e volta para casa, chegando a tempo de ver Rosalia correr para a estação de trem. Ele inicialmente tem que acabar com ela, mas precisa antes pegar a arma para matar o casal. Como resultado, ele perde o trem e os amantes seguem nele. Ele revê seu plano e o Código Penal, que exige que um crime, movido pela paixão, deve ser cometido no calor do momento ou em defesa de sua honra.

Enquanto isso, Angela escreve para Ferdinando para lhe assegurar seu amor eterno, não importa o que aconteça. No entanto, uma de suas cartas cai nas mãos de seu pai que, ao lê-la, tem um infarto e morre. No funeral, Ferdinando é abordado pela Sra. Patanè, que exige saber o que ele fará para resolver sua situação. Uma vez que Ferdinando ainda não fez nada, ela cospe em sua face na frente da cidade inteira, o que lhe dá tudo o que ele precisava: um insulto à honra da família devido ao desaparecimento de sua esposa. O chefe da máfia local se oferece para encontrar os amantes dentro de 24 horas, com o que ele concorda.

Quando Ferdinando vai ao esconderijo dos amantes, ele encontra a Sra. Patanè, que acabara de atirar em seu marido, o que realmente o deixa em uma posição pior do que antes. Sem outra escolha, ele segue os passos da Sra. Patanè e finalmente mata sua esposa.

Durante seu julgamento, ele é defendido pelo Promotor Público, que culpa seu pai pela falta de amor ao criá-lo como menino. Ele passa menos de três anos na prisão e, finalmente, volta para casa para se casar com Angela. No final, em um cruzeiro de lua de mel, ele não percebe que Angela está planejando secretamente um romance com um jovem e simpático marinheiro.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Pietro Germi, a partir de um roteiro por ele escrito, juntamente com Alfredo Giannetti e Ennio De Concini, “Divórcio à Italiana” é um filme produzido pelas empresas Lux Film, Vides Cinematografica e Galatea Film em 1961. Sua trama, baseada no livro “Un delito d’onore” de Giovanni Arpino, conta a história de um homem que faz de tudo para que sua esposa cometa adultério, a fim de que ele possa eliminá-la e utilizar sua traição como atenuante quando de seu julgamento no tribunal.

Partindo de um roteiro bastante original e inteligente, a direção de Germi é consistentemente boa. Os diálogos são inteligentes e os cenários exteriores muito bem aproveitados. A fotografia, assinada por Carlo Di Palma e Leonida Barboni, é de boa qualidade e, no elenco, destacam-se Marcello Mastroianni e Daniela Rocca, com ótimas atuações.

Enfim, “Divórcio à Italiana” é uma comédia italiana, recheada de humor negro, que recomendo fortemente.

CAA